Archive for março, 2013

Capa do DIÁRIO, edição de domingo, 31

cid01 (1)

31 de março de 2013 at 12:06 41 comentários

O passado é uma parada…

408635_289556767833059_1601089071_n

Anúncio da Telepará em tempos pré-celular, quando ainda se usava ficha nos orelhões e a antiga sede da companhia na avenida Presidente Vargas vivia lotada. Idos dos anos 70 e 80.

31 de março de 2013 at 12:04 7 comentários

Capa da D Semanal, edição de domingo, 31

capa revista

30 de março de 2013 at 19:56 2 comentários

Capa do Bola, edição de domingo, 31

capa bola

30 de março de 2013 at 19:52 16 comentários

O surpreendente Jacaré

Por Gerson Nogueira
coluna gnEspécie de “penetra” nas semifinais do returno, por ser o único interiorano inserido entre os três clubes da capital, o Paragominas vem se especializando em surpreender neste campeonato. Do começo apenas razoável, ainda sob a direção de Fran Costa, ficou a imagem de um time perigoso fora de casa e meio acanhado quando recebia adversários na Arena Verde.
Quando trocou de técnico, efetivando Charles Guerreiro nas semifinais do turno, o time ganhou mais confiabilidade. Curiosamente, a fase mais produtiva de seu goleador, Aleílson, aconteceu na primeira metade da competição. Veloz e hábil, o atacante valeu-se do desentrosamento das defesas inimigas para contabilizar gols que o mantêm no topo da artilharia.
Ocorre que no começo o PFC dependia muito da categoria de Aleílson, mas no decorrer da competição ganhou consistência e qualidade, passando a funcionar como um time de verdade. Agora, quando o goleador não marca presença, a equipe tem outros caminhos para alcançar vitórias.
O pior momento do Paragominas aconteceu no começo do returno, culminando com a derrota diante do Paissandu, na Curuzu. O time jogou tão mal naquela noite que não conseguiu explorar a vantagem de ter um homem a mais (Djalma foi expulso) durante quase todo o segundo tempo. Tão mal que Aleílson desperdiçou até pênalti.
Com reforços no meio-campo e ataque, que ganharam a participação de dois azulinos enjeitados, Eduardo e Jaime, o time voltou a jogar bem, obtendo três vitórias nas últimas três rodadas. Bateu Remo e Tuna e superou o Águia, no célebre e dramático “jogo do piscinão” no estádio Zinho Oliveira.
Com 15 pontos, ganhou a vantagem para o confronto com a Tuna nas semis e se aproxima do Remo na pontuação geral – tem 27 pontos contra 36 dos azulinos. Mais do que nunca, o Jacaré é candidato a repetir as façanhas interioranas de 2011 (Independente) e 2012 (Cametá). Que ninguém duvide.
———————————————————–
Rubro-negro joga com um atacante
Às voltas com sérios problemas no Carioca, o técnico Jorginho tem escalado o Flamengo com um time mesclado por jogadores mais rodados e alguns garotos. Para enfrentar o Remo de Flávio Araújo no Mangueirão no meio da semana, pela Copa do Brasil, o Fla deve ter a seguinte formação, no 4-5-1: Felipe; Léo Moura, Alex Silva, Wallace e João Paulo; Elias, Amaral, Carlos Eduardo, Rafinha e Gabriel; Hernane.
———————————————————–
Direto do blog: 
“Trocar o técnico é um risco tão grande quanto manter no comando do time alguém que já provou por A mais B não ter capacidade para tal, que inclusive já admitiu isso publicamente quando pôs o cargo a disposição. A diretoria do Remo errou em não tê-lo trocado antes e erra agora em insistir nele. Torço para que o campeonato seja paralisado, o técnico remista seja demitido e a última rodada seja anulada e remarcada daqui a alguns dias para que o Remo possa se refazer da crise técnica que o acomete”.
Por Luís Mariano, torcedor azulino, descrente em relação ao trabalho de Flávio Araújo.
———————————————————–
Via-crúcis de sócio-torcedor
“Gostaria de saber o porquê do sócio-torcedor do Remo ser tão maltratado”. É assim que Núbia Esteves inicia sua carta à coluna. Relata que, por ocasião do jogo Remo x Águia, ela e alguns familiares passaram por momentos de sufoco, desespero e total desinformação no estádio Mangueirão. Informados pela empresa Nação Azul, que é responsável pelo programa de sócio-torcedor remista, dirigiram-se ao portão A3 do estádio. Para surpresa deles, o portão estava trancado, por ordem da Seel. “Ok, demos então a ‘volta olímpica’ no Mangueirão e entramos no estacionamento A2, também pela proximidade do portão A3. E adivinhem: a catraca não estava no portão A2!”
Veio alguém e disse que a entrada era pelo portão A1. Nova caminhada até o local, onde uma multidão se acotovelava para entrar. Depois de minutos na fila, nova decepção: a catraca também não estava lá, mas no estacionamento A1. Na contramão do aglomerado, o grupo de torcedores teve que dar meia volta em busca do famigerado acesso. Só que não havia autorização “superior” para permitir a entrada. Um senhor chamado Kleyton já havia dado ordens para que a catraca fosse levada para o portão A3. Núbia, então, compreensivelmente, soltou os cachorros, desabafando com os funcionários do estádio diante de tamanho desrespeito. Acabou entrando, mas o jogo já se desenrolava há 20 minutos.
A pergunta que não quer calar: vale a pena tanto tormento para ser sócio-torcedor do Remo e acabar maltratado à porta do estádio?

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 31)

30 de março de 2013 at 19:49 44 comentários

Capa do Bola, edição de sábado, 30

CAPA BOLA_30-03-2013

30 de março de 2013 at 10:56 71 comentários

Capa do DIÁRIO, edição de sábado, 30

capa_SÁBADO DE ALELUIA

30 de março de 2013 at 10:54 1 comentário

Posts antigos


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,279,656 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.713 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Jorge Paz Amorim em Mais que mil palavras
Antonio Oliveira em Mais que mil palavras
Jorge Paz Amorim em Mais que mil palavras
Nelson Albuquerque em Rock na madrugada – John…
Antonio Valentim em O adeus do Rei da Comédia

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: