Messi ganha troféu da Fifa pela 4ª vez

A festa de gala da Fifa não reservou surpresas no momento mais aguardado do evento desta segunda-feira, em Zurique, na Suíça. Lionel Messi foi eleito o melhor jogador do mundo de 2012 pela premiação Bola de Ouro, que é dada pela entidade em parceria com a revista francesa France Football. O argentino superou Andrés Iniesta e Cristiano Ronaldo para ficar com o prêmio pela quarta vez na história, um recorde.
Antes, o camisa 10 do Barcelona, que havia triunfado já nas últimas três edições, estava igualado a Ronaldo (1996,1997 e 2002) e Zinedine Zidane (1998,2000 e 2003). Vale lembrar que a premiação, entre os anos de 2001 a 2009, era dada apenas pela Fifa. A partir de 2010, foi unificada com a do veículo jornalístico.
A eleição da France Football, por sinal, que ocorreu de forma individual de 1956 a 2009 e só considerava jogadores que atuam na Europa, também só premiou, no máximo, três vezes um mesmo jogador. São eles: Johan Cruyff (1971, 1973 e 1974), Michel Platini (1983, 1984 e 1985) e Marco Van Basten (1988, 1989 e 1992).

Imagem

18 comentários em “Messi ganha troféu da Fifa pela 4ª vez

  1. Torço muito para que o Messi seja campeão mundial com a Argentina em 2014, primeiro porque um novo Maracanaço serviria de lição para a CBF-Globo. Segundo, para La pulga desbancar o antipático Maradona, que deixaria de falar que foi melhor que o Pelé.

  2. Ninguém ta comparando com o Pelé, mais também não tem como compara o Pelé com o Messi! Cada um no seu tempo, pra mim que não vi o Pelé jogar, sou mais o Messi, pelo grau de dificuldade que e visto nos tempo de hoje.

    Outra coisa, o Neymar no Barcelona não iria fazer nada! Ele não joga em pé, na Espanha o contato físico e intenso, se ele pensar que os árbitros europeus são iguais aos nossos, o técnico do Barcelona, o irá manda praticar natação, pois o Neymar só vive mergulhando, quem sabe ele conquiste alguma medalha na próxima olimpíada.

  3. O Messi é sim um baita jogador. O Pelé deve ser comparado com aqueles do seu tempo, como o Messi aos seus contemporâneos. Nesse ponto, não vejo como teria sido mais fácil o Pelé ser o Pelé que o Messi ser o Messi. Se hoje é mais difícil porque o futebol é mais corrido, o Messi também treina para ter fôlego e compensar, ele é tão atleta quanto os outros. No tempo de Pelé, isso não era tão necessário e tivesse o rei mais fôlego que já tinha teria marcado mais gols. Como cada qual está para seu tempo, ainda acho que a façanha de Pelé é mais significativa porque qualquer façanha é relativa às possibilidades da sua época. Pelé ganhou tudo o que veio pela frente e manteve números relativamente mais expressivos, na minha opinião. Messi é, também, produto de um investimento científico realizado pelo seu clube. Pelé, não. O Messi, em atividade, ainda não ganhou Copa do Mundo. Pelé ganhou três. E por aí vai… Pelé ainda é incomparável.

  4. O discurso da patriotada e do despeito ainda grassa aqui e alhures no país. Toda vez que se faz referência ao Messi, começam as comparações com o Pelé. O post não expressa nada em torno disso, mas começam os comentários em torno dessa comparação. É sintomático o que se assiste de uma constatação que vem se consolidando desde 2002: o Brasil não é celeiro e perdeu sua hegemonia no futebol. O século XXI, no cenário da globalização nessa década e uns anos apota para a formação de novas hegemonias. Não à toa, a seleção espanhola praticar o melhor futebol do mundo, e o Barcelona, o melhor time do mundo. Méssi é o resultado dessa feliz combinação. Parece que não conseguimos engolir o fato de um argentino ser hoje o melhor jogador desse início de século. Ah, tem também a ilusão do Neymar, jogador de bons recursos, mas doméstico em demasia.

  5. Prezado Cássio, o futebol é um patrimônio brasileiro. Quisera eu que também o fossem a política e a leitura, como estão mais próximos de o serem na Argentina que por aqui. Messi é o melhor do mundo atualmente – indiscutível – e não tenho nenhum problema com isso. Gostaria, inclusive, de ver o Riquelme atuar no Brasil porque entendo que ele é o melhor meia armador da América em atividade. Perceba que inicio meu comentário com “O Messi é sim um baita jogador” e isso quer dizer exatamente o que diz: o Messi é um jogador fora de série. O Neymar, o Cristiano Ronaldo e o Iniesta também são. Não é patriotada, bairrismo ou ufanismo. Note que Alexandre da Macedônia ainda é “O Grande” mesmo após mais de 2000 anos! O título de melhor do mundo – por 4 vezes – ao Messi é merecido, e a honraria significa o melhor entre os melhores. Coloquei o comentário porque temos de valorizar o que temos de histórico e de importante. Enquanto não vir ninguém e ganhar três copas no gramado, ou conquistar quatro, como o Zagallo, que fez o intento como jogador, treinador… Não podemos deixar que o Brasil seja um país sem memória. Platini, Cruyff e van Basten, que foram os grandes jogadores que foram, sem as indevidas comparações temporâneas, são respeitados e ovacionados em seus países, enquanto Pelé, Zico e outros são quase marginalizados por aqui…

  6. Diego,

    Sua argumentação faz sentido mas ao mesmo tempo deve ser relativizada. Messi é sim um fora de série, e é extremamente regular. Não brilhou ainda em Copas do Mundo, ainda não a conquistou, mas pode vir a brilhar em uma edição e conquistá-la, pois é novo e seu reinado ainda durará por um certo tempo.
    A Copa do Mundo é o maior campeonato de futebol do planeta, muitos já brilharam nesta competição mesmo não vencendo-a. Mas muitos outros nelas se destacaram e depois caíram no ostracismo. Não se discute as genialidades e o primor técnico de jogadores e equipes tais como Pelé, Garrincha, Didi, Leônidas “Diamante Negro” da Silva, as onzenas de 70 e 82, Platini, Tigana, Beckembauer, Maradona, Lato, a Laranja Mecânica de 74, Daniel Passarela, Enzo Francescoli, Johan Cruyff, Gary Lineker, Zinedine Zidane, Owen, Roberto Baggio, Stoichkov, a “Dinamáquina” de 86 e mesmo a Espanha de 2010. Veja que são jogadores e times que brilharam em Copas do Mundo, conquistando-as ou não. Mas outros muitos tiveram bons momentos apenas em mundiais e depois sumiram. Alguém lembra do russo que fez 6 gols em Camarões em 94? E Forlán, que apesar de ser um craque, mas que não manteve o mesmo nível do mundial passado? O Brasil foi campeão em 94 e 2002 com jogadores discretíssimos como Paulo Sérgio, Viola e Vampeta (ui!). E isso os coloca acima de Messi? Claro que não..

  7. Hei, André. Pelo teu raciocínio, já que não viste o 40 jogar, então, o Zé Augusto é melhor, “pelo grau de dificuldade”.

  8. Se o Messi tivesse companheiros a altura na seleção Argentina, algo que o Pelé teve na seleção brasileira, com certeza o argentino superaria o Pelé com os dois pés nas costas.
    Se a seleção Argentina tivesse jogadores do quilate de Jairzinho, Gerson (canhota), Rivelino, Tostão e ele GARRINCHA, já era mano, ninguém parava os hermanos.
    Eu não sou bairrista, eu gosto de futebol bem jogado, e não dessas pomadas que hoje temos por aqui…Meus olhos estão cheios de calo!

Deixe uma resposta para Cláudio Santos - Técnico do Columbia - Val de Cans Cancelar resposta