Archive for janeiro, 2016

Jogo levou mais de 15 mil ao Mangueirão

a8d34da5-e2ed-4fa3-a852-980cb5a66205

O jogo Remo x Águia teve público pagante de 13.886 (15.701 presentes), com renda de R$ 303.596,00. Descontadas as despesas, da ordem de R$ 123.730,30, o Remo ficou com o valor líquido de R$ 179.865,70. (Foto: MÁRIO QUADROS)

31 de janeiro de 2016 at 20:16 19 comentários

Ciro, o grande nome do jogo

88aa7d95-ca02-4dbb-a05e-927b642ab56e

fac9aa6d-1490-4430-80cf-95d5007b045befef8533-3add-4943-96aa-12812bfcbf3e

f56cac8f-5ef0-409b-8684-fb526a0dc71c

(Fotos: MÁRIO QUADROS)

31 de janeiro de 2016 at 19:15 19 comentários

O passado é uma parada…

CaFI7qnUUAArYuv

Os diretores John Boorman, Billy Wilder, Michelangelo Antonioni e Satyajit Ray. Cannes, 1982.

31 de janeiro de 2016 at 19:08 Deixe um comentário

Uma visita ao sítio

POR JANIO DE FREITAS, na Folha SP

A renovada notícia sobre obras em um sítio que a família de Lula frequentaria, na paulista Atibaia, dá oportunidade à recuperação de dois casos reais da afinidade rural comum a presidentes e empreiteiros. Embora um caso se passasse na ditadura e outro na democracia, a discrição que os protegeu teve a mesma espessura.

A ótima localização de um sítio em Nogueira, seguimento de Petrópolis, não chegava a compensar o aspecto simplório dada à área, nem a precariedade da casa. Em poucos meses, porém, acabou o desagrado do general-presidente com as condições locais. O terreno foi reurbanizado, a casa passou a ser um moderno bangalô de lazer. Surgiram piscina, uma pista de hipismo, estrebaria, estacionamento e um jardim como as flores gostam. Uma doação da empreiteira Andrade Gutierrez ao general Figueiredo, então na Presidência.

CZ7gC1YWIAA0kF6

Em poucos anos de novo regime, a Andrade Gutierrez podia provar que sua generosidade não padecia de pesares nostálgicos. Proporcionou até uma estrada decente para a fazenda em Buritis, divisa de Goiás e Minas, que o já presidente Fernando Henrique e seu ministro das Comunicações e sócio Sérgio Motta compraram em operação bastante original. Como a democracia tem inconvenientes, dessa vez a estrada foi guarnecida de um pretexto: era só dizer que serviria a uma área que a empreiteira comprara ou compraria na mesma região.

O sítio que não é de Lula, mas recebeu-o em visitas injustificadas para a imprensa e depois para a Lava Jato, entrou nas fartas suspeições de crime quando “Veja” e logo Folha noticiaram, em abril do ano passado: a OAS de Léo Pinheiro “realizou uma reforma em um sítio a pedido do [já] ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, área de 173 mil m² dos sócios de um filho de Lula.

A descoberta desse fato deu-se, disse a notícia, nas “anotações feitas por Léo Pinheiro no Complexo Médico Penal, em Curitiba”. Mas, como ninguém da Lava Jato falou nada, os jornalistas calaram o assunto por sete meses. Ou até que, em novembro, a opinião pública foi blindada com a aparente notícia de que “a Polícia Federal investiga se a OAS beneficiou a família do ex-presidente” Lula “ao pagar por obras” no sítio “frequentado pelo petista e seus parentes”. Mas a obra deixara de ser “realizada” pela OAS para ser apenas “paga” pela empresa.

Nove meses depois da revelação, o sítio reaparece, ainda sem um esclarecimento da Polícia Federal e da Lava Jato: não houve delação a respeito, logo, só se investigassem. Nem por isso faltam novidades: sumiram a OAS e Léo Pinheiro e entrou a Odebrecht, empreiteira da moda. Citada por uma senhora vendedora de material de construção e um carpinteiro, com alegada base em alguns recebimentos que tiveram. E a tal anotação de Léo Pinheiro, que falava em OAS? Outra tapeação?

Figuras imaculadas, deve ter sido para não ver os seus novos bens em tal protelação e barafunda que Figueiredo, Fernando Henrique e Sérgio Motta preferiram que ninguém soubesse deles. Mas o sítio de Atibaia mostra bem o quanto fatos relevantes, pelas suspeitas-já-acusações que os utilizam, estendem consequências no tempo e confundem a indefesa opinião pública.

Como o sítio de Atibaia, há muitos fatos e circunstâncias, não só da Lava Jato, na atualidade brasileira.

31 de janeiro de 2016 at 18:54 3 comentários

Leão derrota Águia em jogo de 8 gols

f66feb64-ffb0-420e-86fd-84ba765c646a

897aba3a-5cea-4b96-abae-359dc17b03ad

Com grande atuação da dupla Eduardo Ramos e Ciro, o Remo derrotou o Águia por 5 a 3 na tarde deste domingo, no estádio Jornalista Edgar Proença. Os gols azulinos foram de Eduardo Ramos, Ciro (3) e Marco Goiano. O Águia, que abriu o placar logo aos 3 minutos, teve Valdanes e Flamel (2) como goleadores.

cebc6a99-0f3c-48bb-ba45-f479495d2f0e

A partida foi bastante movimentada e aberta, com marcações polêmicas do árbitro Dewson Freitas. Os dois penais marcados foram originados por lances involuntários, de bola na mão. Além disso, a arbitragem anulou erradamente um gol do time marabaense. Os remistas reclamaram bastante de falta sobre Ramos na jogada que levou ao gol de Valdanes aos 3 minutos.

20c7733c-c2db-459a-a79e-ba2014b9a9a4

Logo mais, no Bola na Torre (RBA TV), sob o comando de Guilherme Guerreiro, tudo sobre esta partida e a rodada inaugural do Parazão.

37c63604-af62-4da3-8d29-496091fff352

(Fotos: MÁRIO QUADROS)

31 de janeiro de 2016 at 18:38 15 comentários

Remo x Águia – comentários on-line

Campeonato Paraense 2016 – Primeira rodada

Remo x Águia – estádio Jornalista Edgar Proença, 16h

8570d50f-5687-4ed7-b661-e4717f9da446

Na Rádio Clube, Valmir Rodrigues narra, Carlos Castilho comenta. Reportagens: Valdo Souza, Paulo Caxiado, Paulo Henrique e Carlos Estácio. Banco de Informações: Adilson Brasil 

Na RBA, Bola na Torre discute a rodada inaugural do Parazão, a partir de 00h10. Com Guilherme Guerreiro, Giuseppe Tommaso, Valmir Rodrigues e Gerson Nogueira. 

31 de janeiro de 2016 at 14:31 168 comentários

Para não esquecer a poesia

CaDzV-AWwAA0HB8

31 de janeiro de 2016 at 14:28 3 comentários

Posts antigos


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,190,212 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 19.822 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: