21 comentários em “Uma pintura de gol (by Mário Quadros)

  1. Amigo Cláudio concordo plenamente com você, principalmente se avaliarmos os últimos que por aqui passaram, ganharam muito e nada fizeram.

    Não é um craque mas entendo que faz pro gasto.

    Não sei o que os amigos pensam, mas acho que o grande problema de rendimento do Rafael (e de boa parte dos jogadores) está atrelado ao preparo físico, ano retrasado estava bem fisicamente e arrebentou, ano passado só se ouvia falar dele em festas foi muito mal, este ano, vejo o Rafael vir marcar na retaguarda do PSC, quando perde a bola sai correndo atrás da bola para retomar ou matar a jogada, isso é tipico de quem está bem de preparo, por isso está indo bem no campeonato, precisa só de melhor orientação técnica de posicionamento e utilização da força física corretamente que aí será bem melhor.

    RRamos

  2. Amigos do blog quando eu vi o Rafael Oliveira tirando a bola do goleiro e ficando sem ângulo par concluir a gol eu disse para mim mesmo:” pronto perdeu mais uma!” Queimei a língua, o cidadão fez um golaço!
    Pena que a goleada, muito bem vinda, não foi sobre o leão azul original! rsssss!

  3. Vou fazer uma ilação sobre o último jogo do Paissandu (que me perdoem os comentaristas bicolores):

    Supondo que se estivesse zero a zero (ainda no início do jogo) ou o SF vencendo por 2 a 0 (com o jogo já bem adiantado), aquele gol do PSC (legítimo) não teria sido anulado e o penal dado para o SF não teria sido marcado.

    Ainda falta coragem para alguns árbitros locais. Alguns exageros dos árbitros também tem acontecido.

  4. Concordo com o Antônio Oliveira ! Cheguei a pensar isso, que falta coragem aos árbitros paraenses. Ano passado, acho que foram melhores, pois este ano acho que os erros aumentaram. Mas ainda assim, acho que deveria ser árbitros locais para a decisão.

  5. Heleno, nesse caso é do chará Valentim que você está falando. Se bem que eu também fiquei com algumas restrições com a arbitragem este ano. Parece que a permanência no excelente patamar que ela merecidamente alcançou tem se tornado um tanto quanto trabalhosa.

  6. Pois é, o R O consegue em um mesmo jogo ir do céu ao inferno na mesma tacada; penso que falta trabalho psicológico, não só prá ele, como também prá todo o plantel; percebam que aos atacantes, falta categoria quando se defrontam com os goleiros, estes, às vezes caídos, totalmente batidos, aí metem um chutaço, prá fooooora!! ora! ora! ora! como diz o Cláudio Santos; da mesma forma, o que explica aquele comportamento estabanado do Raul, derrubando dentro da área, um adversário que estava de costas para o gol, com o time metendo 4 no adversário? penso que nem Freud explica e olhem que o Raul não é nenhum garoto recém saído das bases; outro detalhe que quero abordar, pois entendo babaquice, a tentativa de justificar a perda de interesse em continuar fustigando o adversário com a fatura já liquidada quando o placar é elástico como o foi o de sábado, contra o S. Francisco, aliás, penso que técnico, diretor de futebol devem atentar para esse detalhe, tem que jogar sério do início ao final do jogo, pois estamos perdendo a oportunidade de cabalar mais ainda a história do Clube, afinal, ninguém sabe o que ocorrerá amanhã, todos tem direito ao progresso e ao crescimento profissional, todos competidores buscam vitrines, para expôr suas glórias, os medianos de hoje poderão ser os grandes de amanhã.

  7. Mas o pior do juiz foi o amarelo dado ao Raul, me pareceu encomendado, isso enfraquece a já inconfiável defesa bicolor. Para substituir o Raul sou mais o Pablo.

  8. De minha parte, no domingo, eu achei um excesso de autoridade o cartão amarelo aplicado ao Valoteli, pelo mesmo ter mandado uma bola ao gol, depois do lance ter sido invalidado. O jogo estava calmo, o árbitro não estava sob pressão nem dos jogadores em campo, nem da torcida. Aliás, nem mesmo a célebre justificativa de que o atleta estivesse jogando a torcida contra a arbitragem teria cabimento na espécie. O Fenômeno só chiou quando viu o desproporcional cartão ser erguido pelo árbitro. Enfim, me pareceu uma punição excessiva e sem nenhum sentido aparente. Ressalvado, logicamente, o fato de existir alguma regra ou determinação da FIFA no sentido de que em casos que tais o cartão deva ser aplicado. Com a palavra o nosso especialista do blog, o Edmundo.

  9. Manoel um simples bordão global não é suficiente para responder o questionamento. Afinal, são inúmeros os casos, em todos os campeonatos pelo mundo, em que ocorrem casos idênticos, e o árbitro não aplica o cartão amarelo. Deixe pra quem sabe, o Edmundo. A propósito, só para exemplificar, não precisa ser surdo para não escutar.

  10. Amigo Antonio, o jogo tava 2X0, Remo já classificado e o cara resolve cumprir a tal determinação da FIFA exdruxula diga-se de passagem.

    Arbitragem precisa rever esta situação dos cartões.

    Se pune por besteira e sefaz vista grossa por lances que mereciam o tal cartão.

    Apesar disso, pedir arbitro de fora é desespero do Pirão chorão.

  11. Edson, é mais ou menos por aí o que eu quero saber do Edmundo. Isto é, se existe uma regra, no famoso livro, e/ou uma determinação da própria FIFA, mandando o árbitro aplicar o cartão em casos como este; ou o homem do apito pode usar do bom senso e só amarelar quando as circunstâncias do jogo revelem uma atitude inconveniente para o bom andamento do jogo, para a manutenção da disciplina, para o acirramento do comportamento da torcida contra o árbitro etc.

  12. Amigo Marcelo a nova reforma do gramado acertada pela atual diretoria inclui elevação do mesmo para um serviço de drenagem de primeira qualidade, é esperar e conferir se tudo vai dar certo!

  13. Antônio em geral o árbitro toma este tipo de atitude do jogador como desacato a sua autoridade daí a punição com o cartão amarelo. No meio do apito não usamos o termo juíz de futebol, mas árbitro pois toda a decisão tomada por ele é inquestionável, ou seja arbitrária!
    Ainda se fala hoje em recursos da mídia para auxiliar no julgamento de alguma jogada duvidosa, mas infelizmente a FIFA deixa toda esta carga nas mãos de seres humanos que estão passíveis a falhas.
    Na minha opinião já deveria haver uma figura de arbitragem com a mídia em mãos para diminuir significativamente os erros durante as partidas! Mas os velhinhos da FIFA…

Deixe uma resposta