Parazão – Classificação do turno

TIMES PG J V E D GP GC SG AP
Remo 19 7 6 1 0 15 8 7 90.5
Paissandu 16 7 5 1 1 19 10 9 76.2
São Francisco 11 7 3 2 2 14 12 2 52.4
Paragominas 11 7 3 2 2 11 10 1 52.4
Cametá 7 7 2 1 4 6 7 -1 33.3
Santa Cruz 7 7 2 1 4 6 9 -3 33.3
Águia 6 7 1 3 3 7 12 -5 28.6
Tuna 1 7 0 1 6 1 11 -10 4.8

A história de mais um craque de araque

Por Lucas Vettorazzo (Da Folha S. Paulo)

Aos 26 anos, Rodrigo Souza tem uma carreira gloriosa no futebol. Jogou na seleção brasileira sub-17, campeã mundial da categoria em 2003. Fez parte do time do Vasco vencedor da Copa do Brasil em 2011. Defendeu Palmeiras, Grêmio e Atlético Paranaense, quando o time era dirigido pelo alemão Lothar Matthaus. Já passara uma temporada pelo holandês Feyenoord e pelo Flamengo, equipe que deixou nos últimos dias.

Em uma entrevista a um programa da emissora CNT de Curitiba, Souza relembra os tempos em que integrou a seleção sub-17 e outros sucessos de sua carreira. Se o leitor, fã de futebol, não consegue ligar o nome à pessoa, não há motivo de preocupação. A “carreira” acima, ao que tudo indica, foi inventada por Souza.

Numa versão boleira do caso de Marcelo Nascimento da Silva, que durante quatro dias em 2001 se passou por Henrique Constantino, filho do empresário Nenê Constantino, dono da Gol, Souza viveu os últimos anos contando as glórias de ser um jogador de futebol de sucesso.

Sua versão para a carreira bem-sucedida começou a desmontar quando, desconfiado da veracidade de documentos e fotos de sua vida de glórias, o assessor de imprensa Antônio Boaventura decidiu tirar tudo a limpo. Disse a jornalistas do diário “Lance!” que seu contratado estava de saída do Flamengo. Ao verificarem a história com a diretoria do clube, os jornalistas descobriram que Souza jamais havia jogado pelo time.

1303980

Boaventura contou à Folha que conheceu Souza no fim de 2012 em um clube chamado União dos Operários, na zona norte do Rio, tradicional reduto dos boleiros em atividade e dos aposentados. De acordo com Boaventura, o rapaz procurava uma assessoria de imprensa para cuidar de sua imagem. O assessor disse que pediu a ele cópia do registro na CBF e do contrato com clube. Souza teria lhe entregado a cópia de um contrato na CBF de 2008.

Rodrigo Souza disse à Folha que é jogador profissional, inscrito na CBF (Confederação Brasileira de Futebol) desde 2003. O nome do jogador, contudo, não consta do registro geral de atletas da CBF, nem do Bira (Boletim Informativo de Registro de Atletas), da Federação de Futebol do Estado do Rio Janeiro e muito menos da Fifa.

“Eu sou jogador profissional inscrito na CBF. É uma situação chata, eu não queria estar passando por ela”. Reiterou que já jogou por vários clubes brasileiros, mas se negou a dizer quais. Também não quis dar nomes de colegas de profissão que pudessem confirmar sua história. Mas prometeu comprovar tudo em alguns dias.

“Depois do Carnaval, eu consigo correr atrás da documentação. Vou apresentar os contratos”, disse. À Folha, Souza contou que treinou no Flamengo de julho de 2012 a janeiro deste ano sem vínculo empregatício com o clube. De acordo com o rapaz, todos os dias um preparador físico chamado Carlos Henrique o treinava separadamente do elenco profissional.

“Treinei [no Flamengo], mas sem estar inscrito em competições oficiais. Foi solicitado que eu ficasse fazendo um trabalho, e eu fiquei”, afirmou Souza. As assessorias do Flamengo e do Atlético-PR negaram que ele tenha feito parte de seu elenco. Irritado com a “indiscrição” de seu assessor de imprensa, Souza criticou a divulgação de informações que considera erradas: “Com ele eu tenho um contrato”.

Vote no mico da semana

Escolha seu mico preferido e defenda-o se for capaz…

1) Duas semanas depois do clássico Re-Pa, não há qualquer inquérito em andamento para enquadrar os baderneiros presos em ônibus, no entorno e dentro do Mangueirão. Todos foram liberados depois de apresentados à delegacia mais próxima. E assim caminha a humanidade.

2) Grupo Líder desiste de patrocinar a dupla Re-Pa depois de acertar todos os detalhes com as duas diretorias. Empresários alegaram “divergências internas” quanto ao patrocínio. O Remo, inclusive, chegou a usar a logomarca do grupo no uniforme. 

3) Papelão da Tuna no primeiro turno do Parazão. Time trocou de técnico, mas fechou a fase classificatória no fim da fila, com apenas um ponto ganho e um gol marcado. Desde já, é uma das piores participações da Lusa em campeonatos paraenses. 

O passado é uma parada…

529929_3663754211340_1089873486_n

Anos de luta. No final dos anos 70, ato público por liberdade de imprensa, contra os atentados às bancas de jornal e perseguição da ditadura aos jornais alternativos – Resistência, O Nanico, Tribuna da Luta Operária, Coojornal, entre outros. Na foto de Miguel Chikaoka, Paulo Weyl, Rômulo Paes, Carlos Boução, Luiz Maklouf (parcialmente encoberto) e João Batista, que anos depois seria executado a mando de grileiros e latifundiários.

Parazão define semifinais do turno

Remo x PFC e Paissandu x São Francisco são os confrontos definidos para as semifinais do primeiro turno do Parazão, logo depois do Carnaval. A super rodada desta quinta-feira terminou exatamente como começou, sem mudanças nas quatro primeiras colocações. Na Curuzu, o Paissandu não encontro dificuldades para superar o Santa Cruz por 3 a 1, marcando dois gols logo nos primeiros minutos. Rafael Oliveira, Rodrigo Alvim e Djalma marcaram os gols do Papão. Reis descontou, de cabeça, para o Santa Cruz. O resultado classificou o Papão para as semifinais, com 16 pontos. Já o  Tigre do Salgado terminou a primeira fase na quinta colocação, com sete pontos. Nas semifinais, o Papão vai enfrentar o São Francisco, na próxima quarta-feira (13), no estádio Barbalhão. O jogo de volta será sábado, 16, na Curuzu.

DP_20130207_TA_blog (3)

No estádio Parque do Bacurau, o Cametá não tomou conhecimento do São Francisco e marcou 3 a 1. Marçal abriu o placar ainda no primeiro tempo. Ricardinho empatou para o São Francisco aos 9 minutos do segundo tempo, mas Landu e Labilá (cobrando pênalti) assinalaram os gols da vitória cametaense. Apesar do revés, o São Francisco se classificou para as semifinais.

Já o PFC Paragominas derrotou a Tuna, no Mangueirão, por 1 a 0, garantindo um lugar nas semifinais. O gol foi marcado por Aleílson, artilheiro do campeonato, com sete gols. A vitória garantiu o Jacaré na quarta colocação. A Lusa estreou o técnico Cacaio, mas se mantém na lanterna, com apenas um ponto conquistado.

AguiaXREMO Parazao 2013-Mario Quadros (2)

Em Marabá, no estádio Zinho Oliveira, o Remo venceu o Águia por 3 a 2 em partida prejudicada pelo temporal que caiu sobre a cidade, enlameando o campo. Rafinha abriu o placar após jogada confusa na área remista. Instantes depois, Leandro Cearense empatou, depois que Zé Antonio cobrou falta no travessão de Adriano. Ainda no primeiro tempo, o Remo virou para 2 a 1, novamente através de Leandro, que aproveitou cochilo da zaga. Logo em seguida, porém, Wando voltou a empatar a partida. Na etapa final, logo aos 10 minutos, Zé Antonio botou o Leão em vantagem cobrando falta no canto direito de Adriano. Um grande tumulto entre os jogadores provocou a expulsão de Leandro Cearense e Adriano. Minutos depois, Walber – que havia acabado de entrar – foi expulso por jogo violento. O Remo encara o PFC nas semifinais. O primeiro confronto será na quinta-feira, 14, às 20h30, em Paragominas.

AguiaXREMO Parazao 2013-Mario Quadros (12)