Para festejar o aniversário

Por Gerson Nogueira

Há quem não tenha notado qualquer queda no rendimento do Paissandu nos últimos jogos. Alguns dos baluartes da coluna – entre os quais, o amigo Ney Messias – observaram apenas um pequeno desvio de rota na partida de quinta-feira no Parque do Bacurau, quando o time venceu, mas ficou devendo atuação mais convincente.

bol_dom_030213_15.psPode ser que seja apenas uma sensação de declínio, mas é fato que o próprio técnico Lecheva mostrou-se incomodado com o desempenho da equipe, tanto que partiu para mudanças radicais (bem sucedidas, no fim das contas) no começo do segundo tempo.

Com um meio-de-campo que não se conectava com o ataque, o Paissandu em nenhum momento se sentiu dono do jogo em Cametá. Levou um gol no primeiro tempo, em falha do goleiro Zé Carlos.

Conseguiu o empate após cobrança de escanteio e virou o marcador, graças à categoria de Eduardo Ramos e ao oportunismo de Djalma, quando tudo indicava que o jogo terminaria empatado.

A grande exibição do Paissandu na temporada foi há duas semanas, quando goleou impiedosamente o Águia e esbanjou entrosamento no meio-campo, aproximação entre laterais e atacantes, além de altíssimo índice de acertos no passe. Atuação quase impecável.

Logo em seguida, veio o Re-Pa e era natural que o time tivesse mais dificuldades. E teve. Mesmo sem atuar mal, deixou a desejar no quesito objetividade e acabou castigado com um gol no final.

Alguns jogadores – Pikachu, principalmente – acusaram o golpe e demonstraram certo abatimento em relação ao clássico. Ousado nos dribles e arrancadas, o jovem lateral mostrou-se inibido diante da plateia cametaense, cumprindo uma de suas piores jornadas desde que virou profissional.

Contra a Tuna, neste domingo, o Paissandu comemora seus 99 anos (transcorridos ontem) e tem a chance de voltar aos trilhos. São dois os motivos dessa expectativa positiva: volta a jogar diante de sua torcida e enfrenta o pior time da competição.

A Tuna de tantas tradições atravessa um de seus momentos mais precários. Conquistou um ponto apenas (na estreia contra o Águia) e não fez gol ainda. Samuel Cândido, sem jogadores de qualidade no elenco, deixou o comando técnico. Por três dias, o clube correu em busca de um substituto e ninguém topou. A responsabilidade acabou recaindo para o auxiliar Marajó.

Contra um Paissandu mais arrumado, com Iarley reforçando a ofensiva, a Tuna não tem como resistir. E Lecheva ganha fôlego para reorganizar o time, já mirando as semifinais do turno.

———————————————————–

Bola na Torre

Tiago Galhardo, meia-armador do Remo, é o convidado do programa de hoje. Guerreiro comanda, com participações de Tommaso e deste escriba baionense. Logo depois do Pânico na Band.

———————————————————–

Depois do leite derramado…

Uma comitiva de dirigentes do Remo, com endosso da Federação Paraense de Futebol e orientação jurídica de Osvaldo Sestário, prepara-se para apelar ao STJD na próxima semana. A ideia é reverter a perda de mandos para garantir que o jogo contra o Flamengo pela Copa do Brasil seja confirmado para o estádio Edgar Proença. A possibilidade de uma renda superior a R$ 1 milhão move os azulinos, embora as chances de êxito da empreitada sejam mínimas.

Mesmo levando em conta que o próprio Flamengo tem interesse em jogar na capital e dispõe de inegável força política nos bastidores, o STJD teria que contrariar várias decisões anteriores para atender ao pleito do Remo. Não se deve esquecer, ainda, que o clube paraense é useiro e vezeiro em punições do gênero, por obra e graça de torcedores mal educados e fiscalização negligente nos estádios.

O Remo sonha com a anistia pura e simples ou a conversão da sentença em pena de alcance social. Se conseguir ser atendido, pode se considerar desde já presenteado por Papai Noel.

———————————————————–

Uma questão de Estado

A violência das torcidas no Brasil, tema sempre atualíssimo, ganhou parecer interessante e que merece reflexão. Em artigo publicado na sexta-feira, o professor Gustavo Pires cita os termos da Constituição portuguesa – segundo a qual, todos os cidadãos têm direito à cultura física e ao desporto, além de tratar da prevenção contra a violência. A situação aflige diversos países, inclusive o nosso. A educação formal entra como fator decisivo no processo, figurando como responsabilidade primordial do Estado.

Como o esporte é potencialmente gerador de violência, observa Pires, a educação tem por objetivo – através da prática desportiva – promover a aprendizagem do autocontrole da agressividade própria dos seres humanos. O Estado, portanto, deve ter uma intervenção decidida através de um projeto amplo de educação desportiva. Se não agir assim, o Estado será forçado a aceitar o papel limitado de repressor, como se nota hoje no Brasil e, particularmente, no Pará.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 03)

Por eles, com eles

Por Gerson Nogueira

A gente se ilude, pensa que pode e manda, mas o mundo é deles. Definitivamente. Nossos filhos, pelo script natural das coisas, nos sucedem, dão continuidade à família, preservam o sangue, ampliam a saga. Fazem com que a eternidade terrena seja quase possível. E poucas, pouquíssimas vezes, isso fica tão explicitado aos nossos olhos quanto na hora em que dormem. Aliás, poucas, pouquíssimas coisas, são mais revigorantes e ternas do que acompanhar um filho a dormir, entregue ao deus Morfeu, espalhado na cama – ou na rede, como é mais comum aqui em casa.

Ouve-se a respiração, vela-se o sono. Dá tempo de arrumar o lençol, ajeitar um braço ou perna meio torto, ou ficar apenas contemplando a obra que pusemos no mundo. Quanto orgulho. É certo que, dormindo, parecem ainda mais belos e perfeitos.

Como de hábito, beijo os cabelos revoltos e arranco do moleque o ensaio de um sorriso (reflexos da alma talvez?). Cuidados e desvelos com eles, carícias que fazemos em nossos corações. Egoísmo amoroso. Envolvidos pelo torpor de onipotência até acreditamos, por segundos, que somos capazes de livrá-los de todo o mal. Da dor. Da tristeza. Suprema pretensão, que os raios da manhã se encarregam de varrer do pensamento. Escrevo estas mal-traçadas linhas influenciado por esta breve passagem do tempo. Cazuza escreveu que só as mães são felizes. Bobagem. Pais também podem ser.

PFC e Águia empatam em 1 a 1

PFC Paragominas e Águia de Marabá empataram em 1 a 1 na noite deste sábado, no estádio Arena Verde, em Paragominas, em jogo válido pela 6ª rodada do Campeonato Paraense 2013. O primeiro gol do jogo logo saiu aos 4 minutos, através de Aleílson, que chegou ao sexto gol e é o líder dos artilheiros. O Águia chegou ao empate no segundo tempo. Aos 7 minutos, em jogada que envolveu todo o ataque, Balão Marabá finalizou para as redes.
Um público de 2.800 pagantes estiveram no estádio, proporcionando renda de R$ 27.800,00. Com o resultado, o PFC chegou a 8 pontos e só depende de si para chegar às semifinais do turno. O Águia foi a 6 pontos e mantém chances remotas de classificação.