A bola sorri para os jovens

POR GERSON NOGUEIRA

Há um mistério que ronda a história de bons jogadores, ídolos de suas torcidas no Brasil, que não passaram no teste de admissão ao futebol da Europa, grande vitrine do esporte e régua para medir quem é bom de verdade no mundo da bola. A tendência se acentuou nas últimas décadas e que revela uma nova realidade: não basta ser craque, é preciso ser jovem para ter chances num futebol regido pelas leis do mercado.

Relembre cinco grandes jogos de Dudu pelo Palmeiras - Gazeta Esportiva

O exemplo de Dudu, ídolo palmeirense nos últimas quatro temporadas, é simbólico das voltas que a bola dá. Badalado e inflado pela imprensa, que sempre viu alta categoria em um jogador mediano, Dudu tem contra si também a falta de participação na Seleção.

Mesmo se destacando no Palmeiras, com muitos gols e liderança em campo, Dudu nunca despertou interesse do futebol europeu. Acabou emprestado ao futebol do Catar, por 7 milhões de euros (R$ 42,8 milhões).  

Por que tanta indiferença dos grandes centros? Além do futebol abaixo da linha de corte dos jogadores que a Europa busca, Dudu tem 28 anos e, por assim dizer, já é página virada, como no folhetim buarqueano.

Os gigantes da Europa focam em atletas cada vez mais imberbes, sem vícios. A preferência é por atletas na faixa de 14 a 17 anos, adquiridos para que complementem a formação técnica, física e escolar dentro dos clubes.

Com Vinícius Jr. de titular, Real Madrid faz clássico contra ...

Não por acaso, o Real Madrid só se interessou nos últimos anos por jovens promessas, como Vinícius Junior, Rodrygo e Reinier. Antes, o Barcelona levou Arthur, que não se consolidou e foi negociado com a Juventus.

Quem via Dudu ser incensado pela sempre militante e apaixonada mídia esportiva paulistana, sendo coberto de elogios e prêmios (levou quatro bolas de prata e uma Bola de Ouro da Placar), imaginava que ele iria longe, com chances de vir a se transferir para Espanha, Itália ou França.

Afinal, nomes improváveis – e menos cotados – conseguiram transpor a fronteira, mesmo que o sucesso tenha sido modesto ou quase nenhum. Bernard, Richarlyson, Hulk são logo lembrados. Dudu é melhor que todos eles, mas chegou ao auge estourando a idade-limite.

Como Everton Cebolinha pode virar a maior venda na história do ...

É mais ou menos o que se passa com o ex-gremista Luan, hoje no Corinthians, e com Everton Cebolinha. Clubes ingleses sondaram o Grêmio, mas ficou nisso – e ele tem 24 anos. Gabigol, um dos protagonistas do Flamengo em 2019, também está fora do radar.

Aliás, o êxito no Brasil não é balizador de sucesso. Persiste lá fora, com razão, a impressão de que o campeonato nacional é tecnicamente fraco e pouco seletivo. Todos sabem que qualquer time um pouco mais organizado (o Fla de Jorge Jesus, por exemplo) acaba se destacando.

Conspira, ainda, contra Dudu o fato de ter – como Gabigol – passado por lá e não ter mostrado qualidades. Esteve no Dínamo de Kiev sem render. Podia ter sido a plataforma para chegar a centros de maior destaque.

É possível questionar os métodos de avaliação dos clubes da Europa, pois muito jogador bom só atinge o auge em torno dos 25 ou 27 anos, mas o pragmatismo financeiro faz com que a idade seja priorizada. Os clubes trabalham com a perspectiva de vir a negociar o jogador ao final do contrato. Quanto mais “velho”, menor o valor de revenda.

Mick Jagger teria dito certa vez que roqueiros deveriam morrer jovens, antes que envelheçam de corpo – e alma. O futebol europeu, grosso modo, segue à risca essa regra fechando a porta a boleiros rodados.

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro apresenta o programa, a partir das 21h, na RBATV. Estarei na bancada ao lado de Giuseppe Tommaso. Em pauta, os reforços  para o complemento do Parazão e a expectativa em relação à Série C.

Qatar prepara uma Copa para prender o torcedor em casa

Algumas Copas do Mundo nos obrigaram a horários meio malucos, como a de 1970 no México e, principalmente, a de 2002 na Ásia.  Era preciso madrugar para ver a Seleção jogar. Felizmente, foram sacrifícios bem recompensados. A próxima, no Qatar, vai ser pela primeira vez em novembro e dezembro e terá alguns jogos às 7h (hora de Brasília).

A novidade é que a Fifa vai definir horário e local dos jogos somente após o sorteio dos grupos, provavelmente em abril de 2022. A preocupação é garantir horários decentes (e lucrativos) para a transmissão das partidas.

Com isso, seleções sul-americanas deverão ser contempladas com horários mais normais, assegurando audiências mais robustas. É provável que o Brasil, caso se classifique nas eliminatórias, tenha jogos na faixa local das 16h (10h de Brasília), 19h (13h de Brasília) e 22h (16h de Brasília).

A grande final, em 18 de dezembro, será disputada às 18h (12h no Brasil). A abertura, a 21 de novembro, será às 13h, 7h no Brasil. A Copa terá 32 participantes, mas a de 2026 (nos EUA, Canadá e México) alinhará 48 seleções. Para encaixar a tabela em 28 dias, a 1ª fase será realizada com quatro jogos diários, sem folga entre a etapa de grupos e as oitavas.  

Como se vê, ninguém terá tempo para sair de casa, pois a bola vai rolar todos os dias em quatro faixas de horário. Uma overdose na TV.

Sons da torcida e totens para dar “calor” aos jogos sem público

Os clubes gaúchos estão dispostos a incrementar a transmissão de seus jogos e estimular os jogadores reproduzindo os cantos tradicionais das torcidas, vaias para os adversários e gritos de gol. É uma forma de manter a chama acesa e reconstituir o “calor” da galera. A ideia será colocada em prática já no Gauchão, mas deve ser mantida para o Brasileiro.

É o que Remo ensaia fazer postando totens com fotografias de torcedores no tobogã da 25 de Setembro, no estádio Baenão. Pelo direito de “estar lá” na arquibancada, os torcedores pagarão R$ 50,00 e R$ 60,00 (não sócios). Um bom negócio para todos. 

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 19)

Viva Madiba!

Imagem

Há 102 anos nascia o sul-africano Nelson Mandela, o grande Madiba. Após dedicar a vida (e a liberdade) à construção da democracia, em oposição ao regime de segregação racial do apartheid, Mandela se tornou símbolo de resistência e força transformadora.

Imagem

Ele recebeu o então presidente Lula em 2010, falando sobre igualdade social e solidariedade. (Foto de Ricardo Stuckert)

Beatles no topo da lista dos discos mais vendidos em 2020

Livro revela fotos raras dos Beatles | Exame

Os Beatles foram, em 2020, os artistas de rock com mais vendas de discos – 1,09 milhões de unidades, de acordo com o relatório semestral da Nielsen – transcrito pelo I Heart Radio. A banda britânica foi campeã majoritária e quase sem concorrentes; a segunda colocada, Queen, vendeu 768 mil cópias. Em seguida, Imagine Dragons (593 mil), FleetwoodMac (565 mil) e Metallica (551 mil). Elton John, Creedence Clearwater Revival e Journey também figuraram entre os discos mais vendidos.

Mais uma vez, a venda de CDs, tanto físicos quanto digitais, caiu. Pelo segundo semestre consecutivo, porém, a venda de discos de vinil cresceu. O streaming, como esperado, também cresceu.

A perspectiva para 2021 é positiva para os Beatles, também. Em 2021, a popularidade da banda deve crescer ainda mais com o lançamento do documentário The Beatles: Get Back, do diretor Peter Jackson. O filme deve relatar as gravações tensas de Let It Be. Midas Man, filme de Jonas Akerlund, também estrelará em 2021 – este mostrará a carreira do empresário dos BeatlesBrian Epstein. 

Se a violência contra a mulher fosse um sistema tático, ela seria o 536-177-7

Por Renata Mendonça, na Folha

Mallu teria amassado as portas do carro de Dudu após descobrir ...

A saída do atacante Dudu, do Palmeiras, para um clube do Qatar tem ocupado o noticiário esportivo. Muito se comenta sobre a falta que ele irá fazer no plantel comandado por Vanderlei Luxemburgo.

Há também o debate financeiro, sobre o que isso representa para o Brasil no mercado da bola. E, vez ou outra, aparece ali no último parágrafo uma menção à denúncia de violência doméstica que o jogador enfrenta, a segunda na carreira. A primeira, em 2013, teve o atacante detido e posteriormente condenado a prestar serviços comunitários.

Nos programas esportivos, os debates sobre o “caso Dudu” vinham com muita cautela (com razão) e uma observação: “cabe à Justiça julgar”. Em seguida, vinham as imagens enviadas pela defesa do atleta, às vezes até com uma “análise descritiva” delas. A vítima foi sempre procurada, mas raramente quis se manifestar.

Não é mesmo função da mídia julgar Dudu ou qualquer outro atleta por nenhum crime, mas será que, nesse caso, a divulgação repetitiva das imagens enviadas pela defesa não contribui para um “julgamento” pela opinião pública? Enquanto as redes sociais clamavam às mulheres do jornalismo esportivo que se manifestassem sobre o “caso Dudu”, fiquei pensando qual seria o real papel da mídia esportiva em situações como essa.

Se a gente aprofundasse o debate sobre violência contra a mulher no futebol com a mesma seriedade com que nos debruçamos sobre a análise tática e os números de um jogo, já teríamos evoluído muito nessa questão —e talvez não veríamos acusações tão recorrentes envolvendo ídolos do esporte mais popular do país.

Se a violência contra a mulher fosse um sistema tático, ela seria o 536-177-7. O primeiro número representa a quantidade de mulheres agredidas por hora no Brasil. O segundo, a quantidade de mulheres espancadas nesse mesmo período de tempo. O terceiro é a quantidade de mulheres estupradas também a cada 60 minutos.

Os dados são do Fórum Brasileiro de Segurança Pública de 2018. Boa parte desses crimes acontece dentro de casa, e a maioria dos agressores é conhecida das vítimas. São números assustadores da nossa sociedade, e não podemos esquecer que o futebol está inserido nela. Não é preciso eleger culpados para inserir esse debate no meio esportivo.

No dia 6 de março de 2010, o goleiro Bruno, então no Flamengo, declarou diante de jornalistas: “Qual de vocês nunca discutiu, nunca até saiu na mão com a mulher, né cara? Não tem jeito, briga de marido e mulher ninguém mete a colher”. A frase foi considerada “polêmica” na época, mas ninguém rebateu na hora ou contestou a naturalidade com a qual ele falou sobre um crime.

Dez anos depois, o ex-técnico René Simões deu uma entrevista defendendo a volta do futebol porque “tem amigos que já bateram em mulher”, e a reação da imprensa foi a mesma. Boa parte dos veículos repercutiram a “polêmica” sem de fato dar o nome correto a ela: René Simões falava de um crime. Faltou, no mínimo, alertá-lo de que deveria chamar a polícia para denunciar isso.

Não são raros os casos de violência contra a mulher envolvendo jogadores. Lembrando os mais famosos dos últimos anos: o goleiro Jean, preso em flagrante nos EUA por agressão à ex-mulher, em janeiro; o atacante Robinho, condenado por estupro na Itália, em 2017; Bruno, condenado pelo assassinato brutal da mãe de seu filho, Eliza Samudio, em 2013.

Por que esses casos são tão recorrentes no futebol? Qual é o papel da imprensa, dos clubes, das federações no combate ao problema? Temos que tirar o assunto do último parágrafo e fazer dele debate constante.