Geografia do futebol europeu muda a partir de junho

x3

Por Cosme Rímoli

O melhor técnico do mundo. Um dos clubes mais ricos do planeta. Jogadores tão talentosos quanto obedientes. Pep Guardiola no Bayern de Munique.

A divulgação por parte do clube alemão caiu como uma bomba. Outra vez os alemães atacaram os ingleses. Havia a certeza entre os britânicos que o espanhol trabalharia por lá. Assumiria o Manchester United, o City ou o Chelsea.

Havia a certeza absoluta. Até por membros da Federação Inglesa de Futebol. E se tornaria candidato natural a dirigir o English Team. Mas Guardiola havia dado evidências que seu destino seria outro.

Depois de acompanhar seu nome ser ligado de maneira fugaz e sem base à Seleção Brasileira, ele tratou de se preparar. Não foi estudar português. E sim alemão. Há dois meses ele estuda o idioma. O que seria completamente natural, já que Guardiola tem um lado intelectual desenvolvido.

Se ele fosse estudar mandarim também não haveria problemas. Mas não tinha da interesse pessoal nas aulas. Mesmo dominando perfeitamente o inglês, assim como a maioria dos jogadores do Bayern, ele quis ir além. Só falando perfeitamente alemão, entenderia a filosofia do novo clube.

Para tentar repetir o extraordinário trabalho do Barcelona, ele quer ter o domínio de todo o futebol do Bayern. Das categorias de base até o profissional. Esse é um dos principais segredos do time catalão. Os garotos seguem a mesma linha de trabalho dos profissionais. Inclusive taticamente. Em cada divisão, um time precisa repetir o outro.

Guardiola irá substituir Jupp Heynckes que se aposentará. Começará oficialmente a trabalhar em junho. Mas o medo na Espanha, no Barça é enorme. Que até lá ele use a sua influência e leve algum dos jogadores fundamentais. Com exceção de Messi, todos são suspeitos.

Guardiola era adorado pelos jogadores do Barcelona. Adorado…

O Bayern já tem um elenco forte, importante. Com estrelas como o francês Ribery e o holandês Robben. Além dos alemães Lahm, Thomas Muller, Schweinsteiger e outros. Um dos clubes mais ricos do mundo, irá se reforçar para a próxima temporada.

Guardiola terá cinco meses para escolher o que desejar. Poderá ser algo tão importante que até a geografia do futebol poderá mudar. As ligas inglesas e espanholas são as mais poderosas da Europa. As mais badaladas.

Guardiola com a estrutura e importância do Bayern poderão abalar esse cenário. Tudo era para ser mantido em segredo. Mas no início da semana, a imprensa italiana conseguiu o furo. A notícia foi descoberta pelo canal Sky. A direção do Bayern primeiro desmentiu. Mas entendeu que só iria cair no descrédito quando ele assumisse. Então resolveu abrir o jogo, assumir.

A notícia surpreendeu os espanhóis. Frustrou os ingleses. Com três anos de contrato, está claro que Guardiola pretende um trabalho profundo. Que deixe sua marca na Baviera. O time de Jupp Heynckes é competitivo, mas voluntarioso. Não tem nada do toque de bola que marcou a passagem do catalão pelo Barça.

Respaldado pelos 14 títulos que conseguiu em 19 possíveis, Guardiola foi contratado para deixar o Bayer do seu jeito. Tento como uma mescla absurda o time brasileiro de 70 com a Seleção Holandesa de 74. Com técnica, preenchimento de espaços, deslocamentos. E, principalmente, toque de bola. Será muito interessante ele mudar a marca registrada do time alemão.

A reação da torcida do time alemão não poderia ser melhor. Está entusiasmada. Assim como a imprensa. Todos por lá passaram a viver a partir de hoje uma contagem regressiva. Estão esperando por junho.

Quando o melhor treinador do mundo irá assumir o riquíssimo Bayern. A Europa vai tremer…