Cabeça assume e promete acesso à Série C

Imagem

O presidente Sérgio Cabeça foi empossado, na noite desta quinta-feira, na sede social do Remo, para mais um mandato. Reeleito na eleição realizada em dezembro, Cabeça assumiu o novo mandato em cerimônia que juntou uma grande quantidade de conselheiros e beneméritos do clube. Ao lado do vice-presidente Zeca Pirão e do ex-presidente e grande benemérito Raphael Levy, Cabeça reafirmou aos presentes a disposição de fazer uma gestão mais austera, cuja prioridade é classificar o Remo para a disputa da Série D e garantir o acesso à Série C. O dirigente prometeu também zerar as dívidas trabalhistas do do clube, hoje girando em torno de R$ 5,5 milhões. (Foto: MARCO SANTOS/Bola) 

Por R$ 40 milhões, Pato é do Corinthians

Imagem

O Corinthians confirmou o acerto por quatro anos com o atacante Alexandre Pato, 23, contratado junto ao Milan. O clube paulista fez o comunicado em sua página oficial nesta quinta-feira. ato é o principal reforço do atual campeão mundial para a temporada 2013. No Milan, ele sofreu com uma sequência de lesões. O Corinthians, que também se reforçou com o meia Renato Augusto (Bayer Leverkusen), diz que adquiriu 100% dos direitos econômicos do atleta e que pagou 15 milhões de euros [equivalente hoje a R$ 40,5 milhões]. “Como o atacante abriu mão de luvas para defender o Timão, ficou com 40% dos direitos. Ou seja: em uma futura venda, o Corinthians terá 60% dos direitos e o atleta os outros 40%”, diz a nota da equipe paulista. Alexandre Pato, que começou a carreira no Inter-RS, usará a camisa 7, que pertenceu a Martinez na temporada passada. (Da Folha de SP) 

225850-970x600-1

Tiago Galhardo se apresenta ao Remo

Tiago Galhardo se apresenta ao Remo

O meia-armador Tiago Galhardo se apresentou, na manhã desta quinta-feira, no estádio Evandro Almeida, e já assinou contrato para defender o Remo na temporada 2013. Deve se incorporar ainda hoje ao elenco que está em Castanhal fazendo a pré-temporada. Aos 23 anos, Galhardo surgiu no Bangu e teve rápida passagem pelo Botafogo, disputando o Campeonato Carioca. (Foto: Ascom/Clube do Remo)

Evolução de Ganso empolga dirigentes do SP

Do Blog do Paulinho

Paulo Henrique Ganso terá, em 2013, o mais decisivo ano de sua carreira como profissional de futebol. Se fracassar, será lembrado como mais uma promessa que ficou pelo caminho, obtendo êxito, poderá, quem sabe, comandar a Seleção Brasileira no Mundial de 2014.

Notícias que provêm dos bastidores do São Paulo são absolutamente otimistas. Os problemas clínicos do atleta parecem ter sido diagnosticados adequadamente, e são grandes as chances de não mais voltarem a acontecer.

Tudo depende ainda de outro trabalho, físico e preventivo, a ser realizado durante o primeiro semestre, para que Ganso, enfim, possa desfilar seu talento sem o receio de “estourar” dentro do gramado.

Não se sabe o que o departamento médico do Tricolor fez que o do Peixe não conseguiu realizar, mas, em obtendo o êxito anunciado, certamente  a contribuição para o futebol brasileiro é inestimável.

E também aos caixas do Tricolor, que poderá revende-lo, após o Mundial, com lucro muito grande, que o Santos não soube ou não teve competência para capitalizar.

Desmoronando

Por Luiz Fernando Veríssimo (O Globo/DIÁRIO)

O prédio de lata estava desmoronando e eu estava dentro dele, desmoronando também. Caía de bruços como um super-herói que esqueceu como voar, com a cara virada para o chão, ou para o saguão do prédio, que se aproximava rapidamente. Se eu me espatifasse no saguão, certamente morreria, pois seria soterrado pela lataria em decomposição que acompanhava meu voo. O fim do sonho seria o meu fim também. Mas a queda era interrompida, a intervalos, como naquelas “lojas de departamento” em que o elevador parava, o ascensorista abria a porta e anunciava: “Lingerie”, “adereços femininos” etc. Levei algum tempo para me dar conta que aquelas paradas não eram só para interromper o terror da queda. Eram oportunidades de fuga. O sonho me oferecia alternativas para a morte, se eu fizesse a escolha certa. Ou então me dava um minuto para pensar em todas as escolhas erradas que tinham me levado àquele momento e à morte certa: os exageros, os caminhos não tomados e as bebidas tomadas, as decisões equivocadas e as indecisões fatais, o excesso de açúcar e de sal, a falta de juízo e de moderação. Não posso afirmar com certeza, mas acho que ouvi o ascensorista fantasma dizer, em vez de “lingerie” e “adereços femininos”: “Desce aqui e salva a tua alma” ou “Pense no que poderia ter sido, pense no que poderia ter sido…” As paradas não eram para diminuir o terror, as paradas eram parte do terror! Eu não tinha tempo nem para a fuga nem para a contrição. E o saguão se aproximava. Decidi me resignar. É uma das maneiras que a morte nos pega, pensei: pela resignação, pela desistência. Meu corpo não me pertencia mais, era parte de uma representação da minha morte, o protagonista de um sonho, absurdo como todos os sonhos. Talvez a morte fosse sempre precedida de um sonho como aquele, uma súmula de entrega e renúncia à vida, mais ou menos dramática conforme a personalidade do morto. Um sonho com anjos e nuvens rosas ou um sonho de destruição, como eu merecia. Eu nunca saberia por que meu sonho terminal fora aquele, eu desmoronando junto com um prédio de lata. Mas nossas explicações morrem com a gente.

No fim do sonho me espatifei no chão do saguão e esperei que o prédio caísse nas minha costas. Em vez disso, ouvi a voz do dr. Alberto Augusto Rosa me perguntando se eu sabia onde estava. “Hospital Moinhos de Vento”, arrisquei. Acertei. Lá juntaram as minhas partes, me espanaram e me mandaram para casa. E eu não disse para ninguém que deveria estar morto.

Este é o artigo que marca o retorno de mestre Veríssimo, depois da doença que o derrubou por algumas semanas. Cabra bom.

Boleiros querem distância de técnicos durões

Por Ricardo Perrone

Leao-pesquisaDois dos resultados da série de pesquisas feitas pelo UOL Esporte confirmam que jogadores de futebol rejeitam treinadores linha dura e times caloteiros. Emerson Leão eleito como pior treinador em atividade no país, e a escolha de clubes que não têm atrasado salários como times dos sonhos refletem esse pensamento. Repelido pelos jogadores, Leão costuma vetar mesa de bilhar na concentração e até televisão no refeitório. Acha que os atletas precisam conversar durante as refeições e não assistir à programas de TV. Ele também tem o hábito de antecipar o horário dos treinamento do dia seguinte quando um jogador chega atrasado. Todas essas práticas causam náuseas na maioria dos boleiros.

Os mesmos que detonaram Leão,escolheram, pela ordem, São Paulo e Corinthians como os melhores empregadores do futebol brasileiro. Os dois têm fama de pagar salários em dia. Terceiro colocado, o Botafogo atrasou pagamentos até a metade do ano. Depois, ao menos publicamente, não aconteceram mais queixas. Já o Vasco, que sofreu com uma debandada de atletas descontentes por causa dos calotes, não aparece na lista dos preferidos.

Papão empossa ídolo Vandick na presidência

Imagem

Em solenidade bastante concorrida, realizada na sede social da avenida Nazaré, o Paissandu viveu um momento história na noite desta quarta-feira: empossou a nova diretoria, tendo à frente o ídolo e presidente eleito, Vandick Lima. Ele recebeu o cargo, reafirmando o compromisso de modernizar a gestão, construir os melhoramentos necessários (com prioridade para o Centro de Treinamento) e sanear as combalidas finanças do clube. Ao lado de seu vice-presidente, Sérgio Serra, e demais diretores, Vandick foi muito cumprimentado pelos presentes. Prestigiaram a posse o presidente da Federação Paraense de Futebol, Antonio Carlos Nunes de Lima, e o secretário estadual de Esporte e Lazer, Marcos Eiró. O presidente reeleito do Remo, Sérgio Cabeça, também compareceu, reeditando a antiga prática de cordialidade entre as diretorias dos grandes rivais. (Fotos: Daniel Pinto/DIÁRIO)