O “gato” de Marin das Medalhas

Por Juca Kfouri

20130217-185440Um respeitado cidadão brasileiro que prefere não ser citado, mas que certamente testemunhará na Justiça se for o caso, mora no mesmo prédio de José Maria Marin. Um dia passou a estranhar o alto valor de sua conta de luz, em milhares de reais. Solicitou então verificação da empresa fornecedora de eletricidade e descobriu que pagava, além seu consumo, o do vizinho futeboleiro. Que, constrangido diante do gato flagrado, se prontificou a desfazer o cambalacho.

As relações de boa vizinhança foram preservadas e a vítima preferiu calar delicadamente, embora em pelo menos uma ocasião tenha contado o episódio para mais de uma pessoa — e confirmado depois para este que vos fala. Reflita você sobre em que mãos estão a CBF e o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo no Brasil.

Pondere a presidenta da República se não há nada a fazer em relação a personagem tão bizarro.

Porque, se não houver, o planeta o verá abrindo a Copa do Mundo?

Só pra descontrair…

Uma moça muito jeitosa entra na igreja e confessa os seus pecados:
– Seu padre, eu tenho feito sexo com o padre da cidade  vizinha…
Zangado, o padre diz: 
– Pecado muito grave. Como penitência, vais rezar 20 Ave Marias e 20 Pai Nossos…
E acrescenta, irritado:
– Nunca mais esquece que a tua paróquia é esta!!

Dirigentes decidem trazer arbitragem de fora

Diretorias de Remo e Paissandu definiram que a arbitragem para os dois clássicos decisivos do turno será de fora – trios da Fifa. Prova evidente de que o prestígio dos apitadores locais está realmente em baixa. A insatisfação dos clubes teria origem na falta de critérios dos árbitros neste campeonato. Por outro lado, importar arbitragem nunca foi garantia absoluta de segurança contra erros de marcação.

O passado é uma parada…

426160_4230064881721_657290197_n

Registro de 30 de setembro de 1970, por ocasião do amistoso Brasil 2 x México 1, no estádio do Maracanã, Rio. Na imagem, o suor na camiseta de Pelé forma o  desenho de um coração. A versão de que a foto teria sido forjada já foi desmentida várias vezes. “Ainda hoje há quem me pergunte se não foi Photoshop, sempre tenho de explicar que isso nem existia naquela época”, afirma Luiz Paulo Machado, autor da foto.

De volta à normalidade

REMOXPFC Parazao 2013-Mario Quadros (68)

Por Gerson Nogueira

Depois de três anos, Remo e Paissandu voltam a disputar uma decisão no Pará. É do turno, como em 2010, mas é significativo para o reerguimento do campeonato estadual. Só com os dois rivais fortalecidos há possibilidade de redenção do futebol paraense. Os dois times, depois de tanto tempo, chegam a uma final com méritos. Um ponto é a diferença entre ambos lá no topo da tabela, o que dá a dimensão do equilíbrio reinante.

O desfecho das seminais atesta a superioridade da velha dupla de rivais em relação aos demais times. São estilos diferentes de jogar. Mas, cada um à sua maneira, os times são competitivos e têm a confiança de seus torcedores. Fazia tempo que não se via algo parecido.

No sábado, apesar da chuva, mais de seis mil pagantes presenciaram a atuação tranquila e superior do Paissandu sobre o São Francisco. Em menos de 10 minutos de bola rolando, o placar já apontava 3 a 0. Aos 20, a goleada estava definida. E o árbitro ainda anulou um gol absolutamente legal de Rafael Oliveira. No final, 6 a 1. Mas, sem favor nenhum, podia ter chegado a 10, caso o time forçasse mais.

PSCXSao Francisco Parazao 2013-Mario Quadros (30)

O segundo tempo já encontrou um Paissandu mais relaxado, quase em ritmo de treino, controlando as ações, sem pressa. Nem havia razão para isso. Ainda assim, várias chances surgiram. O São Francisco, que já entrou derrotado, em nenhum momento se encontrou em campo. Parecia um time reunido às pressas antes do jogo. Sua defesa tremia diante de qualquer investida alviceleste.

Rafael Oliveira, João Neto, Eduardo Ramos, Djalma e Billy foram os donos da noite, atuando de maneira quase perfeita e em completa sintonia. A goleada não se deveu exclusivamente às barbeiragens santarenas, mas teve a ver com o empenho, a rapidez e a categoria dos jogadores citados. O jogo estava fácil, mas eles fizeram com que o Paissandu fosse merecedor das facilidades, sacramentando a passagem à decisão do primeiro turno.

gerson_18-02-2013Ontem, no Mangueirão, em situação completamente diferente, o Remo ultrapassou um adversário esforçado e consciente de suas forças. Depois da grande atuação em Paragominas no meio da semana, o PFC ganhou confiança para enfrentar os azulinos de igual para igual em Belém.

Foi, de fato, um confronto parelho e indefinido até a metade do segundo tempo. Até então, o Remo era superior, atacava o tempo todo, mas não acertava nas finalizações. O placar de 0 a 0 dava à partida um quê de suspense, pois o PFC dependia de apenas um gol para ir à final. Apesar disso, o time de Charles Guerreiro e Aleílson parecia travado do meio para frente. Pressionado demais na defesa, não tinha ânimo ou criatividade para atacar.

Na verdade, se Charles deu um nó tático em Flávio Araújo no primeiro jogo, desta vez recebeu o troco de forma categórica. Com Jonathan e Gerônimo como volantes, o Remo ganhou em qualidade de passe. Tiago Galhardo também se beneficiou, pois passou a ter com quem dialogar na meia cancha. Fábio Paulista também cresceu com o retorno de Berg à ala esquerda.

Acima de tudo, a defesa recuperou a solidez com o trabalho dos meio-campistas. Sinal óbvio da boa atuação foi a timidez ofensiva do PFC, que foi dar seu primeiro chute a gol (para fora) aos 44 minutos da primeira etapa. Aleílson, um dos destaques do campeonato, não encontrou brechas para finalizar.

Ao contrário das últimas partidas, raramente se viu o Remo apelando para a ligação direta como tática de jogo. O time saía tocando a bola, buscando envolver o adversário com velocidade, mas sem afobação. Foi a melhor apresentação da equipe em toda a competição. Merecia bem mais que os 2 a 0, mas os gols de Val Barreto e Fábio Paulista foram suficientes para entusiasmar os quase 12 mil torcedores que compareceram ao Mangueirão.

Como se vê, vitórias indiscutíveis que fazem da decisão entre Re-Pa acima de tudo um coroamento justo das duas campanhas. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola)

———————————————————–

Um Boca papachibé no Tenoné

Ao participar do programa Meio de Campo, ontem, na TV Cultura, tomei conhecimento do belo projeto desenvolvido pelo Boca Juniors do Tenoné, que há 11 anos dá oportunidades aos meninos daquela área da cidade. Maílson, o diretor do clube, informou que o Boca papachibé trabalha com as categorias sub-13, sub-15 e sub-17. Sem apoio oficial ou patrocínio de empresas.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 18)