Ney da Matta repete escalação para enfrentar o Cametá

307ee0ebf6bb9

Para o jogo contra o lanterna Cametá pelo Campeonato Paraense 2018, neste sábado (24), às18h30, no Mangueirão, válido ainda pela 5ª rodada, o Remo deve repetir a mesma formação que iniciou a partida diante do Internacional-RS pela Copa do Brasil.

É a chance de reabilitação para os azulinos, que foram derrotados pelo Bragantino no último compromisso pelo Estadual. Além disso, o Leão precisa vencer para retomar a liderança do grupo A2, onde atualmente ocupa a segunda colocação, com 9 pontos.

Depois do último treino, realizado na sexta-feira, o técnico Ney da Matta relacionou 22 atletas. O lateral Esquerdinha, um dos mais experientes do elenco, destaca que a postura e o foco devem repetir o da atuação contra o Inter.

“Quando vestimos a camisa do Remo todos os jogos são importantes, independente do adversário. Devemos manter o foco e ter a mesma atitude que tivemos na quarta. Vai ser um jogo muito difícil, até pelo fato das duas equipes precisarem da vitória”.

O time azulino deve ser o seguinte: Vinícius; Levy, Mimica, Bruno Maia e Esquerdinha; Geandro, Felipe Recife, Fernandes e Jefferson Recife; Isac e Felipe Marques.

Ingressos a R$ 20,00 (arquibancada) e R$ 40,00 (cadeira).

O crime organizado julga e executa. No Rio? Não, em São Paulo

fuzila

Já que  o Rio é exposto ao Brasil e ao mundo como o inferno do crime organizado, não custa nada olhar para os lugares paradisíacos da segurança pública, como São Paulo.

Por exemplo, a notícia de hoje do Estadão:

A polícia acredita que a cúpula do Primeiro Comando da Capital (PCC) ordenou o assassinato de todos os participantes da execução de Rogério Jeremias de Simone, de 41 anos, e Fabiano Alves de Souza, de 38. A queima de arquivo já teria atingido três dos executores de Gegê e Paca. Dois outros estariam condenados à morte pela  facção.
O primeiro a ser assassinado foi Wagner Ferreira da Silva, de 32 anos, o Waguininho ou Cabelo Duro. Ele foi morto a tiros de fuzis de calibre 5,56 mm e 7,62 mm por dois homens que vestiam coletes à prova de bala e balaclavas. Cabelo Duro foi alvejado depois de descer de um HB-20 na frente de um hotel na zona leste de São Paulo.
Além dele, a inteligência da polícia obteve informações de que o PCC executou ontem André Oliveira Macedo, o André do Rap. Um dos principais aliados de Cabelo Duro, que era o chefe da facção na Baixada Santista, André do Rap era o operador do embarque de cocaína para a Europa no Porto de Santos. A polícia também recebeu a informação de que o terceiro morto é um bandido conhecido como Nado.

Evidente que o autor deste blog não está querendo fazer um “Torneio Rio-São Paulo” de criminalidade e violência. Isso é mentalidade dos anos 60, que só sobrevive na cabeça dos que não entendem a regra básica de que onde está o capital está a capital.

Mas será que há algum tolinho que acredite que armas e drogas, no Rio de Janeiro entrem sem passar pelos “donos do crime” de São Paulo. Que uma organização criminosa capaz de mandar pistoleiros de helicóptero ao Ceará matar seus “dissidentes” não tem nada a ver com o segundo maior mercado de drogas e armas do país (menor apenas que o “local”) nada tem a ver com os esquemas criminosos daqui?

O mais curioso nisto tudo é que, menos de 24 horas depois das execuções mandadas fazer pela cúpula do tráfico, a polícia sabe de tudo, em detalhes.

E não acontece nada. A notícia mais importante é a da “ficha-selfie” indiscriminada nas favelas.

Interessante, não é?

(Transcrito do Tijolaço) 

Luxemburgo, cotado no S. Paulo, não se livra do rótulo de ultrapassado

vanderlei-luxemburgo

Do Chuteira F.C.

Vanderlei Luxemburgo está no mercado desde a saída do Sport, ao ser demitido em outubro de 2017. Antes da aventura no clube do Recife, enfrentou um longo período sem time para comandar no futebol brasileiro. Diante da crise sem fim do São Paulo, agravada com a derrota para o Ituano nesta quarta-feira (21/2), seu nome ganhou corpo no Morumbi. Maldito e amado ao mesmo tempo. Luxemburgo nunca dirigiu o Tricolor, um dos poucos clubes do país que o treinador não trabalhou. Talvez nunca terá esse gostinho.

Se o São Paulo precisa ou não de Luxemburgo neste momento, quem deve responder são os dirigentes e o colegiado de Raí. O que temos em mãos é a eterna discussão se Vanderlei está ultrapassado, acabado, ou não. Nas recentes entrevistas concedidas na mídia brasileira, Luxemburgo tem insistido mais em questionar os rumos do futebol brasileiro do que propriamente seu futuro como treinador.

Não raro deixa de cobrar uma volta às origens do nosso futebol. Fala muito no sentido de resgatar nossa essência de jogar bola. Se posiciona contra a robotização, os métodos europeus de treinamentos e pede que ex-jogadores tenham mais espaço nas categorias de base dos clubes para formar os meninos.

E afirma com toda segurança que nenhum treinador no Brasil tem condições hoje de montar um timaço como era comum até a década de 1990 e começo dos anos 2000.

“Ninguém consegue montar (um grande time) porque não tem jogador. Você não tem mais jogador no futebol de hoje. Se você não tem a matéria-prima como você vai montar? Você tinha no Bragantino, eu tinha (jogadores) para disputar um Paulista, Brasileiro, Copa do Brasil. Onde estão esses jogadores hoje?”, questionou no Bola da Vez da ESPN Brasil nesta terça-feira.

Ideias e propostas Luxemburgo tem de sobra. Do alto do seu passado de maior campeão brasileiro, único treinador do Brasil a comandar o Real Madrid, técnico da Seleção Brasileira e outras glórias, tem o direito de expor seu pensamento e cobrar por mudanças como qualquer profissional do futebol também tem.

O problema não é esse. A encrenca é como convencer os que não acreditam mais na sua capacidade de levar um time a ser campeão de que não está ultrapassado, acabado. Nas últimas temporadas, esses rótulos estamparam seu nome.

Análise simples, em cima de resultados, não é favorável a Luxemburgo e a muitos outros treinadores de sua geração. Felipão foi escorraçado depois do 7 a 1 e na rápida passagem pelo Grêmio a partir de agosto de 2014. Oswaldo de Oliveira tem acumulado recordes de passagens relâmpago por clubes da Série A. Cuca vai e vem.

Levir Culpi já foi cantar em outra freguesia após cair no Santos no fim de 2017. Carlos Alberto Parreira há muito desistiu de times brasileiros. O mesmo acontece com Paulo Autuori e Muricy Ramalho. Mano Menezes, Renato Gaúcho e Abel Braga resistem com trabalhos razoáveis, exceção talvez.

Marcelo Oliveira, Dorival Junior, Vagner Mancini, entre outros menos cotados, vivem na eterna gangorra de um ano sim, outro não, e não conseguem se impor. Nova geração, com Roger Machado, Jair Ventura, Fabio Carille, Eduardo Baptista, Fernando Diniz, Zé Ricardo e outros aprendizes, começa a ocupar espaço, mas ainda sem muita força e convicção.

Neste cenário, Vanderlei Luxemburgo não está sozinho. Seus últimos resultados não estão longe dos apresentados pela maioria dos treinadores brasileiros. Pesa contra sua fama de ainda se achar o maior de todos.