Site de Sidney Rezende lança equipe esportiva da Rádio SRzd em São Paulo

IMG_5628-990x556

A partir de 19 de julho, o público ganhará mais uma opção de web rádio. Com programação voltada à quadra música-informação-futebol-carnaval, a Rádio SRzd se prepara para lançar a sua versão voltada para a praça São Paulo. Para isso, o jornalista-empreendedor Sidney Rezende não tem poupado esforços e investimentos. Criador do site que está há 12 anos no ar, ele apresenta seu mais novo produto com contratações. Quatro experientes comunicadores, com passagens por emissoras paulistas, farão parte da equipe.

Pensando em construir a história de sucesso da equipe esportiva da Rádio SRzd no Rio de Janeiro, a versão paulistana da web rádio mantida pelo site SRzd.com estreará com time completo: narrador, apresentador, comentarista e repórter. O novo veículo digital contará com Marcelo Gomes (ex-CBN), Paulo Massini (ex-CBN), Maurício Capela (ex-Rede TV) e Douglas Araújo (ex-Rádio Capital). Além deles, o projeto voltado ao público de São Paulo terá Raul Machado, que já é o editor do SRzd na maior cidade do país.

Idealizador do site e da web rádio, Sidney Rezende avisa que, ao decorrer dos meses, a Rádio SRzd São Paulo apresentará novidades exclusivas na programação. “O objetivo é reproduzir em São Paulo, onde nossa audiência é gigantesca, a mesma trajetória bem sucedida no Rio. O grande diferencial do SRzd é a isenção jornalística e ética. Por isso, é crescente a alta consideração dos leitores ao conteúdo produzido e oferecido 24 horas por dia. Nossa equipe está preparada. Aos poucos, as novidades para o público que ama São Paulo aparecerão em nossas páginas”.

Assim como a versão carioca, a Rádio SRzd São Paulo ficará disponível no portal homônimo – com o público podendo optar por qualquer uma das duas emissoras online. Em termos de conteúdo, o projeto paulista chega com olhar especial para o futebol. Os quatro times grandes do estado (Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo) terão jogos transmitidos. O novo veículo também promete realizar entrevistas diretamente dos estádios. Competições como Campeonato Brasileiro e Taça Libertadores ganharão espaço. Na parte de hard news, haverá espaço para boletins jornalísticos. (Do Comunique-se)

Copa da Rússia: 455 lances foram revistos pelo VAR

unnamed (5)

A Fifa fez balanço positivo nesta quarta-feira da utilização do sistema de auxílio por vídeo aos árbitros (VAR) durante a realização da Copa do Mundo da Rússia, que foi encerrada há três dias, com vitória da França sobre a Croácia por 4 a 2. “Nos comprometemos que esse seria o melhor Mundial da história, e assim foi. Os árbitros constituem uma parte crucial desta conquista, já que as atuações deles foram da mais alta qualidade”, diz comunicado emitido pelo suíço Gianni Infantino, presidente da entidade.

O texto apontou que nos 64 jogos da competição, 455 incidentes foram checados pelos auxiliares de vídeo (7,1 por partida) e foram feitas 20 revisões pelo VAR, inclusive, no primeiro gol dos franceses na decisão. “Nos agrada constatar a aceitação generalizada por parte de jogadores, técnicos e torcedores, assim como da imprensa”, aponta a nota assinada por Infantino.

Supervisor do projeto de implantação do VAR, o croata Zvonimir Boban, secretário-geral adjunto da Fifa, se disse orgulhoso do trabalho realizado, dando parabéns também ao presidente da Comissão de Árbitros da entidade, Pierluigi Collina, e o diretor de Arbitragem, Massimo Busacca. “Como afirmou o presidente da Fifa o VAR não está mudando o futebol, mas sim, o deixa mais justo. Este foi nosso objetivo inicial, quando iniciamos o projeto com a International Board”, garantiu o ex-jogador. (Do UOL)

Remo precisa ajudar a sorte

netao

POR GERSON NOGUEIRA

Em situação crítica na Série C, o Remo tem 12 pontos e precisa ganhar pelo menos oito para escapar ao rebaixamento. Restam quatro rodadas, com dois jogos fora e outros dois em casa. A essa altura, o que mais preocupa o torcedor nem é a eventual força dos adversários, mas a inconstância e falta de confiança que o próprio Remo mostra na competição.

Nos últimos jogos, o time até desenvolveu bem a distribuição de jogadas e mostrou-se organizado até mesmo na derrota para o Santa Cruz no Recife, quando merecia melhor sorte e sofreu também com erros da arbitragem.

Diante do Botafogo-PB, porém, pesou mesmo a falta de pontaria e a ausência de jogadas em profundidade, que permitissem maiores oportunidades de finalização. Ainda assim, cabe reconhecer que o futebol mostrado pela equipe não é inferior ao dos concorrentes diretos.

Sob o comando de João Neto, o Remo mudou de esquema, voltando ao 4-4-2, mas preservou o capricho na troca de passes e vem melhorando no aspecto defensivo, mas o ataque tem se mostrado inoperante. A perda de Everton, principal organizador no meio, travou a criação.

O Remo terá Salgueiro, Juazeirense e possivelmente o Globo como rivais  na luta contra o rebaixamento. Por isso, além de vencer em casa e buscar dois empates fora, terá que torcer muito contra esses adversários.

Depois do empate entre Salgueiro e Náutico, ontem, o Remo ficou a 4 pontos de Juazeirense (16) e do próprio Carcará (16). Na 15ª rodada, a Juazeirense enfrenta o Náutico no Recife e o Salgueiro visita o ABC. Caso empate com o Confiança, o Remo poderá reduzir a diferença.

Na 16ª rodada, Juazeirense e Salgueiro jogam e o empate é o resultado ideal para o Remo, que recebe o ABC no Mangueirão e não pode tropeçar. Caso esses resultados ocorram, Juazeirense e Salgueiro teriam 17 pontos e o Remo, 16, ao fim da rodada, sendo que todos com quatro vitórias.

O Salgueiro recebe o Remo e a Juazeirense pega o Santa na 17ª rodada. Para os azulinos, empates seriam bem-vindos, pois definem a sorte em casa diante do Náutico, provavelmente já classificado. O Salgueiro joga com o Santa no Recife e a Juazeirense visita o Botafogo-PB, que briga pelo G4.

São projeções que dependerão da determinação e força mental que o Remo irá mostrar dentro e fora de Belém nesses quatro compromissos.

——————————————————————————————-

Técnico começa mostrando coerência

O discurso de Guilherme Alves surpreendeu positivamente, talvez por escapar àquele tom professoral e tedioso de Dado Cavalcanti. Parece mais próximo da franqueza boleira de um Renato Gaúcho, dizendo abertamente o que pensa e evitando aqueles rapapés que tanto irritam torcedor.

Não falou nenhuma novidade, mas enfatizou a questão disciplinar e a valorização da base. Joga quem estiver bem, garantiu. Nos primeiros treinos, já mostrou coerência, recolocando o volante William no time titular, com chances de jogar contra o Oeste, em S. Paulo.

As indicações de Guilherme também foram rápidas e certeiras, para resolver a falta de centroavante no elenco: Lúcio Flávio, centroavante, ex- São Bento e Fortaleza, e Victor Rangel, ex-Bahia e América-MG. Terão que entrar logo em ação, pois o time despenca na tabela (caiu para o 14º lugar) e está a apenas um ponto do Z4.

——————————————————————————————-

Goleiro se valoriza apesar da Copa sem brilho

Taffarel foi grande goleiro, defendeu o Brasil em Copas, mas como preparador de novos arqueiros não tem sido lá muito feliz. Ignorou o gremista Marcelo Grohe, em grande fase, para apostar todas as fichas em Alisson, dizendo ser um dos melhores do mundo e o goleiro mostrou o que todos (até os leigos na matéria) já sabiam.

Goleiro de Seleção tem que ser competente em todos os aspectos, com um quê de milagreiro, como foi o próprio Taffarel. Logo na estreia, o goleiro de uniforme cor de alface nem saiu da linha do gol no lance que gerou o gol suíço. Bola, em cruzamento fechado, era dele.

Por trás de uma zaga firme, que falhou pouquíssimas vezes, Alisson não exibiu segurança. Diante da Bélgica, nem esboçou reação após a bola desviada em Fernandinho na cobrança de escanteio. Depois, pulou com muito atraso no disparo de De Bruyne.

Apesar disso, jogar na Seleção rendeu o interesse de grandes clubes. O Real Madri chegou a ser especulado e agora surge o Liverpool disposto a pagar 70 milhões de euros (R$ 315 milhões) para o brasileiro substituir Karius, o mão-de-alface que desgraçou os Reds na última Champions.

(Coluna publicada no Bola desta quarta-feira, 18)