Leão traz Alemão para reforçar a defesa

Gilberto Alemão estava no XV de Piracicaba — Foto: Adriano Rizzo/ XV de Piracicaba

O zagueiro Gilberto Alemão, de 30 anos, foi anunciado neste sábado como o novo reforço do Remo para o setor defensivo. O jogador estava atuando pelo XV de Piracicaba, de São Paulo. Catarinense, ele tem no currículo vários outros clubes do interior paulista – Botafogo, Grêmio Novorizontino, RB Bragantino, Rio Claro, Mogi Mirim e Independente de Limeira. Ainda acumula passagens por Felda United (Malásia), Icasa (CE), Volta Redonda (RJ) e Paraná Clube.

Alemão vem reforçar um dos setores mais vulneráveis do time azulino. Após a saída do polivalente Rafael Jansen, o técnico Mazola Junior perdeu Fredson (suspenso por três partidas) e Kevem, lesionado e com prazo de recuperação de três semanas. No momento, o Leão conta apenas com Mimica e Neguete para compor a defesa.

Juca: “Globo achou que poderia controlar o genocida”

Juca Kfouri e Jair Bolsonaro

O jornalista Juca Kfouri afirmou à TV 247 que a Rede Globo fez uma leitura equivocada do cenário político em 2018 ao apoiar Jair Bolsonaro em vez do nome de Fernando Haddad, do PT. Para Kfouri, a emissora agora percebe que Bolsonaro, o “genocida”, é incontrolável, ameaçando inclusive cassar a concessão da Globo.

“Para mim é absolutamente incompreensível que as organizações Globo não tenham se dado conta, já na campanha, que Bolsonaro seria a pior hipótese, que Bolsonaro é incontrolável. Diga-se, em justiça a Bolsonaro: ele desde a campanha deixava muito claro a opção preferencial pela Record, do bispo Edir Macedo, e que a Globo era inimiga. A Globo fez uma leitura ingênua, que é inadmissível em se tratando do poder que tem, de achar que poderia controlá-lo. A história revela que na Alemanha se deu a mesma coisa entre os empresários e o Hitler, até por isso deveria ter clareza de que não controlaria esse maluco, esse genocida. Bom, se deu conta disso, o vê ameaçando cassar a concessão – claro que não é assim tão simples, mas se ele puder tentar, vai tentar”, disse.

Em participação no programa Boa Noite 247, ele também comentou a mudança nas regras de transmissão de jogos de futebol, que retira poderes da Globo.

Alckmin, Serra e lentidão seletiva

Imagem

Parece ser uma constante entre os tucanos. Aécio Neves, José Serra e, agora, Geraldo Alckmin, só são alvos de medidas policiais-judiciais depois de politicamente mortos. A esta altura, parece ser uma manobra publicitária, mais que uma investigação policial, como para provar que a lei seria para todos. No caso de José Serra, tudo indica que o destino será a decretação da prescrição judicial.

No de Alckmin, correndo pela Justiça Estadual, pouca gente acredita que o indiciamento vire denúncia e menos ainda que vire uma ação e, se virar, que chegue a termo antes de ter o mesmo destino.

O ex-governador que perdeu o partido que controlava – depois de tê-lo tomado de um Aécio Neves em desgraça – para o escorpião Doria é só mais uma destas figuras que passa pela política sem deixar qualquer significado.

Sobra do PSDB apenas Fernando Henrique Cardoso, que nunca foi processado, mas que já foi julgado e condenado pela população ao ostracismo. A direita agora é outra, tão entreguista quanto aquela, mas mais feroz. (Do Tijolaço)