Governo comemora um mês de funcionamento do Hospital Regional de Castanhal

Ao acompanhar pelos noticiários o andamento das obras do Hospital Regional Público de Castanhal (HRPC), a professora Iolanda Pinho, 42 anos, não imaginava que seria uma das primeiras pacientes a ficar internada na unidade, que completa um mês de funcionamento nesta sexta-feira (3). Moradora de Ipixuna do Pará, ela foi encaminhada após o agravamento dos sintomas da Covid-19 e recebeu atendimento no hospital de retaguarda, referência para casos de média complexidade para 49 municípios do nordeste paraense.

De uma família de seis pessoas – todas acometidas pela Covid-19 – Iolanda apresentou os sintomas mais intensos. “Comecei com febre, dor no corpo, não sentia cheiro e perdi o paladar. Eu estava muito fraca, cansada, cada dia me sentia pior. A pressão (arterial) ficava oscilando o tempo todo e me encaminharam para o Regional. Fiquei assustada, quis rejeitar, mas um vizinho nosso faleceu um dia antes, conversei com a médica e a minha família, e achamos melhor por vir”, lembra a professora.

De acordo com a gerente assistencial Adalgisa Ribeiro, o HRPC é uma unidade de porta-fechada, ou seja o paciente precisa ser encaminhado por meio da Central de Regulação da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

“Ao ser aceito dentro do hospital, o paciente é recebido por uma equipe multiprofissional da clínica ou UTI, formada por enfermeiros, psicólogo, fisioterapeuta e serviço social. É feita uma abordagem com esse paciente e com o familiar, onde informamos a respeito de normas e rotinas do hospital, onde infelizmente não temos visitas e as informações sobre estado de saúde são dadas em boletim médico presencial, por ligações diárias ou até videochamadas” – Adalgisa Ribeiro, gerente assistencial.

 A entrega do Regional de Castanhal ocorreu em uma união de esforços de órgãos do Governo do Pará para a conclusão das obras e antecipação de seis meses do prazo para a abertura. Com 100 leitos clínicos e 20 de UTI, no primeiro mês, foram registradas 73 internações de pacientes, dos quais 22 receberam alta médica, 31 permanecem internados, 4 transferências e 16 óbitos.

“Estamos com um perfil humanizado e voltado para atender às necessidades dos 48 municípios circunvizinhos para quem somos referência, além de Castanhal. Nosso médico regulador e o enfermeiro entram em contato com as cidades disponibilizando nossos serviços, onde se faz uma discussão sobre a aceitação do paciente. Esse tipo de ação foi tomada no intuito de agilizarmos cada vez mais o traslado, a vinda do paciente para HRPC, evitando desperdiçar tempo, seja com exames ou condutas”, acrescentou Adalgisa.

A abertura antecipada do HRPC ocorreu em virtude da demanda da população durante a pandemia do novo coronavírus. Além dos três andares já entregues, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop) também concluiu a construção de 74 ambientes localizados no térreo. Os serviços prosseguem de acordo com o cronograma estabelecido pelo governador Helder Barbalho e a previsão de conclusão dos trabalhos é no início de outubro.

A vitória do bom senso

POR GERSON NOGUEIRA

Depois de três meses, termina uma novela chata e desnecessária que angustiou e prendeu a atenção da torcida paraense. O retorno dos jogos do Parazão 2020 no dia 1º de agosto foi aclamado por unanimidade ontem à tarde em reunião do conselho técnico. A decisão restitui a normalidade das coisas e garante o cumprimento de um regulamento que foi acordado por todos os 10 clubes participantes.

Estado garante infraestrutura e segurança na abertura do Parazão

Curiosamente, desde maio, prosperou uma tentativa perigosa de mudar as regras do jogo e muitos clubes embarcaram naquela que seria uma aventura suicida para o Campeonato Paraense. Pelos mais variados interesses e contingências, pretendiam encerrar o torneio sumariamente, ainda que nem a primeira fase estivesse cumprida.

Os argumentos variaram bastante. Iam desde falta de grana para manter elencos, dificuldades para bancar os custos da retomada, exigência de definir o título conforme a classificação atual (parcial) e pleitear o fim da regra do rebaixamento.  

Felizmente, tudo acabou bem, não sem algum esforço e paciência para convencer os recalcitrantes. Ressalte-se o papel moderador exercido pela FPF, na figura do diretor Paulo Romano, que conduziu de forma habilidosa a aprovação da proposta de reinício do Parazão.

O entendimento foi tão pacífico que levou a uma novidade: a volta foi antecipada para 1º de agosto, quando todas as especulações anteriores indicavam que o recomeço seria no dia 9 ou 12 de agosto. Até a resistência manifestada por alguns clubes quanto à preparação insuficiente – exigiam cinco semanas – foi superada sem sobressaltos.

É preciso destacar que, em nome da paz mundial, os defensores do fim do rebaixamento foram atendidos, embora nem fosse tão justificado assim conceder tal benefício a clubes que tecnicamente mereciam a queda. A inclusão da obrigatoriedade de cumprimento do protocolo de segurança quanto à covid também foi item discutido e corretamente aprovado, gerando punição com perda de pontos a quem desrespeitar as normas.

O armistício selado foi construído a partir de contatos informais de Paulo Romano com representantes de sete clubes, logo depois da aprovação do protocolo de segurança pelo governo do Estado. Seguindo à risca a cartilha do Dr. Ulysses Guimarães, que pregava a tomada de decisões importantes antes das reuniões, a conversa prévia surtiu efeito e pavimentou as definições de ontem.    

Quanto ao detalhe da aventura suicida a que me referi lá no começo do texto, a explicação é óbvia. Caso os clubes desistissem do complemento do campeonato, o patrocinador da competição (Governo do Pará) certamente teria motivos para fechar a torneira financeira que mantém de pé o futebol paraense e que propicia aos clubes rendimentos que eles não obtêm em nenhum outro tipo de competição oficial.

Nem a Série C dá à dupla Re-Pa o que o Governo do Pará lhes concede em suporte financeiro. O mesmo, de forma proporcional, pode ser dito em relação aos representantes interioranos. Que o bom senso que marcou a aprovação da retomada norteie as ações dos dirigentes e que as vaidades sejam deixadas de lado, em nome do interesse maior dos clubes.

Um debate esclarecedor sobre executivos de futebol

Em live promovida ontem à noite pela advogada e desportista Vanessa Egla, o papel do executivo de futebol foi discutido ao longo de 2h, com a participação de Carlos Kila (Remo) e Sérgio Papellin (Fortaleza).

Conversamos sobre dúvidas e desinformações que rondam uma atividade profissional que existe há muitos anos, mas que só há pouco tempo ganhou a denominação atual, sustentada por cursos de aperfeiçoamento e exemplos que chegam de fora do país.

Calcada na figura do manager, comum ao futebol europeu há décadas, o executivo tem sido alvo de desconfianças em clubes que abraçaram novos modelos de gestão de futebol. Torcidas como a de Remo e PSC costumam ainda ter um pé atrás em relação aos profissionais.

Papellin e Kila discorreram pacientemente sobre as tarefas e responsabilidades de um executivo. Pelo que faz no Fortaleza, hoje na Série A, Papellin observou a fundamental importância de uma estrutura administrativa que valorize o trabalho de prospecção de atletas e de relacionamento interno na área do futebol.

Kila, que teve passagem pelo Ceará Sporting e pelo Grêmio antes de ser contratado pelo Remo, projetou um recomeço de temporada mais auspicioso para os azulinos. Explicou os critérios de contratação de jogadores mais rodados, como Zé Carlos e Marlon.

Segundo ele, em sintonia com o técnico Mazola Jr., o clube decidiu abraçar uma estratégia de mesclar jogadores com experiência na disputa das Séries B e A, a fim de suprir um problema verificado na Série C do ano passado, quando o Remo teve um excelente início, mas depois perdeu gás.

O papo foi proveitoso, estimulou novos debates e adicionou conhecimento a muitos, como eu, que veem o executivo de futebol apenas como responsável por contratar atletas. A abrangência da função é bem mais ampla e complexa do que isso.

Derrame de dinheiro para compensar a falta de Neymar

Jornais espanhóis admitem que o Barcelona, em vias de ficar sem o título de La Liga, perdeu tempo e um caminhão de grana nos últimos anos no afã de achar um novo Neymar. Antoine Griezmann foi o primeiro deles. Custu 120 milhões de euros, mas não frutificou até agora, embora seja muito utilizado pelo desgastado técnico Quique Setien.

Encontrar um novo parceiro para Suárez e Messi mostra-se uma tarefa quase impossível para o Barça. Nas buscas por esse jogador o clube já torrou R$ 2,4 bilhões. Além de Griezmann, trouxe Philippe Coutinho (que custou R$ 889 milhões) e Ousmane Dembelé (R$ 767 milhões).

Ironicamente, a resposta para solucionar o problema talvez esteja na rota Barcelona-Paris. Messi e Suarez já deixaram claro, em campo e fora dele, que Neymar é peça quase insubstituível. Ressuscitar a sigla MSN vai depender, além da declarada vontade de Neymar, dos humores de conselheiros e dirigentes do Barça. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta sexta-feira, 03)

A frase do dia

“Se o próprio J, Edgar Hoover, em edição extraordinária, assegurar que a gangue da Lava Jato tem relações espúrias com o FBI que abalam para sempre a soberania nacional, a Globo poupará os telespectadores de revelação tão cruel. A emissora é espúria desde o Time-Life”.

Palmério Dória, escritor e jornalista