Desejos

Victor Hugo

Imagem

Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.
Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.
Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.
Desejo, por sinal, que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso (sem tempero) e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça um joão-de-barro
Porque assim você se sentirá bem por nada.
Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga “Isso é meu”,
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.
Desejo também que nenhum de seus entes queridos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.
Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar.

Série B: denúncia contra o Avaí pode beneficiar o Remo

Clube do Remo pode ser beneficiado no processo

Uma denúncia apresentada por sete atletas do Avaí pode causar uma reviravolta no Campeonato Brasileiro mexendo com a composição das Séries A e B do ano que vem. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) recebeu, nesta quinta-feira (30), denúncia contra o Avaí por atrasos salariais recorrentes por parte do clube catarinense.

Diego Renan, Edilson, Iury, João Lucas, Jonathan, Rafael Pereira e Ronaldo procuraram o Sindicato dos Atletas Profissionais de Futebol do Estado de Santa Catarina (SAPFESC) e notificaram a agremiação sobre o ingresso com uma Notícia de Infração no Tribunal do Futebol. Os atletas citados já haviam notificado o Avaí sobre atrasos desde agosto e não foram ressarcidos desde então.

Avaí x Vitória - Série B

Com a denúncia, o Avaí tem, se for comprovado como clube devedor, 15 dias para cumprir suas obrigações com os sete atletas. Caso não consiga, a sanção será a perda de três pontos por rodada disputada desde a primeira denúncia, em agosto, o que tiraria o acesso do Leão da Ilha para a Série A – classificando o 5º colocado, CSA – e o rebaixando para a Série C de 2022 – no caso, o Remo, 17º, se salvaria.

O Artigo 17 do REC diz o seguinte: “O Clube que, por período igual ou superior a 30 (trinta) dias, estiver em atraso com o pagamento de remuneração, devida única e exclusivamente durante o CAMPEONATO, conforme pactuado em Contrato Especial de Trabalho Desportivo, a atleta profissional registrado, ficará sujeito à perda de 3 (três) pontos por partida a ser disputada, depois de reconhecida a mora e o inadimplemento por decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD)”.

Caso perca os pontos, referentes a todas as partidas em que os jogadores citados atuaram com salários atrasados, a equipe ficaria com 42 pontos, um a menos que o Clube do Remo, primeiro time dentro da zona de rebaixamento. Já o CSA-AL, que terminou a Série B em 5º, iria para a 4ª colocação e subiria para a Série A.

O STJD, porém, está de recesso até o dia 20 de janeiro de 2022, o que dá mais tempo ao Avaí para se manifestar e resolver as pendências. O clube ficou em quarto lugar na última Série B, conquistando o retorno para a elite do futebol brasileiro na última rodada.

Sob domínio português

POR GERSON NOGUEIRA

Paulo Sousa, novo técnico do Flamengo

No mesmo dia em que o Flamengo oficializou a contratação de um técnico português para comandar a equipe nos próximos dois anos, o brasileiro Cuca renunciou ao cargo de técnico do Atlético-MG campeão brasileiro e forte candidato a grande papão de títulos da década. De imediato, os dirigentes mineiros revelaram a intenção de buscar também fora do Brasil o novo comandante.

Os movimentos têm um ponto em comum: os clubes mais endinheirados do país e da América do Sul não querem mais saber do produto nacional bruto na direção de seus times. Além de Galo e Flamengo, o outro grande clube brasileiro do momento também é comandado por um estrangeiro. O Palmeiras, bicampeão da Libertadores, já confirmou Abel Ferreira para uma nova temporada.

Nos próximos dias terminará o suspense em torno do escolhido pelo Galo. Jorge Jesus, que brilhou no Flamengo em 2019, acaba de ser dispensado pelo Benfica e passa a ser opção preferencial da diretoria atleticana. O choque pelo surpreendente pedido de demissão de Cuca já foi superado. É bom lembrar que, antes de ir para o Flamengo, JJ estava quase acertado com a equipe mineira.

Chamou atenção nos últimos dias a viagem de diretores do Flamengo a Portugal para contratar o novo técnico, qualquer um que tivesse nome e currículo fortes. O alvo óbvio era o Mister, mas este protelou uma decisão. Aparentemente, não quer se arriscar a perder a imagem de campeão absoluto que forjou no imaginário do torcedor rubro-negro.

Sem saída, o clube carioca tentou acertar com Carlos Carvalhal e nos últimos dias se decidiu por Paulo Sousa, que tinha contrato com a seleção polonesa, mas não hesitou em firmar acordo com o Flamengo. O Brasil virou território a ser desbravado pelos técnicos portugueses, a partir do êxito de JJ e das conquistas de Abel no Palmeiras.

Mais do que isso. O futebol de ponta no Brasil está cansado de técnicos brasileiros da escola motivadora, aqueles que berram apenas do lado do campo e se comportam como o tiozão do churrasco no fim de semana. Foi-se o tempo em que Muricy, Abelão, Renato, Mano, Joel Santana, Leão, Oswaldo de Oliveira, Luxa e Felipão eram absolutos.

Os questionamentos surgiram a partir das dificuldades que os times tinham para formatar o jogo ou até mudar o modelo em meio às dificuldades normais de uma partida. É preciso ter conhecimento extra, noção profunda sobre formulações e variáveis táticas.

Os portugueses têm mostrado competência, dão certo e são preferidos porque também têm a vantagem do idioma sobre os outros estrangeiros, embora Fortaleza, Internacional e Coritiba já estejam trabalhando com profissionais da Argentina e do Uruguai.

Caso não surja um movimento de reação por parte dos “professores” brasileiros, o domínio estrangeiro vai se acentuar e logo será normal ter um deles no comando da Seleção, último reduto a ser conquistado.

Sem muito alarde, Leão anuncia caras novas

A intenção clara é abraçar a política do “bom e barato”. Depois de ter fechado com Welthon e Ricardo Luz, o Remo anunciou mais cinco reforços para a próxima temporada: o goleiro Jorge Pazetti, o lateral-direito Rony e os atacantes Vanilson, Luan e Veraldo

O nome mais destacado é o de Vanilson, goiano de 31 anos e currículo rico em passagens por times pouco badalados – Aracati, Paracuru, Porto Alegre, Olaria, Náutico-RR, Francana, Colinas, Novo Horizonte, Vila Nova, Itumbiara, Grêmio Anápolis, Nacional-POR e Goianésia.

Passou pelo Manaus em 2021, onde marcou 14 gols e despertou o interesse dos remistas. Chega para disputar posição com Neto Pessoa, se o centroavante definir permanência no Baenão.

Luan, sul-mato-grossense de 25 anos, é atacante de lado e também fez uma carreira centrada em equipes medianas. Outro que atua pelas beiradas é o baiano Veraldo, que defendeu o Águia de Marabá e o Paragominas há dois anos. É uma indicação de João Galvão.

O quinto da lista é o lateral direito Rony, formado nas divisões de base do próprio Remo e que saiu após litígio na Justiça. Esteve no Sampaio Corrêa e no Castanhal. Seu retorno foi costurado pelo próprio presidente Fábio Bentes, que vê na contratação a correção de um erro do passado.

A divulgação das contratações deixa clara a diferença de estratégia entre remistas e bicolores nesta fase de montagem de elenco. Até o momento, o PSC tem se notabilizado por acertar com jogadores conhecidos – Henan, Ricardinho, João Paulo, Dioguinho, Marcão e Tiago Coelho.

O Remo deixa claro que, a não ser pela permanência de Felipe Gedoz, vai trilhar um caminho diferente, atento aos limites do apertado orçamento para 2022. Não dá para avaliar, por enquanto, quem abraçou a melhor estratégia. O Parazão vai servir para desfazer essa dúvida.  

Atacante promove evento beneficente em Baião

Aconteceu ontem, na vila de Calados, em Baião, o jogo solidário entre os Amigos de Danrlei e Amigos do Rati. O time do atacante do Papão venceu por 4 a 2, mas importante mesmo é que a iniciativa beneficiou o povo humilde da região, que ganhou cestas básicas e brinquedos para as crianças.

Para arrecadar os recursos, foi realizada uma rifa de duas camisas oficiais do PSC e uma chuteira de Danrlei. Tudo o que foi obtido em dinheiro foi revertido para a compra das cestas básicas. (A informação é do radialista Enilson Nonato, velho parceiro da coluna). 

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 30)

A volta do filho pródigo

POR GERSON NOGUEIRA

Remo 6×1 Atlético-AC (Rony)

O Remo perdeu nos últimos anos dois jogadores promissores, ambos chamados Rony. Um percorreu caminho vitorioso e hoje é um dos mais valorizados atletas do futebol brasileiro. O outro, mais jovem e sem o mesmo glamour, ainda persegue o sucesso. Deu um passo arriscado ao brigar judicialmente com o clube, mas, em desfecho inusitado, está de volta ao ninho para tentar retomar o voo inicial.

Aos 21 anos, o lateral-direito Rony está voltando ao Evandro Almeida, após uma demorada perlenga na Justiça pelo direito de decidir seus próprios passos. Revelado nas divisões de base, o jogador teve pouco tempo no elenco profissional e ganhou visibilidade ao exigir o pagamento de 14 meses de salários atrasados, entre 2017 e 2018.

Sob orientação de empresários, Rony buscou a saída litigiosa e isso quase lhe custou a carreira. O Remo chegou a depositar judicialmente o valor reivindicado por Rony, mas o atleta não mudou sua decisão. Em abril de 2020, finalmente obteve sua desvinculação contratual.

Viveu um período de ostracismo e incerteza. Acertou com o São Caetano no ano passado, mas veio a pandemia e os campeonatos foram adiados. Depois, apareceu no Sampaio Corrêa jogando a Série B. Recentemente, passou pelo Castanhal chegando a disputar jogos da Copa Verde.

Segundo especulações, Rony está voltando ao Baenão para cumprir um contrato de dois anos. No acordo está inserido um gesto de desarmamento e praticidade por parte do clube. Ciente das qualidades técnicas do jogador, o Remo uniu o útil ao agradável, pois precisa de um outro jogador para a posição, ao lado de Ricardo Luz, recém-contratado.

O retorno de Rony representa uma novidade para situações de litígio no futebol paraense. Normalmente, após uma batalha judicial, o jogador fecha as portas no clube de origem. Contribuiu para a pacificação o estilo do presidente Fábio Bentes. Como não conseguiu acordo para renovar com o Castanhal, Rony demonstrou interesse em jogar pelo Remo e a diretoria azulina prontamente em acordo com o Japiim e fechou negócio.

Em entrevistas, Rony demonstra gratidão ao dirigente azulino pela oportunidade de voltar a vestir a camisa do Leão. Na verdade, terá pela primeira vez a chance de mostrar seu valor ao clube que o revelou para o futebol. A presença de Paulo Bonamigo no comando, reconhecidamente um técnico que gosta de trabalhar com jovens atletas, contribuiu muito para a decisão do jogador.

A situação deveria servir de balizamento para futuros acordos entre clube e jovens revelados na base. Quase sempre deixados de lado e mal remunerados, os atletas ficam reféns do discurso pragmático de empresários e agentes. Às vezes, saem lucrando, como ocorreu com Roni, hoje no Palmeiras. Outras, nem tanto, como o Rony lateral acabou constatando na prática.

Eleições na FPF: confusões e chutes na canela

De onde menos se espera é de lá que não vem mesmo. O chiste irônico cabe como luva neste imbróglio envolvendo a eleição para a presidência da Federação Paraense de Futebol, suspensa ontem por decisão da desembargadora Eva do Amaral Coelho, do TJPA, atendendo pedido impetrado pela Liga Atlética de Castanhal – que é aliada da chapa do candidato Paulo Romano, que foi impugnada pela comissão eleitoral.

Sim, como previsto aqui, tudo é confuso e caótico, como quase sempre ocorre com a FPF ao longo de décadas. Por ora, não há data prevista para o pleito, mas é bem possível que ocorra em janeiro de 2022 – isto se não houver nova reviravolta e recurso ao tapetão.

O exemplo público é terrível, com o tumulto gerado por supostas ilegalidades expostas no despacho da desembargadora. A atual gestão, encabeçada por Adelcio Torres, promete recorrer da decisão do TJPA, mas é provável que a chapa situacionista não esteja mais na disputa até lá.

Tudo porque Adelcio busca o terceiro mandato, pretensão que colide com o próprio regimento da FPF. Paulo Romano, aliado do ex-presidente e eterno cacique Antônio Carlos Nunes, teve sua chapa impugnada por não ultrapassar a cláusula de barreira. O terceiro candidato, Ricardo Gluck Paul, ex-presidente do PSC, luta para garantir a realização da eleição.

Todas as denúncias que culminaram na suspensão do pleito têm origem no próprio edital, que apresenta ligas e clubes que não estariam aptos a votar, excluindo outros que deveriam constar da relação de adimplentes. Um dos que se considera prejudicado é o Gavião Kyikatejê, que já reivindicou, de forma administrativa, a correção do edital.

Ao distinto público, visivelmente entediado com o arranca-rabo, é bom avisar que na maioria das vezes a luta pelo poder na FPF é inspirada na férrea vontade de mudar para continuar como está, salvo exceções. A conferir.

Novo Cruzeiro abre mão dos préstimos de Luxa

Por questões financeiras, o novo Cruzeiro demitiu ontem Vanderlei Luxemburgo. Era previsível o desfecho depois que Ronaldo Nazário se tornou o principal acionista do clube, agora funcionando como SAF (sociedade anônima de futebol).

Ronaldo nunca foi muito fã de Luxemburgo como técnico. Menos ainda do Luxemburgo manager. No Cruzeiro, desde o ano passado, o experiente treinador se sentia confortável para dar pitacos e já ensaiava interferir no processo de contratações de atletas.

Para muitos, o êxito de Luxemburgo como técnico começou a entrar em colapso quando ele misturou as tarefas de campo com as de empresário. Expôs um flanco que não tinha como especialista em treinar times.

Verdade ou não, o fato é que o técnico nunca mais foi o mesmo após se imiscuir em ações executivas, nem sempre transparentes e exitosas. Ronaldo, pelo visto, resolveu não pagar para ver. Vai em busca de cabeças mais arejadas para cuidar de seu investimento mais recente. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta quarta-feira, 29)