Papão ganha nova opção para o ataque

Com nome publicado no BID, Erick Bessa conta fácil adaptação: 'Estou feliz' - Crédito: Jorge Luiz/Paysandu

Atacante de beirada de campo, Erik Bessa teve confirmado ontem o registro junto ao BID da CBF e é um importante reforço para o técnico Hélio dos Anjos na partida deste sábado à noite contra o Paragominas, no estádio Jornalista Edgar Proença, na reestreia da equipe no Parazão.

“Estou muito feliz com a notícia de estar no BID. Cheguei há duas semanas, estou no momento bom, pego rápido minha forma física e consigo chegar num nível bom. Tô preparado pro jogo de amanhã. Se for pra jogar, vou ajudar a equipe”, disse.

Erick é um velocista e atua pelos dois lados do ataque. “Ultimamente tenho jogado pela direita. Já joguei pela esquerda, então tenho a facilidade de jogar dos dois lados. Não conheço o Paragominas, mas o Hélio está passando algumas coisas. Não sabemos como eles vão vir. É um jogo onde vamos enfrentar a nós mesmos, vamos pro sacrifício”.

A comissão técnica manteve os jogadores concentrados no hotel do clube por duas semanas antes da reestreia no Pazarão, fato elogiado pelo novato. “Nesse momento próximo de voltar aos jogos foi muito importante. Podemos conversar, melhorar o entrosamento. A equipe está preparada pra fazer um grande jogo amanhã”, afirmou Erik.

Paragominas e Paissandu se enfrentam amanhã, 01, às 19h, no Mangueirão.

Pep reconhece méritos de Klopp e rasga elogios a Zidane

Imagem

Pep Guardiola comandou equipes incríveis ao longo da vitoriosa carreira e teve que superar rivais de grande qualidade técnica, como o Manchester Unitede de Alex Ferguson e o Real Madrid de José Mourinho.

Em entrevista ao #DAZN, ao ser perguntado sobre qual o adversário mais forte que já enfrentou, Pep não hesitou em responder: o Liverpool, de Jürgen Klopp.

Zidane e Guardiola se cumprimentam antes de jogo amistoso entre Manchester City e Real Madrid, em 2017 - Kevork Djansezian/Getty Images

Ex-jogador do Barcelona, Pep disse também que gostaria de ter jogado com Zinedine Zidane, ídolo e agora treinador do Real Madrid. Não poupou elogios ao francês e disse que torce pelo seu sucesso.

“Gostaria de ter jogado com ele. Tive a infelicidade de o enfrentar quando ele defendia a seleção da França. Embora as pessoas não possam acreditar, porque ele é do Real, estou muito feliz que as coisas estão indo bem, porque é muito bom para o futebol que as coisas corram bem para pessoas como ele”, comentou.

Físico impõe escolhas no Leão

POR GERSON NOGUEIRA

Parazão nos bastidores está mais imprevisível do que no gramado ...

Ao falar, em entrevista por videoconferência, o técnico do Remo, Mazola Junior, deixou claro ontem que vai formatar o time para a reestreia no campeonato a partir do critério físico. Mais do que a questão técnica, vai pesar a capacidade de resistência e velocidade para encarar os jogos da retomada, após a longa quarentena pela covid-19.

Para a partida contra o Águia, domingo à tarde, no estádio Evandro Almeida, o Remo terá mudanças e inovações em relação ao time que participou das oito primeiras rodadas da competição. A boa avaliação do elenco nos treinamentos iniciados a 1º de julho só terá consequência prática se os jogadores mostrarem facilidade para driblar a falta de ritmo.

Mazola arrisca o prognóstico de o Remo voltará muito melhor após a parada, iniciada em 15 de março, mesmo levando em conta as dificuldades naturais de readaptação ao próprio jogo e às respostas de cada um ao longo período de hibernação.

Como o técnico elegeu a forma física como base para a montagem da equipe, os jogadores que estão treinando desde a primeira semana de preparação têm mais chances de ganhar a titularidade, o que não deve impedir que a escalação tenha três ou quatro novidades – como Everton, Dudu Mandai, Julio Rusch e Zé Carlos.

Mazola deixa claro que o sistema não se altera: linha defensiva de quatro, quatro no meio e dois na frente. Por óbvio, o desenho tático pode ter múltiplas variações ao longo da partida.

Sobre o propalado excesso de volantes e defensores, o técnico é curto e grosso: o elenco azulino tem 20 jogadores de linha, segundo ele. Observou que volantes voltaram a ser vistos como médios, como a Europa já denomina a função há tempos. Certíssimo, desde que a distribuição em campo seja realmente moderna e voltada para a multiplicidade de tarefas.

Reafirmou a estratégia de formar um grupo competitivo e experiente, focado no Brasileiro da Série C, sem perder de vista a ambição pelo tricampeonato estadual. Um time mais cascudo, advoga Mazola, sente menos a pressão do torcedor, além de ter lastro na busca pelo acesso.

No arremate, Mazola disse que nos poucos meses de Baenão já conseguiu reverter o desgaste gerado por pequenas crises que vinham de fora para dentro. Comemorou o clima positivo e alto astral vivido hoje no clube, com todos voltados para objetivos práticos.

Direto do blog campeão

O Remo deveria fazer uma enquete na internet para a torcida votar nos maiores ídolos do clube. Seriam então escolhidos 50, criando totens com as fotos desses jogadores. Daí cobraria R$ 100,00 no totem para aqueles que desejassem aparecer ao lado do ídolo. Homenagearia os ídolos, teria lucro e serviria para divulgar ainda mais a campanha. Eu pagaria R$ 100,00 para ter minha foto ao lado de nomes como Agnaldo, Arthur, Robinho, Biro Biro, Belterra, Luciano Viana, Bira, Mesquita ou Alcindo”.

Luiz Henrique, remista de Castanhal

Papão promove bilhetes com camisa autografada por ídolo

O PSC encontrou uma maneira inteligente de badalar a venda de ingressos virtuais para a partida contra o Paragominas, no sábado à noite, pelo Parazão. Vinculou a venda de bilhetes a uma camisa que terá o autógrafo do ídolo Nicolas. O jogo será de portões e o clube quer arrecadar uma quantia que atenue as dificuldades financeiras causas pela pandemia.

Com o Projeto Jogue Junto, os bilhetes têm valores que vão de R$ 5,00 a R$ 100,00. Podem ser comprados no site do clube e os torcedores concorrem a uma camisa oficial autografada por Nicolas. Quanto mais ingressos comprados, maior é a chance de conquistar a premiação especial.

Uma parte do valor arrecadado com a promoção será revertida para a Organização dos Ribeirinhos Vítimas de Acidente de Motor (Orvam), que luta contra o escalpelamento em barcos que fazem a navegação fluvial, problema que aflige principalmente mulheres do interior paraense.

Balão de couro teve papel decisivo na primeira Copa

Um prosaico problema envolvendo a bola do jogo pode ter sido o ponto de desequilíbrio na decisão da primeira Copa do Mundo, há 90 anos, entre Uruguai e Argentina. No dia 30 de julho de 1930, no estádio Centenário (Montevidéu), cada tempo foi disputado com uma bola diferente. O balão de couro portenho foi usado inicialmente, dando vantagem aos argentinos. Na etapa final, com bola uruguaia, os mandantes viraram o placar e levantaram o caneco.

Capitaneado pelo beque José Nasazzi, o Uruguai marcou 4 a 2, confirmando a tradição vitoriosa da geração que havia sido campeã dos Jogos Olímpicos de 1924 e 1928. Apenas 13 países toparam participar do primeiro mundial da história, evento que teve em Jules Rimet figura fundamental para sua realização.

Rimet definiu a realização da Copa a cada quatro anos, com participação de representantes de todos os continentes. Prejudicada por um racha entre paulistas e cariocas, a Seleção Brasileira ainda não tinha peso internacional e estreou com derrota para a Iugoslávia, por 2 a 1. No segundo jogo, goleou a Bolívia por 4 a 0, mas o resultado não garantiu o avanço às semifinais.

O regulamento da época premiava a vitória com dois pontos. Avançaram para as semifinais Uruguai, Argentina, Estados Unidos e Iugoslávia. Uruguaios e argentinos surraram iugoslavos e americanos pelo mesmo placar, 6 a 1. Na finalíssima, a Celeste Olímpica prevaleceu.

(Coluna publicada na edição do Bola desta sexta-feira, 31)

A frase do dia

“Esse homem é desgraçado vergonhoso, uma verdadeira calamidade. Representa um retrocesso de, no mínimo, 100 anos na edificação da nação. A elite e a burguesia deste país, ignorantes e tacanhas que sempre foram, terão de arcar com essa responsabilidade para o resto dos seus dias”.

Barbara Gancia, jornalista

Remo anuncia a contratação de Marlon

Imagem

O Remo anunciou na manhã desta sexta-feira a contratação do lateral-esquerdo Marlon, de 34 anos. O jogador defendia o Santo André (SP) no Campeonato Paulista. Ele volta ao Evandro Almeida, onde atuou no começo da carreira. Nos últimos anos, teve passagens pelo Criciúma, Bahia e Vasco. Esteve também no PSC, por um curto período, e no Águia de Marabá.

Marlon é um reforço avalizado pelo técnico Mazola Junior para o Campeonato Brasileiro da Série C, mas deve se integrar ao elenco para a reta final do Campeonato Paraense.