Pikachu afirma que Kleina demonstrou interesse

PSCXABC serieB-MQuadros (16)

Da Agência FI

Carrasco palmeirense nesta terça-feira, o lateral-direito do Paysandu, Yago Pikachu, afirmou em entrevista após o jogo que foi convidado pelo treinador Gilson Kleina para defender o Palmeiras no próximo ano. Segundo o jogador, o treinador lhe deu parabéns pela atuação e indicou desejo de contar com ele no próximo ano.
“Eu conversei rapidamente com o Gilson Kleina na volta para o segundo tempo. Eu dei os parabéns para ele pela conquista da Série B e ele disse que estava disposto a me levar”, declarou o lateral ao final da partida.
O problema maior disso tudo é que Gilson Kleina ainda não está confirmado como o treinador do Palmeiras em 2014. Em busca de um treinador com “maior bagagem”, a diretoria do Palmeiras já admitiu conversas com o argentino Marcelo Bielsa e até o nome de Vanderlei Luxemburgo e Oswaldo de Oliveira é vinculado nos bastidores do clube. O próprio Kleina falou em tom de despedida após a vitória por 3 a 0 sobre o Joinville no último final de semana.
O desejo de Gilson Kleina em contar com Yago Pikachu já é antigo. Neste ano, o jogador era apontado como uma das pretensões de contratação do Palmeiras para a disputa da Série B, mas o acordo não foi firmado. O lateral é o artilheiro do Paysandu na competição ao lado de Marcelo Nicácio, com oito gols. (Foto: MÁRIO QUADROS/Bola)

Brasileiro da Série B: Classificação geral

PG J V E D GP GC SG
Palmeiras 73 35 22 7 6 64 26 38 69.5
Chapecoense 65 35 18 11 6 56 29 27 61.9
Sport 56 35 18 2 15 59 54 5 53.3
Icasa 56 35 17 5 13 47 49 -2 53.3
Ceará 56 35 15 11 9 58 43 15 53.3
Figueirense 55 35 17 4 14 58 49 9 52.4
Joinville 53 35 15 8 12 51 40 11 50.5
Avaí 53 35 15 8 12 48 44 4 50.5
América-MG 53 35 13 14 8 47 40 7 50.5
10º Paraná 51 35 14 9 12 49 34 15 48.6
11º Boa Esporte 50 35 13 11 11 31 39 -8 47.6
12º Oeste 44 35 11 11 13 38 50 -12 41.9
13º Bragantino 42 35 12 6 17 34 41 -7 40.0
14º América-RN 42 35 10 12 13 43 52 -9 40.0
15º Guaratinguetá 41 35 11 8 16 39 47 -8 39.0
16º ABC 39 35 11 6 18 40 57 -17 37.1
17º Paissandu 39 35 10 9 16 39 53 -14 37.1
18º Atlético-GO 38 35 10 8 17 36 46 -10 36.2
19º ASA 32 35 10 2 23 39 69 -30 30.5
20º São Caetano 32 35 8 8 19 40 54 -14 30.5

Para afastar o baixo astral

Por Gerson Nogueira

Foi um triunfo suado, difícil e sofrido, como se previa, mas extremamente importante. Além de encostar de vez no ABC, o Paissandu afasta o baixo astral que começava a impregnar time e torcida – a ponto de muitos torcedores terem começado a tradicional caça às bruxas de fim de festa. Sobrou confiança e vontade, no Mangueirão, para deleite da imensa torcida presente (mais de 29 mil pagantes).

No time bicolor, a superação falou mais alto que a qualidade técnica. Apesar de desfigurado pelo excesso de reservas em campo, o Palmeiras encarou um oponente organizado e com eficiente transição de jogo entre defesa e ataque. A situação só não era pior para o Paissandu porque os atacantes alviverdes exageravam nos lances individuais, permitindo a chegada da marcação.

GERSON-CHAR QUARTABem distribuído em campo, com Vânderson e Zé Antonio atentos à frente da zaga e uma última linha mais firme que o habitual, com Raul e Fábio Sanches, o Paissandu segurou o ímpeto do Palmeiras nos primeiros minutos. Chegou a levar perigo num cabeceio de Raul, mas depois passou a ceder espaço pelas laterais e perdeu a briga no meio-de-campo.

Diego Barbosa destoava do resto da companhia. Lento, não dava andamento às jogadas, parecendo excessivamente preocupado em não errar. Djalma, ao contrário, mantinha o pique acelerado que garantiu o empate contra o Oeste.

A questão é que sem os lançamentos de Eduardo Ramos para explorar sua velocidade, Pikachu não aparecia, ficando preso ao trabalho de marcação. Sem contar com seu melhor atacante e principal artilheiro, o Paissandu só ameaçava em cruzamentos neutralizados pelos beques e num arremate fraco de Djalma, depois de uma falha horrorosa do volante uruguaio Eguren.

O Palmeiras, ao contrário, tinha bom aproveitamento, girava à vontade, mas não aprofundava jogadas. Alan Kardec, o grandalhão do ataque, ficava pelas extremas cruzando bolas para ninguém. O avante mais acionado era Juninho, que se destacou a partir dos 30 minutos por desferir três chutes que obrigaram o goleiro Mateus a grandes intervenções.

Para o segundo tempo, Benazzi não fez mudanças, mas o Paissandu voltou mudado. Mais ousado, tratou de infiltrar Djalma e Héliton na área, abrindo mão dos chuveirinhos. Ao mesmo tempo, Nicácio iniciou uma movimentação para abrir espaços para Pikachu. Deu certo.

Aos 13 minutos, em jogada de verticalização, Nicácio tocou para Héliton, que lançou Djalma entre os zagueiros e deste partiu o cruzamento curto e mortal para Pikachu estufar as redes. Combinação belíssima em sua simplicidade.

Benazzi ainda tiraria Diego Barbosa, botando Jailton em campo, mas o Paissandu curiosamente recuou outra vez. Por sorte, manteve a vitória na base da transpiração, dependendo da luta e do desassombro de algumas peças, mas caindo terrivelmente de produção nos últimos 20 minutos.

O sentido de marcação desapareceu, o cansaço veio e o time caiu tanto que o Palmeiras, mesmo sem inspiração, tomou conta do jogo, mandou duas bolas na trave e só não fez gol devido à perícia do goleiro Mateus, novamente impecável.

Poderia aqui ficar analisando atuações individuais, mas, pela entrega e comprometimento, eventuais falhas devem ser relevadas. Todos os jogadores do Papão merecem igual destaque. Uma vitória fundamental, talvez decisiva para evitar a queda.

———————————————————– 

Fortes emoções em 270 minutos

Na próxima sexta, o Paissandu vai a Juazeiro enfrentar o Icasa. Em caso de vitória, o risco da degola praticamente será afastado. Um empate pode ajudar, pois na rodada seguinte o adversário será o Bragantino, em casa. É prudente que o Papão resolva sua vida antes da rodada final, no Recife, contra o Sport, adversário que usará de todas as forças possíveis e imagináveis para obter os três pontos.

Com 39 pontos, o time segue na zona, mas encostou no ABC (só perde em número de vitórias) e se mantém à frente do Atlético-GO, com 38. Os resultados da rodada não ajudaram, mas também não atrapalharam. O Oeste praticamente se garantiu com 44 pontos. O América-RN e Bragantino estão bem perto disso, com 42. Mas o Guaratinguetá, com 41, volta a correr perigo e entra na briga direta com ABC, Papão e Atlético.

———————————————————–

Chapecoense já é da elite

Para inveja branca de todos nós, a modestíssima Chapecoense está na Série A. Derrotou o Paraná em Curitiba e agora terá tranquilidade para iniciar seu planejamento para a disputa da Primeira Divisão. Se mantiver a seriedade gerencial, tem boas chances de se estabilizar entre os grandes.

Paga salários medianos, não tem tradição e nem chega perto das torcidas de Remo e Paissandu. Apesar disso, obtém resultados que nossos clubes buscam há uma década.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quarta-feira, 13)