Enquanto isso, no país da terceirização…

C72BBXXXwAETzi6

26 de março de 2017 at 9:30 Deixe um comentário

E o Lolla parou para homenagear Lula

Final do show da banda americana Cage The Elephant no Lollapalooza, sábado à tarde, teve coro especial (puxado na guitarra) em homenagem a Lula.

26 de março de 2017 at 9:26 Deixe um comentário

O passado é uma parada

C6ZTdzNVAAEXMU3

Audrey Hepburn, em 1954.

26 de março de 2017 at 9:21 Deixe um comentário

Vai vendo…

C7n1KLnX0AENRuV

C7yX3MDW0AI7bDb

26 de março de 2017 at 9:19 Deixe um comentário

Capa do Bola – domingo, 26

unnamed

26 de março de 2017 at 9:16 Deixe um comentário

Gabigol escalado no time dos reservas mais caros do mundo

C718ezeW4AQNHmF

O jornal italiano Gazzetta Dello Sport montou um time com os reservas mais caros do mundo. O brasileiro Gabigol, da Internazionale de Milão, desponta como o caso mais surpreendente de expectativas frustradas. Seu valor de mercado gira em torno de R$ 67 milhões, foi contratado como candidato a ídolo e até o momento só ficou 81 minutos em campo, tendo marcado um gol. O outro brasileiro do “time de reservas de luxo” é Gerson, da Roma, que vale R$ 33 milhões e jogou apenas 130 minutos.

A escalação completa do inusitado time é a seguinte: Cillessen (Barcelona); Wimmer (Tottenham), Zouma (Chelsea) e Alberto Moreno (Liverpool); Ruben Neves (Porto) e Renato Sanches (Bayern); Gabigol (Inter), Gerson (Roma) e Pjaca (Juventus); Batshuayi (Chelsea) e Lucas Perez (Arsenal).

26 de março de 2017 at 9:15 Deixe um comentário

Invencibilidades em jogo

unnamed

POR GERSON NOGUEIRA

O fato de não decidir ou definir nada e representar risco zero para os dois times não reduz a estatura do Re-Pa desta tarde. Pelo contrário, essas condições devem fazer do clássico um dos mais abertos dos últimos tempos. Como não têm rigorosamente nada a perder, os técnicos devem buscar a vitória sem exagerar nas preocupações defensivas.

É claro que se trata de uma suposição apenas. Quando a bola rola, todas as expectativas se reduzem a pós, pois o confronto entre os titãs do futebol paraense foi sempre marcado pelo equilíbrio e a imprevisibilidade.

Os técnicos vivem situações opostas. Marcelo Chamusca, muito pressionado pela torcida, tentará reproduzir no Mangueirão a atuação segura e confiante do time B em Santarém contra o São Francisco.

A tarefa será facilitada se ele prestigiar alguns dos jogadores que garantiram o bom entrosamento visto no Barbalhão. Nesse sentido, o trio Rodrigo Andrade, Will e Jonathan merece especial atenção.

Os sete jogos sem tomar gols dão ao treinador a convicção de que o time segue no rumo certo em busca da sonhada estabilidade, fechando-se bem a partir da linha de volantes e agredindo com até quatro jogadores.

Em paz com o torcedor, Josué Teixeira está tão à vontade que revelou desde a segunda-feira como seu time entrará jogando. Mantém os meias Eduardo Ramos e Flamel, resguardados pelos volantes Elizeu e Tsunami, com Jaime e Edgar no ataque. Para que o sistema funcione, os alas Léo Rosa e Jaquinha terão que atacar sempre.

Sob esse ponto de vista, o invicto Remo parece mais ofensivo. Na prática, porém, ambos se equivalem. O Papão fecha mais o meio, mas ataca com Leandro Carvalho, Alfredo e Bergson, que têm o apoio de Diogo Oliveira.

No fundo, as semelhanças são mais significativas que as diferenças.

——————————————————

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro apresenta, com participações de Valmir Rodrigues e deste escriba de Baião. O convidado da noite será o técnico vencedor do Re-Pa. Programação começa às 20h45, na RBATV.

——————————————————

Uma saga de resgate e recuperação

O velho ditado segundo o qual o mundo dá muitas voltas cabe bem na situação do volante Paulinho, peça destacada no mosaico tático que Tite vem montando na Seleção Brasileira, com excepcional atuação contra o Uruguai na quinta-feira. E pensar que o retorno foi cercado de dúvidas. Dez em cada dez analistas (inclusive este escriba) criticaram a insistência de Tite com um volante que havia perdido pelo caminho.

Jogador impetuoso e de grande importância no Corinthians de 2010 a 2013, frustrou expectativas ao ser escalado no escrete canarinho. Viveu seu pior momento sob o comando de Felipão na Copa do Mundo de 2014.

É certo que todos foram mal no Mundial, mas Paulinho conseguiu passar quase despercebido, tal a sua desimportância para o time. Para piorar, o volante vivia inferno astral no Tottenham, onde ganhou o amargo troféu de “pior estrangeiro da história” do clube inglês.

De repente, Paulinho emerge para recuperar terreno na Seleção. Tem feito bons jogos nas Eliminatórias e coroou o bom momento com a exibição de gala no estádio Centenário, quinta-feira à noite, contra o Uruguai.

Não contente em fazer o papel de meio-campista múltiplo, tornou-se o goleador da noite, fazendo gols que expressam a variedade de seu repertório. O primeiro foi um chute de fora da área. O segundo foi um típico gol de centroavante, aproveitando rebatida do goleiro. No último, lembrou Renato Gaúcho, desviando de peito para o fundo das redes.

Afinal, quem estava certo? O torcedor do Tottenham, que execrou a passagem de Paulinho por lá, ou Tite, que teve a sensibilidade de resgatá-lo do ostracismo? Não se sabe ainda. O fato é que o futebol ensina mais uma vez que não há mal que dure sempre e nem bem que nunca acabe.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 26)

25 de março de 2017 at 15:06 Deixe um comentário

Posts antigos


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,024,323 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 19.602 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

março 2017
S T Q Q S S D
« fev    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

NO TWITTER

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: