Sobre os pontos corridos

Por Carlos Eduardo Lira da Silva

Sobre a polêmica do Campeonato Brasileiro ser de pontos corridos ou não, faço as seguintes considerações. O Brasil é um país continental (igual aos EUA), logo, não se trata de um País com as dimensões de Alemanha, Itália, Espanha e Inglaterra, para citar locais com campeonatos (de pontos corridos) importantes a nível mundial. Por ser um país continental, no Brasil, este tipo de campeonato é um grande problema, já que não tem a legitimidade de um Campeonato Brasileiro de verdade, visto que, nem todas as regiões estão representadas, ou seja, o Campeonato é praticamente um Sul – Sudeste (sonho da Globo e CBF).

Outro aspecto a ser destacado é o declínio do futebol brasileiro, se analisarmos friamente, a consumação do campeonato de pontos corridos coincide com a decadência do futebol nacional (tanto em termos de times como produção de talentos). O Brasil e lógico os times brasileiros tornaram-se times de resultados, por consequência, estes times abrirão mão de produzir novos talentos, como o time endiabrado do Santos de Robinho e Diego que surpreendeu o Brasil. Em síntese, arrisco-me a dizer que, talvez nos dias de hoje, o Brasil tenha os times de futebol mais maquiavélicos do futebol mundial, já que não interessam os meios, pois importantes são os fins.

É em virtude disso que defendo um Campeonato brasileiro dividido em 4 Conferências (as conferências seriam Norte-Centro-Oeste, Nordeste, Sul e Sudeste).

As regras, para mim, seriam estas:

1) conferências jogariam em turno e returno (pontos corridos) sendo os classificados para as fases de Mata-Mata:

1.1) Campeão e Vice da Conferência Norte – Centro-Oeste;

1.2) Do 1º ao 6º colocado da Conferência Sudeste;

1.3) Do 1º ao 4º colocado da Conferência Sul;

1.4) Do 1º ao 4º colocado da Conferência Nordeste;

2) Os mata-mata seriam definidos em melhor de 3 jogos, com vantagem dos primeiros colocados jogar dois jogos em casa.

3) Cada mata-mata definiria a vantagem de jogar os dois jogos em casa, ou seja, o time que tiver o melhor retrospecto no mata-mata vigente ganha o direito de jogar os dois jogos em casa.

4) A cláusula 3 vale para as definições dos mata-mata até a decisão do campeonato;

5) Cruzamento de conferências seria definido através de sorteio 

Penso que esta seria a fórmula mais justa de um Campeonato Brasileiro, mais justa que um campeonato de pontos corridos, já que desenvolveria o futebol em todo o país. Como disse (e por isso sou tão contra os pontos corridos) o Brasil não tem o tamanho da Espanha, da Alemanha e da Inglaterra. O Brasil é do tamanho dos EUA. Talvez tenhamos que aprender com os americanos, afinal são eles que têm finais com recorde de audiência e sucesso financeiro, vide as finais do SuperBowl (?), do basquete e beisebol, que dão mais audiência que uma final de Copa do Mundo.

Campeonato chato até o fim

Por Gerson Nogueira

bol_seg_031212_15.psNa última rodada do Brasileiro, um indisfarçado cenário de anticlímax. Afinal, como é praxe em campeonatos de pontos corridos, o título estava entregue há cinco rodadas. Faz tanto tempo que a gente quase esquece quem levou o caneco. De emoção (?) restou a palpitante disputa pelo vice-campeonato, entre Atlético-MG e Grêmio.

São encerramentos melancólicos como o de ontem que conspiram contra o lado cartesiano da atual forma de disputa. Os defensores do modelo costumam argumentar com o exemplo europeu. Há, ainda, a relativa questão da regularidade e do prêmio ao mérito.

É verdade que o campeonato é mais justo e certinho, mas tenho dúvidas se realmente elege os melhores. Acompanhei nos últimos anos jornadas horrorosas de times que se sagraram campeões. O São Paulo de Muricy ganhou pelo menos dois títulos no piloto automático, ganhando por meio a zero e sem maior brilho.

O Corinthians, no ano passado, abusou do recurso da retranca e do contra-ataque. Como tinha elenco mais numeroso, levou o caneco. O Fluminense deste ano tem craques indiscutíveis, mas pratica um futebol econômico e prático, à imagem e semelhança do ex-beque Abel. Chutões, faltas seletivas e raríssimas goleadas (duas, no total).

Este é o campeonato idealizado por muitos e que aceitamos como o melhor. Talvez para o futebol europeu seja de fato a melhor fórmula. Para o Brasil pode ser o caminho para a mesmice e a decadência. Com reflexos no jeito como a Seleção Brasileira joga.

Fico espantado quando vejo críticas virulentas à forma mecânica e à europeia que a Seleção apresenta há algum tempo. Poucos atentam para o fato de que o time nacional é representação cristalina do futebol praticado pelos grandes clubes.

Todos, praticamente sem exceção, adotam esquemas medrosos, povoados de volantes e apostando tudo em contragolpes e bolas aéreas. Qualquer semelhança com o jogo bruto praticado na Inglaterra e outros países não é mera coincidência.

A verdade é que copiamos tudo dos europeus, desde os pontos corridos até o gosto pelo futebol de resultados. Bons alunos, exageramos na dose e criamos um monstrengo que assombra até a Seleção.

A título de comparação, assisti à tarde um movimentado clássico entre Bayern e Borussia Dortmund, pelo certame alemão. Terminou empatado, mas foi um jogo aberto e veloz. E com um punhado de bons jogadores empenhados em fazer o melhor. Bem diferente do que se vê por aqui, onde um goleiro (Cavalieri) periga ser escolhido o craque do campeonato.

Claro que a fórmula que defendo – com cruzamento final entre vencedores de turnos e times que mais pontuaram – não é a solução para todos os males. Mas, seguramente, faria o torneio ficar menos chato e previsível.

———————————————————–

Tempo de recomeço

O Remo começa a temporada oficialmente hoje, com a apresentação do técnico Flávio Araújo e sua comissão técnica. Talvez ainda não haja jogador em número suficiente para armar um coletivo, mas é fundamental que o trabalho se inicie.

Faltam 40 dias para o Campeonato Paraense, competição mais importante da agenda remista em 2013. O desempenho no estadual determinará o futuro do clube no resto do ano. Araújo sabe disso e foi ver o Santa Cruz golear o Castanhal, sábado, ciente de que terá no time salinense um dos principais obstáculos à conquista da vaga à Série D.

Os jogadores listados, indicados pelo novo técnico, se enquadram na política salarial do clube. A expectativa a partir de agora é para ver se rendem o suficiente para transformar o Remo em candidato real ao título paraense. Quanto a isso, o torcedor terá que conter a ansiedade por algumas semanas.

———————————————————–

Sem sinal de mudança

Sérgio Cabeça e Roberto Macedo disputam o pleito presidencial no Remo. São representantes vindos do mesmo núcleo que domina o clube há um século. Integram aquele grupo que se convencionou chamar de elite azulina, cujos integrantes são definidos como cardeais. Nenhum ostenta a bandeira da mudança.

Ambos simbolizam algo que a imensa torcida azulina começa a rejeitar de maneira radical. É comum ouvir nas ruas e arquibancadas afirmações agressivas em relação à casta que controla a vida política remista. Ao invés de serem lembrados como figuras de relevância, conselheiros e beneméritos passaram a ser definidos como “múmias”.

O conceito é até injusto em relação a muitos baluartes do clube, mas o torcedor exprime uma revolta pelo tempo de permanência desse agrupamento no clube, com resultados – pelo menos nos últimos 20 anos – de baixíssima significância.

Pena que, para efetivas mudanças, o clube precise esperar pelo menos mais dois anos, quando finalmente deve seguir o exemplo do rival Paissandu e adotar o voto direto dos sócios como prática.

———————————————————–

A Série B é de paulistas e catarinenses

Uma curiosidade: dois Estados contribuem com metade dos disputantes da Série B 2013. Nada menos que seis times paulistas (Palmeiras, São Caetano, Guaratinguetá, Bragantino e Oeste de Itápolis) e quatro catarinenses: Figueirense, Avaí, Joinville e Chapecoense. Todos na rota do Paissandu.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 3)