A vida pode ser bela, para alguns

Ex- arauto da nova direita no Brasil, o ex-senador Demóstenes Torres, cassado em julho deste ano por envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, está em férias forçadas do MP-GO (Ministério Público de Goiás) há dois meses. Foi afastado do cargo de procurador da Justiça em outubro, mas continua recebendo o salário de R$ 25.753 e não deve voltar ao trabalho antes de fevereiro de 2013. Esse valor é suficiente para comprar um carro popular por mês. Ainda que volte a trabalhar em fevereiro, Demóstenes ficará quatro meses sem trabalhar, mas com o salário pingando na conta todo fim de mês. No final, serão embolsados R$ 103 mil.

Tigre divulga fotos de agressões no Morumbi

Depois da polêmica na partida de volta da final da Copa Sul-Americana, o Tigre divulgou fotos em sua página oficial no Facebook de agressões sofridas pelos jogadores. O clube argentino alegou ter apanhado dose seguranças do time paulista e que até armas foram sacadas em seu vestiário. Os jogadores do Tigre garantem que a confusão no vestiário do Morumbi, que fez o clube desistir de jogar o segundo tempo da final da Copa Sul-Americana, quando a partida estava 2 a 0 para os mandantes, foi premeditada pelos brasileiros. No desembarque da delegação em Buenos Aires, nesta quinta-feira, os atletas argentinos mostram-se revoltados com a atitude dos seguranças do São Paulo.

622_d3de50dc-e4c7-32e2-a1fb-e5a96ed7e772
“Isso tudo foi armado. Eu não tenho nenhuma dúvida de que foi orquestrado, programado desde que chegamos ao Brasil. Não fizemos reconhecimento de campo, a polícia que tinha que nos escoltar chegou tarde ao hotel, depois nos deixou na porta do estádio no calor da torcida. Foi consequência de um plano anterior”, disse Martín Galmarini, mostrando um corte no braço direito, supostamente causados pelos seguranças do São Paulo.
O goleiro Javi Garcia também defende que o São Paulo já planejava a confusão, apesar de ter terminado o primeiro tempo vencendo por 2 a 0 e dando olé. “Foi algo premeditado. Nos deparamos com dez, 15 tipos grandalhões deles quando entramos no vestiário. Sem falar, se colocaram em guarda e começaram a nos pegar. Nós nos defendemos como podíamos, foi uma loucura”, contou ele ao site do diário esportivo argentino Olé.
Os jogadores do Tigre também tentaram explicar por que optaram por não voltar para a etapa final. “Se te apontam armas e se te agridem com paus, é impossível sair jogando o segundo tempo”, declarou Garcia.
Galmari acredita que só o Tigre será punido pela confusão, uma vez que foi derrotado por WO. “Deus queira que alguém tome as cartas nesse assunto. Mas estou que não, que o Tigre será punido.”
A esperança dos argentinos é que as imagens da confusão venham à tona e comprovem o que estão dizendo. “Eles vão pensar que estamos mentindo. Tem vídeos. Não estamos mentindo nada”, falou Garcia. (Da ESPN)

CBF mantém Série D com 40 clubes

A CBF resolveu dar um passo para trás e manteve o sistema de disputa da Série D para 2013. Ao invés de 32 clubes, como havia anunciado, serão novamente 40 clubes participantes. A primeira fase será regionalizada, com os clubes divididos em oito grupos de cinco. A decisão da entidade não altera a situação para os clubes paraenses, pois o Estado continua a ter uma vaga (a ser definida no Parazão).

A voz autorizada

Por Janio de Freitas 

Do muito já escrito e dito sobre as acusações feitas por Marcos Valério, não desmereço nem a habitual e sempre desmedida exploração política na imprensa e na TV, mas a importância está no que disse Antonio Fernando de Souza, ex-procurador-geral da República. Foi divulgado no site G1 e reproduzido a meio de um texto discreto no “Globo”, encabeçado pela recusa do atual procurador-geral Roberto Gurgel a comentar as acusações.

Eis um trecho representativo: “A informação que eu tive é que esse depoimento é baseado no ‘eu acho’, ‘eu vi’, ‘me disseram’. Não sei o que o Ministério Público Federal tem a fazer, mas pelo que vi não tem nem o que fazer, porque não tem documentos, não tem data. Só tem a fala, sem indicação de como confirmar isso, pelo que sondei”.

Quem diz isso é o autor, quando procurador-geral, da denúncia formulada ao Supremo para realizar-se o chamado julgamento do mensalão, e na qual o ministro Joaquim Barbosa baseou o teor do seu relatório.

É, ainda, alguém que “sondou”, obviamente na própria Procuradoria-Geral detentora das acusações de Valério, e “teve informação” a respeito. Seu conhecimento do material não vem, portanto, como o divulgado e utilizado pelos meios de comunicação e políticos, de frases e trechos extraídos por quem os quis em circulação. Os ministros Joaquim Barbosa e Marco Aurélio Mello, como previsível, recomendam a investigação das acusações. De fato, não haveria motivo para deixar de fazê-la.

Se bem que, pelo evidenciado ao ex-procurador-geral, investigar ainda seja apenas espremer as palavras de Valério em busca ao menos de indícios, que o Supremo sabe como transformar em consequências penais. É a verificação que Roberto Gurgel, se não fez, não deixará de fazer. Mas o que já está divulgado fortalece a informação de Antonio Fernando de Souza: com a diversidade de fatos secretos e de personagens a que se refere, Marcos Valério saberia demais para que tudo seja verdade.

Conversas entre Lula e Palocci, pormenores da morte de Celso Daniel, transações financeiras na China, encontros com Lula e Dirceu, encontros de um com o outro, autoria de medida provisória, projetos da Portugal Telecom –é muito, e não é tudo. E só bombas – sem as necessárias espoletas. Tratando-se de um aventureiro, está muito bem. Faz o jogo dele quem quiser. Os outros esperam pelo acréscimo de algo mais verossímil. Ou pela percepção dos motivos de Marcos Valério para mais uma rodada do seu jogo.

SEM EXPLICAÇÃO

O Supremo, em sua sessão de segunda-feira, discutiu matéria constitucional. O já empossado ministro Teori Zavascki, que só não votaria a matéria penal do mensalão, nem estava presente.

Cabra bom.

Loucuras de um cartola desesperado

O desespero nunca é boa companhia, principalmente no futebol. Aflito para montar um time para a Série B 2013, o presidente do Palmeiras, Arnaldo Tirone, meteu os pés pelas mãos e resolveu fazer ofertas milionárias por alguns jogadores. Fernando Prass, que ganhava R$ 140 mil mensais no Vasco, foi contratado por R$ 300 mil mensais, com contrato de 3 anos. Hernán Barcos, artilheiro do próprio clube, faturava R$ 200 mil mensais, ameaçou sair ao fim do contrato e ganhou proposta de R$ 500 mil por mês. Diante de oferta tão generosa, já declarou amor eterno ao Verdão e vai encarar a Segundona.

Leandro Cearense pode dar traço no Remo

Enquanto Edilsinho e Carlinhos Rech já treinam no Baenão, a contratação de Leandro Cearense entrou em compasso de espera. Como ocorreu com Flamel, o Remo corre o risco de ver a negociação atropelada por uma oferta maior do Santa Cruz ao jogador. Os entendimentos se encaminhavam para um acerto, a partir da compra de 70% dos direitos federativos do jogador. Ocorre que, ontem, Almir Conceição, empresário do atleta, informou que ainda não foi fechado acordo com o Remo e que vai levar a proposta ao conhecimento do presidente de honra do Santa Cruz, senador Mário Couto, para que ele avalie. Como o clube de Salinópolis não tem problemas financeiros, Leandro certamente receberá um aumento salarial para permanecer no clube. Além de Flamel, a diretoria do Remo já levou dribles de Soares e Jailson, no ano passado.

Ofensiva contra Lula não tem mais limites

Por Ricardo Kotscho

Julgamento do mensalão, Operação Porto Seguro e agora o vazamento na imprensa de novo depoimento feito à Procuradoria-Geral da República por Marcos Valério, réu condenado a 40 anos de prisão: a ofensiva contra o ex-presidente Lula não tem mais limites, é uma guerra sem quartel, sem data para acabar. Em texto publicado aqui mesmo no Balaio no último dia 2 de novembro, eu já previa: “O alvo agora é Lula na guerra sem fim”.

lula-e-dilmaNão bastava condenar os dirigentes do PT acusados no processo do mensalão. O objetivo maior era demolir a imagem do principal líder do partido que completa dez anos no governo central agora em janeiro. Os antigos donos do poder simplesmente não se conformam de ter perdido o controle do país depois de 500 anos de dominío. Como não conseguiram recuperá-lo em sucessivas eleições, buscam agora outros meios para impedir a reeleição da presidente Dilma Rousseff, atingindo o seu principal eleitor, o ex-presidente Lula.

Para atingir este objetivo, tentam desde o início do governo Dilma jogar um contra o outro, buscando desqualificar o PT e as forças sociais que o levaram à vitória em 2002. Até hoje não funcionou. Ainda ontem, durante visita oficial à França, a presidente Dilma foi a primeira autoridade brasileira a sair em defesa de Lula: “É sabida a minha admiração,  meu respeito e a minha amizade pelo presidente Lula. Portanto, eu repudio todas as tentativas – e esta não será a primeira vez – de tentar destituí-lo da imensa carga de respeito que o povo brasileiro lhe tem”.

A iniciativa do debate político no país para a discussão dos grandes temas nacionais deixou de ser do Executivo e do Legislativo e hoje é determinado por uma ação coordenada entre a mídia e as instituições jurídico-policiais, que estabelecem a pauta do noticiário.

Na mesma terça-feira em que uma reportagem do “Estadão” vazou as declarações feitas por Marcos Valério em depoimento à Procuradoria-Geral da República, em setembro, envolvendo Lula no mensalão, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, ao ser indagado sobre a necessidade da abertura de novas investigações, não pensou duas vezes: “Creio que sim”.

Foi o que bastou para que a concorrente “Folha” saísse com a manchete garrafal: “Presidente do Supremo quer Lula investigado no mensalão”. Faltando ainda dois anos para as eleições presidenciais de 2014, só posso atribuir esta ofensiva contra Lula agora ao desespero de setores alijados do poder pelo PT que não conseguem encontrar um candidato viável e confiável. Na falta de um candidato, procuram destruir o outro lado.

Cada vez que sai uma nova pesquisa de opinião mostrando a força de Dilma e Lula no eleitorado e a fragilidade dos candidatos da oposição, parece aumentar o furor dos que não se conformam com as conquistas sociais e econômicas dos últimos anos que garantem a alta popularidade dos líderes petistas, apesar do bombardeio sofrido nos últimos meses.

Desta forma, antes mesmo do julgamento do mensalão terminar, vai começar tudo de novo, quem sabe esticando o caso até as próximas eleições presidenciais, enquanto repousam no Supremo Tribunal Federal toneladas de processos antigos envolvendo outros políticos de outros partidos.

A estreia de Dunga como técnico de clube

Por Juca Kfouri

Ao contrário do que ele mesmo fez muita gente acreditar, Dunga teve desempenho muito bom à frente da Seleção Brasileira, pelo menos do ponto de vista dos resultados – o que, para ele, é mesmo o que vale.

E comandou algumas exibições memoráveis da Seleção, principalmente em embates contra a Argentina, mas não só.

DUNGAAté mesmo no fatídico jogo em que a Holanda eliminou o Brasil, o primeiro tempo mostrou uma exibição magnífica do time nacional, que mereceu botar três gols de vantagem e não apenas um como aconteceu, também porque prejudicado pela arbitragem.

Mas veio o terrível segundo tempo quando o grupo fechado em si mesmo e extremamente místico, se apavorou com o gol de empate e pôs tudo a perder.

Daí, evidenciaram-se alguns dos defeitos mais graves da gestão de Dunga, como a falta de opção no banco por tê-lo repleto de jogadores que lá estavam apenas porque comeram o osso do começo do trabalho.

Nada que, no entanto, permita classificar como ruim o trabalho do técnico, que pecou mais fora do campo — com algumas atitudes desnecessariamente autoritárias e, por causa, antipáticas.

Com Dunga a Seleção foi campeã da Copa América de 2007 e da Copa das Confederações de 2009, além de ter acabado em primeiro lugar nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, com nove vitórias, sete empates e duas derrotas, uma delas em La Paz, que não conta.

Faz bem o Inter em contratá-lo.

Provavelmente dará certo.

E que Dunga seja tão vitorioso como técnico de clubes como foi em toda a sua carreira.