Beijo na rua pode custar caro a Fred

fred-do-fluminense-mostra-ser-gala-xaveca-gata-e-ganha-beijo-no-meio-do-transito-carioca-1361312456044_615x300

A estudante de radiologia Izabela Araújo, de 23 anos, disse estar sofrendo com a repercussão do vídeo em que aparece dando um selinho no atacante Fred no meio do trânsito de Belo Horizonte. Ela acionou um advogado, que ameaça processar o jogador do Fluminense. “O que posso adiantar é que ela está disposta a mover as medidas judiciais cabíveis, em face da violenta exposição que vem sofrendo na mídia. Não está descartada a hipótese de acionarmos o jogador Fred na Justiça para que ele venha a reparar os danos pessoais e profissionais sofridos por nossa cliente”, afirmou o advogado Marcos Padilha ao jornal Estado de Minas.

Segundo ele, Izabela teme até perder seu emprego por causa da divulgação do vídeo. A estudante trabalha como estagiária em um hospital de Belo Horizonte. Procurada pelo jornal, ela se recusou a comentar o caso: “Não quero falar sobre o assunto, pois me causou muitos problemas. Por isso, acionei um advogado e apenas ele está autorizado a falar em meu nome”. O advogado acrescentou que Izabela “não tem perfil de oportunista e é uma moça muito séria”. Padilha afirmou que foi procurado porque ela estava “completamente perdida com a repercussão do caso”. O atacante Fred informou por meio de sua assessoria de imprensa que não irá se manifestar sobre a ameaça de processo por parte da estudante de radiologia Izabela Araújo, de 23 anos. (Do UOL) 

A volta do artilheiro dos gols bonitos

69599_414959361926984_686312903_n

Depois de um período no mais completo esquecimento, o atacante Dodô foi anunciado nesta sexta-feira como reforço do Grêmio Osasco para o Campeonato Paulista. Dodô notabilizou-se pelos gols bonitos que marcou ao longo da carreira por grandes times brasileiros – São Paulo, Botafogo, Santos e Goiás.

Pensata: Sêneca e o tempo

Por Murillo de Aragão

574584_510681438995509_910432017_nEm seu manual sobre a vida, Sêneca nos dá grandes lições a respeito de questões essenciais. A primeira delas refere-se ao tempo, tema que muito me agrada. Para Sêneca, é lamentável perder tempo por negligência, já que o tempo que já passou pertence à morte.
Em sendo um bem escasso e que não é suficiente nem mesmo para as coisas necessárias, o tempo não deve ser gasto com coisas supérfluas. Para Sêneca, isso é um absurdo. Ele diz ainda que a velocidade do tempo é infinita, em especial quando olhamos para trás.
Sempre ouvimos os mais velhos falarem que as coisas acontecem rápido demais e que parece que foi ontem que um filho adulto nasceu ou algo assim. Ao refletir sobre isso, lembro-me que Chico Xavier afirmou que o maior arrependimento dos espíritos no Além é pelo tempo perdido, gasto de forma não relevante.
Considerando Sêneca e Chico Xavier, depreendo que o tempo gasto de forma consequente contribui para uma vida melhor após a morte, e que o tempo gasto de forma inconsequente será um peso mais adiante.
Enfim, Sêneca considera que o único bem que o indivíduo tem é o seu tempo, que é fugaz e escorregadio. Escorre pelas mãos, como disse Lulu Santos. A solução para lidar com bem tão perecível é lançar-se ao presente e ser menos dependente do amanhã.
Penso que lançar-se ao hoje com intensidade e energia é a melhor maneira de fugir da morte. Até mesmo considerando o dia uma pequena vida que deve ser planejada, com seu começo, meio e fim.
A questão posta por Sêneca não deve ser considerada uma ode aos workaholics e sim um alerta sobre como devemos usar nosso tempo, hoje. Nem que seja no ócio, ou em leituras, em viagens, no trabalho e nos estudos.
Finalizando, com Sêneca: vive quem é útil a si e ao próximo. Aqueles que se entorpecem, ainda que vivos, vivem em casa como se estivessem em sepulturas.

Murillo Aragão é cientista político.

Papelão global na reportagem sobre tragédia

Do Blog do Paulinho

Mais um triste capítulo da história do jornalismo brasileiro, a Rede Globo, através do “repórter” Ricardo Taves (foto), obedeceu a “ordens” do Corinthians para fazer matéria em que tratava os “organizados” presos na Bolívia pelo assassinato de um garoto de 14 anos como “bodes expiatórios” da polícia local. Taves é “língua de aluguel” antigo de Andres Sanches, ex-presidente do Corinthians, responsável direto por sua contratação pela Globo. Antes disso, o “repórter” cuidava da “Rádio Coringão”, inclusive sendo proprietário do registro da empresa na internet. Depois passou o domínio para o “sócio” Andres Sanches, que permanece como proprietário, mesmo sem ocupar mais cargo no clube, que trata o veiculo de comunicação como oficial.

O narrador de partidas da referida rádio, por exemplo, é puxador de samba dos Gaviões da Fiel, enquanto o comentarista, vulgo “Caco”, é conselheiro do clube. Ricardo Taves conhece e tem convivência com a maioria dos detidos, o que por certo facilitou sua “matéria” no local.

Fez o que foi mandado, exaltou a marginalidade e conseguiu emplacar as imagens no Jornal Nacional, para constrangimento de qualquer jornalista decente desse país.

Vote no mico da semana

Escolha seu King Kong preferido e defenda-o com bons argumentos…

1) Jogadores que “homenageiam” facções organizadas – casos de Fábio Paulista (Remo) e Rafael Oliveira (Paissandu) – alegam que seriam forçados a fazer os gestos de apologia dentro de campo, pois se sentem “ameaçados” pelos turbulentos.  

2) Remo é julgado de novo pelo STJD, em função dos incidentes ocorridos no jogo contra o Mixto pela Série D, recebe nova multa por não ter pago a primeira (R$ 4 mil) e ainda tem o presidente (Sérgio Cabeça) suspenso por 90 dias.

3) O presidente da CBF, o notório José Maria Marin, é acusado de fazer “gato” para reduzir a despesa com energia elétrica em mansão de sua propriedade num condomínio de luxo em São Paulo.

Conmebol pune Corinthians pela ação da torcida

O Corinthians disputará suas partidas da Taça Libertadores sem o apoio da torcida em consequência da morte de um jovem boliviano de 14 anos que foi atingido por um sinalizador disparado por um membro da torcida do time paulista durante a partida de quarta-feira contra o San José, informou a Conmebol. A medida é cautelar. Significa que vai ficar valendo até que se tome uma decisão final, o que deve ocorrer, segundo a entidade, em até 60 dias. “As partidas do Corinthians como mandante serão disputadas de portões fechados. Nos jogos que o clube disputará como visitante, seus torcedores não terão acesso a ingressos”, disse nesta quinta-feira o porta-voz da Conmebol, Nestor Benítez.

622_b9952ccc-adee-305d-b150-7be5ad81be22Trata-se da primeira medida tomada pela entidade desde a morte do jovem Kevin Beltrán (foto), que foi atingido no olho por um sinalizador disparado desde o setor reservado para a torcida do Corinthians. O clube já vendeu 82.500 ingressos para os três jogos da fase de grupos que fará em casa em 2013 – o primeiro é na quarta, ante o Millonarios. A equipe ainda não se pronunciou, mas deixou claro que tem condições de ressarcir todos os torcedores que compraram ingressos. Até as 23h desta quinta-feira, o Corinthians disse que ainda não havia sido comunicado oficialmente, mas na nota já é sabido que o clube terá três dias de prazo para apresentar a defesa.

Jogar com portões fechados era uma punição temida pelo Corinthians, que fez da Libertadores a principal engrenagem para alavancar suas receitas neste ano. Em 2012, o ganho com bilheteria nos sete jogos em casa foi de R$ 14 milhões. Pouco depois do incidente, a policia aprendeu 12 torcedores do Timão que permanecem detidos na delegacia de Oruro, cidade situada a 240 km ao sul da capital La Paz. O polícia boliviana declarou nesta quinta-feira ter fotos que provam que o sinalizador foi disparado foi disparado por um torcedor corinthiano. (Da Folha SP) 

Um novo recorde do blog

http://blogdogersonnogueira.com/ fechou a quinta-feira (21) com um total de 8.827 visualizações e 5.022 visitantes. Um recorde absoluto entre os blogs jornalísticos regionais. Obrigado aos baluartes – Cláudio Santos, Hiran Lúcio Lobo, Marcelo Maciel, Daniel Malcher, Antonio Oliveira, Heleno, Harold Lisboa, Jaime EUA, Alberto Lima, Cássio de Andrade, Inocêncio Mártires Coelho, Antonio Valentim, Edson do Amaral, Edmundo Neves, Marcos Pina Junior, Israel Pegado, André Papão, Fernando H. Torres, dentre tantos outros – que ajudam a fazer do blog um espaço de troca de informações e de livre discussão de ideias. Estes, afinal, foram os motivos que inspiraram a sua criação. Até abril próximo, quando completará três anos no ar, o blog alcançará a casa dos 3 milhões de acessos. Sigam-me os bons!

Que a tragédia deixe lições

Por Gerson Nogueira

A três dias do Re-Pa, a notícia da tragédia de Oruro pode ter pelo menos um mísero efeito positivo: o de obrigar os órgãos de segurança a redobrarem a vigilância sobre as torcidas organizadas dos eternos rivais. Que o funesto destino do menino Kevin, de 14 anos, vitimado por um sinalizador arremessado como míssil pela torcida do Corinthians, sirva de alerta em relação à criminalidade que se alimenta da paixão popular por Remo e Paissandu.

Em certeiro artigo, o jornalista Flavio Gomes argumenta que não cabe definir a tragédia boliviana como um acidente. “Um morteiro disparado de dentro de um estádio de futebol não é uma fatalidade. É uma estupidez”, escreve Gomes. Concordo inteiramente.

Não adianta insistir na tese conciliadora de que as “organizadas” se diferem umas das outras e que existem bons sentimentos movendo a estrutura de guerra montada nos submundos do futebol. Manter esse discurso é compactuar com a violência sem freios dos grupos paramilitares que infestam os estádios de futebol no Brasil e, particularmente, em Belém.

bol_sex_220213_15.psO caso Kelvin vem se juntar a um longo histórico de matanças causadas pela insanidade das hordas que usam o futebol para disseminar ódio e praticar atos criminosos. Desde a barbárie das 38 mortes no estádio belga de Heysel, na final da Copa dos Campeões de 1985, quase o mundo todo adotou providências para barrar a insanidade. No Brasil, porém, tudo continuou como dantes.

Os ingleses, envolvidos diretamente naquele triste episódio através da torcida do Liverpool, foram implacáveis com os hoolligans, criando mecanismos de fiscalização e punição rigorosa. Em sentido contrário, o futebol brasileiro permaneceu refém dos bandidos organizados.

A passividade passou a pautar a relação de Belém com os criminosos disfarçados de torcedores. Famosa por nutrir paixão irrefreável pelo futebol, a cidade passou a ser conhecida pela selvageria nos estádios. Ir ao Mangueirão e sair vivo é quase uma façanha.

Por tudo isso, autoridades e dirigentes têm a responsabilidade de garantir que, a partir deste domingo, o ato de ir ao Mangueirão volte a ser apenas um belo programa de domingo. É intolerável, sob todos os pontos de vista, que os bandidos continuem dando as cartas. Chega.

———————————————————–

O longo inverno de Ganso

O São Paulo vai bem, vencendo tanto na Libertadores quanto no certame paulista. Não se pode dizer o mesmo de Paulo Henrique Ganso. Na quarta-feira, contra o São Caetano, o time marcou 4 a 2 e teve o armador paraense por 80 minutos em campo. Um recorde nos últimos tempos, mas talvez fosse melhor nem ter jogado.

Aliás, há dúvida se Ganso realmente entrou, pois sua participação foi apagada. Envolveu-se em poucos lances e parecia alheio a tudo, quase sonolento. Para um jogador que foi contratado a peso de ouro – a maior transação do futebol nacional em todos os tempos – e ainda carrega a expectativa de ser o camisa 10 do Brasil na Copa, Ganso vem fazendo muito pouco. No ritmo que vai logo deixará de receber o tratamento de astro que o São Paulo ainda lhe devota.

Ao ser abordado por um repórter, depois de ser substituído, o paraense avaliou que merecia uma nota 6. Tremendo exagero. Quem acompanhou a partida sabe que, por qualquer critério, Ganso deveria receber nota vermelha. De reprovação – e decepção.

O curioso é que, na mesma noite, outro paraense apareceu positivamente. O renegado Jobson, que busca no São Caetano uma nova reabilitação para o futebol, marcou um bonito gol e deu passe para outro.

———————————————————–

Remo é condenado por negligência

A nova condenação sofrida pelo Remo no STJD, em julgamento ocorrido anteontem, relacionado com os incidentes verificados no jogo contra o Mixto-MT pela Série D, confirma que dirigentes e clubes precisam se organizar em todos os aspectos. É inadmissível que o clube tenha deixado de pagar a multa estabelecida no primeiro julgamento, no valor de R$ 4 mil. Desta vez, o tribunal acrescentou R$ 1,5 mil e suspendeu o presidente Sérgio Cabeça por 90 dias.

———————————————————–

Façanha dos baluartes

Um novo recorde regional na blogosfera foi estabelecido nesta quinta-feira pelo http://blogdogersonnogueira.com/: mais de 8.300 visualizações (com mais de 4.600 visitantes). Vitória que divido, acima de tudo, com os baluartes que mantêm vivo o debate diário no blog.

————————————————————

Direto do blog

“O Brasil quase fica fora da Copa depois que a fogueteira Roberta jogou um rojão no Maracanã. Dependendo do que diz o regulamento, embora eu ache injusto, o clube infelizmente deve pagar o pato pela irresponsabilidade desses marginais que acham que estão fazendo a coisa mais linda do mundo. Queria que essa tragédia pelo menos servisse pra que as autoridades brasileiras faça o que fez as daqui do Pará. Eles podem até existir, mas é só proibir a entrada deles uniformizados e portando qualquer tipo de material (faixas, bandeirões, sinalizadores etc.) o futebol não precisa desses caras. Os clubes não precisam.”

De Edson do Amaral, a respeito da estúpida morte de um torcedor boliviano no jogo San José x Corinthians.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta sexta-feira, 22 de fevereiro)