Tribuna do torcedor

Por Alex Bernardes

Assistindo ao Bola na Torre e acompanhando pelo DIÁRIO, vi a repercussão da venda da nova camisa do Remo, que vendeu como água. Ouvi os comentários de que com uma boa estratégia de marketing em relação a isto nossos clubes ganhariam dinheiro, pois bem, não ganhariam! Sabe por que? Porque temos curiosos em todas as áreas administrativas ligadas ao futebol, neste caso específico todos (dirigentes, imprensa, etc) não tem a menor noção do real motivo das camisas terem vendido tanto, acham que foi somente pelo apego da torcida. Faço parte de comunidades camiseteiras, em geral blogs que discutem e pontuam lançamentos dos uniformes de todas as equipes, sejam nacionais, de fora ou seleções, lá temos uma boa medida do que o torcedor gosta ou quer ver em seus mantos sagrados. Tais comunidades são prospectadas e conhecidas pelos responsáveis técnicos de algumas empresas do ramo de material esportivo, como a Penalty e a Topper por exemplo, de olho nas tendências e desejos do torcedor.

Pois bem, a camisa do Remo vendeu como água por duas razões, a primeira foi um retorno a um padrão mais tradicional na cor e no template (design), e a segunda, mais importante, é que ela estava limpa, como dizemos, sem nenhum patrocínio, fato que correu no boca à boca. O que mais irrita os torcedores atualmente em relação à uniforme, é que nossas camisas viraram verdadeiros abadás, que por conta da pindaíba dos clubes praticamente se descaracterizam em uma poluição visual de dar dó, simples assim. Faço uma aposta, quando chegarem as novas remessas, já com todos os patrocinadores, procure saber se o volume de vendas vai diferir muito do que tem se vendido nos últimos anos, quando chegou essa tendência de vender cada espaço do uniforme, aposto que não vai ter muita diferença… Esta venda recorde atípica, é fruto do desejo reprimido dos torcedores, saudosos do tempo em que o seu escudo reinava como a maior marca dos nossos mantos sagrados. 

9 comentários em “Tribuna do torcedor

  1. Vi a matéria no Bola (ao vivo) e notei que seria, de fato, interessante que a camisa ficasse sem as logomarcas dos patrocinadores, pois fica mais bonita. Concordo com o texto, quando se diz que isso e mais o caráter tradicional são mais atrativos aos torcedores. Já vi cada camisa ridícula do PSC. Tomará que não venham com porcaria para o ano do centenário. Aliás, para 2014, deveriam fazer jogos com um modelo da PRIEMEIRA camisa em formato com listras.

    Gerson, consegues acreditar que o Loco Abreu viria para jogar num clube que está sem divisão ?! Bem que eu gostaria que acontecesse, mas só acredito vendo…

  2. Claudio, o problema é que essa de vender camisa sem estampas de patrocinadores é algo FORA da realidade de clubes semi-profissionais, como CR e PSC.

  3. Mudando um pouco de assunto, eu vejo um clube grandioso e moderno como o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense que demoliu o seu tradicional e famoso estádio Olímpico para construir a sua moderna Arena Grêmio. E aqui em Belém nós vemos nossos dirigentes cheios de cabelos brancos e muitos jornalistas dizerem que é uma eresia vender o combalido Baenão para construir uma Arena moderna. Te dizer….

  4. Alex Bernardes foi no alvo certo, realmente as camisas sem as estampas dos patrocínios ficam mais bonitas e bem mais atrativas.

    Mas também bem concordo que sem patrocínio não se vive, ou pelo menos, no caso dos nossos RE e PA, não sobrevivem!

    E daí!? Porque não pensar um pouco e alavancar mais ainda a receita dos clubes, porque não se pensar em algumas opções, dentre as quais:

    Patrocínio somente nas camisas de jogos = R$ X e em todas as camisas 2X ou percentualmente 50% a mais para metade das camisas postas a venda. E ainda poderiam cobrar preço diferenciado pela maior demanda(camisa sem patrocínio) afinal são mais bonitas e cobiçadas mesmo.

    Ai sim entra os ensinamentos de marketing que muitos por aqui no futebol paraense sequer ouviram falar ou engrossam as vistas.

    RRamos

  5. Gostaria que o Vandick e toda equipe de advogados do papão ficassem atentos pra estas empresas que fazem contrato de apenas um ano.

    Por exemplo uma empresa de telefonia celular teve estampada nesse pequeno espaço de tempo sua marca. Pagou, tudo bem, só que as camisas com esta marca até hoje ainda são vendiada nas lojas e os torcedores desfilam suas camisas com a tal propaganda.

    Penso que há empresas que fazem isso já pensando nesta situação, ou seja o contrato acaba, mas a visibilidade continua.

    Tem que criar um aditivo nessses contratos pra coibir o que eu penso que é uma malandragem dessas empresas.

  6. Mas, não foi por acaso que a camisa foi exposta à venda despida da marca dos patrocinadores habituais. Noutras palavras, foi pura e deliberada jogada marqueteira apresentá-la “limpa”. Aliás, com alguma antecedência, aqui mesmo no blog a camisa foi anunciada. A propósito, eu que já comprei a minha, tenho muito amigos e vários conhecidos, que não compraram porque preferem o que chamam de “a autêntica camisa de jogo”, isto é, aquela carregada das logomarcas dos patrocinadores. Vá entender..,

Deixe uma resposta para gleydsonpaixao@yahoo.com.br Cancelar resposta