Fluminense e Botafogo lançam manifesto contra Ferj: “Show de horrores”

Imagem

Botafogo e Fluminense lançaram neste sábado, 04, véspera da semifinal da Taça Rio, um manifesto conjunto criticando os métodos e atitudes arbitrárias da Federação de Futebol do Rio de Janeiro.

Pelo respeito, pela vida e por um novo futebol

Em respeito às tradições seculares e suas conquistas históricas no futebol brasileiro, Botafogo de Futebol e Regatas e o Fluminense Football Club se unem neste manifesto. Primeiramente para reafirmar seu compromisso e sua determinação em cumprir com nosso dever social de pregar a estrita observância das normas recomendadas para a proteção da população. Respeitamos o próximo, no que este termo tem de mais precioso, que é a integridade da saúde e a preservação da vida. 

Todos os brasileiros sabem que nossa construção como nação passa pelo futebol, que tem uma responsabilidade social enorme por ser forte fator de influência sobre atitudes e comportamentos da população. O futebol, em sua essência, traz o espírito de solidariedade, a empatia e o respeito ao adversário, sem o qual não há jogo possível. Sem o qual não há ludicidade e, a partir daí, a vida perde um pouco de seu sentido.

Honrados em mantermos nossa posição e nossos princípios é que protestamos contra o que se está vendo do atual cenário do futebol do Rio de Janeiro. Uma cena triste cujo pano de fundo é este momento tão difícil da história nacional, quando vidas estão sendo ceifadas não apenas pela pandemia, mas também a golpes de insensatez e de falta de empatia. O que todos estão assistindo em primeiro plano nesse show de horrores é o espetáculo de desmandos e desrespeito com que os clubes e seus torcedores vêm sendo tratados.

Listamos abaixo os pontos mais tristes desse roteiro desolador:

– Botafogo e Fluminense foram obrigados a sair de seus domínios, em várias ocasiões, para jogar em estádios precários, em condições de risco e de exaustão, enquanto outros clubes, mais alinhados, mandaram todos os seus jogos em seus estádios; Apesar de dizer que os jogos do retorno seriam apenas em três estádios – Maracanã, São Januário e Nilton Santos, a Ferj fez o Botafogo jogar na Ilha do Governador e o Fluminense em Bacaxá, sem poder se concentrar, ou seja, tendo que viajar duas horas de ônibus no dia do jogo;

– Botafogo e Fluminense tiveram que lutar para não serem obrigados a jogar após apenas um ou dois dias de treinamento, colocando em risco a saúde e a integridade física de seus atletas. E tudo isso sob o argumento pueril de que treinamentos estariam liberados, quando o índice de contaminação explodia e vidas estavam sendo perdidas em filas de hospital. Quando serviços muito mais importantes estavam ainda proibidos de funcionar por razões tão óbvias que dispensariam discussões. Muito menos retaliações.

–  Em atitude que em tudo contraria o espírito democrático e a liberdade de expressão, o treinador Paulo Autuori foi punido na véspera do primeiro jogo em razão de declarações em entrevista em que brilhou pela sensatez. Em sinal de protesto, Autuori não comandou a equipe na partida, mas suas palavras estavam em campo, para nos representar. A todos os que professam a empatia, o respeito ao próximo;

– O Botafogo foi punido ainda com perda de mando porque contestou a conta absurda e astronômica para a operação do Estádio Nilton Santos, dez vezes mais cara do que a que outros clubes pagaram para jogar no… Maracanã! Uma clara atitude de retaliação por seu posicionamento a favor da vida. Somente de nossos clubes foram cobrados valores exorbitantes por despesas operacionais. A mesma cobrança exorbitante ocorreu com Fluminense, ao jogar no estádio Nilton Santos e em… Bacaxá! 

– Quando tudo parecia já grotesco, os clubes se viram punidos com a perda de um contrato essencial para sua subsistência, que é o contrato de direitos de transmissão da Globo. A emissora argumentou em sua notificação que a Ferj falhou em garantir a exclusividade na transmissão de um jogo de um dos cedentes de diretos, o que gerou a ruptura do contrato de TV e que causa prejuízos a Fluminense e Botafogo no montante estimado de 120 milhões de reais, somados o que os dois clubes têm a receber nos próximos quatro anos. Sem entrar aqui em considerações sobre a responsabilidade da emissora por sua participação na condução do episódio, sem deixar de entender a forte influência de discussões paralelas com um dos clubes, o fato é que o conjunto de agremiações se viu arrastado de roldão, embrulhado em uma confusão para a qual não contribuiu. Sequer fomos consultados em Arbitral sobre os riscos desta decisão;

– Estamos chegando ao fim de uma competição em que as verdadeiras lutas se deram fora de campo e de forma totalmente inadequada. Com reuniões às escuras, intensa atividade em práticas de bastidores, indisfarçável ligação simbiótica com outros clubes, descumprimento de contratos, chuva de liminares e um comportamento incompatível com a de uma liderança em momentos de crise. A FERJ se esforçou e conseguiu desvalorizar sobremaneira o produto pelo qual deveria trabalhar visando o sucesso, que é o Campeonato Carioca.

– Não bastasse o constrangimento de sermos obrigados a retomar o Campeonato Carioca, convivendo com registros de mais de 63 mil mortes no Brasil, com média superior a 1.200 por dia, tivemos que relembrar, em vão, esse marco fúnebre em reuniões sucessivas do Conselho Arbitral da FERJ. A insensibilidade evidenciou que os números alarmantes não passam de fria estatística àqueles que parecem não entender a função social do futebol: impactar a vida das pessoas, pautar costumes e atitudes. 

– Fluminense e Botafogo foram fortemente atacados pela FERJ e por outros clubes quando tiveram posição de bom senso de preservar seus atletas e funcionários ao seguir as recomendações da quarentena. Definitivamente, retornar competições com o inexplicável açodamento – com o calendário nacional ainda indefinido – não era a melhor mensagem a se transmitir por parte de tão importantes influenciadores.

Botafogo e Fluminense entendem que este é um momento em que a solidariedade deve prevalecer. Por isso, estão unidos e pedem que seus torcedores façam o mesmo. Unidos em torno da exigência de respeito. Do tratamento digno. Da preservação da honradez nas relações. Por isso estão lançando aqui as bases de uma associação entre os dois clubes para a discussão de direitos. Quem quiser participar será bem-vindo. Importante frisar: no futebol ou na vida, ninguém joga sozinho. É tempo de solidariedade.

Submisso a Trump, Bolsonaro comemora Independência norte-americana

Almoço na embaixada dos EUA no dia 4 de julho

O Brasil segue açoitado pela devastação da covid-19, como o segundo país com mais óbitos no mundo, mas o presidente da República continua tratando o cargo como uma brincadeira de criança.

Acompanhado de ministros do governo, Jair Bolsonaro almoçou com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, na casa do diplomata, para celebrar a Independência dos EUA, comemorada neste sábado, 4 de julho.

Uma foto do evento foi postada nas redes sociais de Bolsonaro, que mencionou a data. O chanceler Ernesto Araújo também postou a imagem com a seguinte mensagem: “Na Embaixada dos EUA, celebrando o 4 de julho, dia da independência americana”.

Estão presentes na foto, além do ministro das Relações Exteriores, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, e os ministros Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Fernando Azevedo (Defesa). O evento reafirma a subordinação do governo brasileiro a Donald Trump. (Com informações do Brasil247)

Santa Casa se estrutura para fazer transplante de fígado em 2021

A Santa Casa foi o hospital indicado no Pará para a realização de transplantes de fígado. A unidade de saúde está recebendo a tutoria sobre o assunto, com a capacitação de profissionais de várias áreas, por meio de uma parceria entra a Fundação, o Ministério da Saúde e o Hospital Albert Einstein. A expectativa é começar as cirurgias em 2021.

“Além de termos a única residência em Hepatologia da Região Norte, possuirmos o serviço de referência em doenças do fígado e também já realizar o transplante de rins, a Santa Casa foi indicada para realizar o transplante de fígado no Pará e está recebendo a tutoria, com a capacitação de 19 profissionais de várias áreas, por meio de uma parceria entra a Fundação, o Ministério da Saúde e o hospital Albert Einstein. Nossa expectativa é começar a realização dos transplantes em 2021”, projeta o cirurgião de fígado da Santa Casa, Rafael José Romero Garcia.

O médico coordena o Centro Estadual em Doenças do Fígado da Santa Casa de Misericórdia do Pará, que é referência para a assistência e o ensino no Pará e Região Norte. O serviço realiza em média 6 mil consultas por ano, 200 internações, 80 cirurgias de grande porte, atendendo pacientes adultos e pediátricos com doenças hepáticas, como cirrose e hepatite viral. Acompanha ainda 60 pacientes transplantados, sendo, hoje, o único a realizar exames especializados pelo SUS no Pará, como a elastografia hepática (semelhante a ultrassonografia que avalia a saúde do fígado) e tromboelastometria (que avalia a coagulação do paciente).

Para melhor estruturar o serviço, está prevista para ser inaugurada em agosto uma ala do fígado que concentrará os atendimentos relacionados a cirurgias e, futuramente, o transplante de fígado de pacientes adultos.

A paciente Telma Rodrigues é acompanhada ambulatorialmente na Santa Casa desde 2016, mas como o transplante de fígado ainda não é realizado no Estado, foi transplantada em 2017 no Ceará. Para ela, a Santa Casa poder vir a realizar o procedimento será um avanço e trará muitos benefícios para os pacientes, evitando um desgaste físico e emocional de quem já está doente.

“Quando vamos para uma cidade estranha, nos sentimos desamparados, longe do seio familiar, isso realmente gera nos pacientes uma sensação de abandono, até mesmo porque muitos vão sem esperança de retorno. Por isso essa importância tão grandiosa para todas as pessoas que precisam desse recurso de sobrevivência que é o transplante hepático”, conta Telma, que também é estudante de nutrição e teve a oportunidade de fazer seu estágio na Santa Casa. “Foi maravilhoso poder viver essa etapa da minha formação no local em que fui cuidada. Me senti de certa forma também retornando para outras pessoas o que recebi no período de internação”, relembra Telma.

A formação é uma dos focos do Serviço de Hepatologia da Santa Casa que, desde 2014, possui a especialidade médica, sendo a única residência da Região Norte que além de formar especialistas em Hepatologia também contribui com a formação de 25 residentes de Clínica Médica.

“O residente de Clínica Médica precisa ter a vivência da Hepatologia para que possa identificar as principais patologias, tratar os casos mais leves e saber identificar os casos que necessitam do especialista”, explica a médica Fernanda Garcia, coordenadora da Residência Médica de Hepatologia da Santa Casa.

“Nossa especialidade trata de patologias mais raras mas também de doenças muito comuns que, sem tratamento, podem ter uma evolução grave, e por isso ampliar o acesso à população ao hepatologista, através da formação de novos especialistas, é de suma importância para a sociedade”, ressalta a médica. (Com informações da Agência Pará)

A frase do dia

“A lava jato atrasou dez anos a denúncia contra Serra. A manipulação do tempo, célere com alguns e atrasada com outros, foi a base de toda a armação da quadrilha de Dallagnol. Uma máfia privada operando à margem da lei. Enquanto a imprensa blindou o crime funcionou perfeitamente!”.

Jessé Souza, escritor

ESPN e Fox em vantagem na audiência durante a pandemia

Resenha ESPN, feito da casa dos participantes durante a pandemia  - Divulgação

A audiência total do mês de junho da TV por assinatura traz um equilíbrio inédito no segmento. Dados consolidados do PNT (Painel Nacional de Televisão), que corresponde à média de audiência das 15 principais metrópoles do Brasil, mostram que os três principais canais esportivos do país empataram. Mas as notícias são melhores para ESPN Brasil e Fox Sports (ou seja, Grupo Disney), que lideraram na maioria dos dias no mês passado.

Segundo dados obtidos pela reportagem do UOL Esporte, Sportv, ESPN Brasil e Fox Sports empataram com 0.15 ponto de audiência no universo da TV por assinatura na média 24 horas, de segunda a domingo. A diferença é pequena para a ESPN Brasil, que teve participação de 0.39%. Sportv e Fox Sports obtiveram 0.38%.

No entanto, o Grupo Disney tem mais motivos para comemorar. Nos 30 dias de junho, ESPN Brasil e Fox Sports se alternaram na liderança da média dia em pelo menos 25 dias do mês passado. Ou seja, em mais de 90% dos dias, algo inédito para um canal fora do Grupo Globo no setor esportivo.

Alguns fatores ajudam a explicar a situação. A primeira deles é a pandemia do novo coronavírus, que reduziu a audiência dos canais esportivos. Na comparação de maio para junto, todos os canais esportivos subiram no ranking geral da TV paga no PNT cresceram na audiência, mas ainda sem posições de grande destaque.

Outro ponto é que o Sportv, antes da pandemia, era líder de audiência na TV por assinatura, mas sem as competições nacionais, o canal esportivo da Globo perdeu muita audiência. Já os canais Disney (ESPN e Fox Sports) tiveram um ganho no Ibope muito por causa das transmissões dos torneios europeus de futebol, como o Campeonato Inglês e o Campeonato Alemão.

A tendência é de que o Sportv consiga recuperar um pouco dos números em julho, porque alguns campeonatos estaduais podem voltar. Mas a ESPN Brasil e o Fox Sports devem seguir bem por causa da continuidade de eventos europeus, além do retorno da NBA, marcado para o fim do mês.

Globo confirma transmissão de Bota x Flu pela semifinal da Taça Rio

Vitor Silva/Botafogo

Em comunicado lido neste sábado (4) no boletim do “Globo Esporte” dentro dos jornais locais, a Globo confirmou que irá cumprir a determinação judicial da 24ª Vara Cível do Rio de Janeiro e que irá transmitir a partida entre Fluminense e Botafogo, pela semifinal da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca. O jogo acontece neste domingo, às 16h, no estádio Nilton Santos.

O comunicado ainda afirmou que a Globo vai recorrer da decisão na Justiça favorável para a Ferj (Federação de Futebol do Rio de Janeiro), mas a emissora vai respeitar a decisão enquanto briga para ter uma liminar ao seu favor. O processo foi para a Justiça porque a Globo decidiu rescindir o contrato do Campeonato Carioca, que era válido até 2024.

O motivo da rescisão foi a transmissão de Flamengo x Boavista, pela última rodada da fase de grupos da Taça Rio, feita pelo clube no YouTube e nas redes sociais, na última quarta-feira. O Flamengo se baseou na Medida Provisória 984, recentemente colocada em prática pelo governo federal, que dá ao mandante os direitos de transmissão de uma partida de futebol.

A Globo alega que os contratos do Carioca foram feitos antes da MP e que a mudança da legislação não altera o que já foi acordado. Ontem (3), o UOL Esporte noticiou que a Globo foi pega de surpresa com a atitude da Ferj, mas que já tinha avisado seu conteúdo de que iria cumprir a determinação judicial e que iria recorrer na Justiça. (Com informações do UOL)