Sérgio Cabeça é reeleito no Remo

O presidente Sérgio Cabeça foi reeleito para mais um mandato no Remo. Venceu a eleição desta noite por 83 votos contra 24 do candidato de oposição, Roberto Macedo. O pleito foi tranquilo, registrando boa presença de conselheiros e beneméritos na sede do clube. Do lado de fora, torcedores protestavam com faixas, exigindo eleições diretas para presidente.

Opinião de quem conhece

“O Grêmio ficou em terceiro lugar. Discordo da bajulação a Luxemburgo por seus simpatizantes e amigos. O Grêmio contratou excelentes jogadores e, mesmo assim, foi eliminado na Copa do Brasil pelo rebaixado Palmeiras, na Copa Sul-Americana, pelo pobre time do Millonarios, e ainda não conseguiu, com dois jogadores a mais, vencer o Inter, o que seria importante para a Libertadores.” 

De Tostão, sobre o trabalho de Vanderlei Luxemburgo no Grêmio.

Para ingleses, Neymar é 28º melhor do mundo

NEYNa contramão da empolgação nacional com Neymar, a revista inglesa “FourFourTwo” deste mês inclui o brasileiro em 28º lugar na lista dos melhores jogadores do mundo. Para os ingleses – e europeus, de maneira geral -, o atacante santista não passa de uma promessa e persistem muitas dúvidas quanto ao seu potencial. A opinião não é tão absurda se levarmos em conta as presenças discretíssimas de Neymar em confrontos internacionais pela Seleção e defendendo o Santos na final do Mundial Interclubes contra o Barcelona.

Como a mídia paulista costuma exagerar, a revista Placar premiou Neymar na semana passada como Hors-Concours do Campeonato Brasileiro. Algo assim como se fosse Pelé ou Maradona, nos bons tempos. Concordo com Juca Kfouri, para quem Neymar não é o melhor do planeta, mas está entre os cinco melhores.

Um leão na encruzilhada

Por Gerson Nogueira

bol_qui_061212_11.psHá, inclusive, o receio de que ocorram tumultos, como se viu na eleição do Paissandu, que resvalou até para agressões físicas. O perigo existe, principalmente porque circulam convites para que as facções organizadas (e extintas pela Justiça) estejam presentes à eleição.

Grupos vinculados a uma das chapas têm se dedicado à panfletagem com o objetivo de influenciar o colégio eleitoral. Cabe lembrar que, na última eleição, a Polícia Militar teve muito trabalho para conter torcedores uniformizados que tentaram invadir a sede para provocar tumultos.

Do lado da oposição, que congrega em torno da candidatura Roberto Macedo seguidores do ex-presidente Amaro Klautau, há também queixas direcionadas à atual diretoria. O candidato demonstra insatisfação com a ausência de informações sobre a real situação financeira do clube.

Cabeça e seu grupo alegam que todos os relatórios e balancetes internos estão disponíveis e podem ser acessados pelos conselheiros. O presidente, através de auxiliares, reclama que seus opositores centram as críticas no fracasso futebolístico de sua gestão. Entende que seu trabalho deve ser avaliado além das quatro linhas.

Destaca a impressionante recuperação financeira do Remo, empreendida pela equipe jurídica, comandada por Ronaldo Passarinho. Graças ao esforço do grande benemérito, a dívida trabalhista superior a R$ 12 milhões caiu para cerca de R$ 5 milhões. Este é, seguramente, o principal trunfo da campanha de reeleição de Cabeça.

Nos debates realizados no programa Bola na Torre (RBATV) e na Rádio Clube, o candidato Roberto Macedo deixou claro seu desagrado com os custos da contratação do técnico Flávio Araújo e de reforços para montagem do time que vai disputar o Campeonato Paraense. Deixou claro que, se eleito, irá rever os contratos firmados pela diretoria, o que poderia comprometer drasticamente a preparação do Remo para o Parazão.

Pelo acompanhamento dos debates, que evidenciaram rusgas entre os candidatos, fica claro que as principais metas de Cabeça são o saneamento das dívidas e a volta à Série D, com promessa de acesso à Série C 2014. Macedo, que baseia sua plataforma em exemplos do passado, é contra tudo o que a diretoria faz e se compromete a dar total apoio às divisões de base.

———————————————————–

Feridas do passado

A campanha eleitoral fez com que o Remo, ao contrário do Paissandu, se debruçasse sobre o passado. Através das críticas de Macedo ao presidente, muitos problemas antigos voltaram à mesa de discussão. No revide, Cabeça revolveu páginas quase esquecidas da história azulina, como o caso Rui Curuçá em 1982, cuja situação irregular acabou custando ao Remo um título estadual. A perda de Oberdan para o maior rival, em 1987, por iniciativa de Macedo, foi outro assunto relembrado nos debates.

Bem mais importante que o bate-boca entre candidatos foi o compromisso assumido por ambos quanto à aprovação do sistema de eleição direta a partir de 2014. A torcida, mantida longe do processo, está atenta e vai cobrar.

———————————————————–

Vandick põe a mão na massa

Os desafios que esperam por Vandick Lima na presidência do Paissandu começam a adquirir forma e envergadura. Os mais de dois meses de salários em atraso com jogadores e comissão técnica constituem o primeiro incêndio a ser debelado pelo novo gestor. Ontem pela manhã, o presidente eleito assumiu em definitivo os destinos do clube, após rápida reunião com o atual gestor.

Por respeito à instituição, Vandick assumiu as responsabilidades administrativas e já começou a conversar com os atletas para resolver as pendências. A herança mais explosiva alcança a soma total de R$ 1,8 milhão (entre salários e gratificação pelo acesso à Série B).

É a garantia de que, pelo menos neste ano, o Paissandu não viverá aqueles dias dramáticos (e constrangedores) de cobranças de salários às vésperas do Natal, como aconteceu ao longo dos últimos quatro anos.

———————————————————–

Fabuloso e burro

O São Paulo saiu com um empate (0 a 0) de La Bombonera e manteve boas chances de conquistar a Copa Sul-Americana. Como todos sabiam, o Tigre apelou para a catimba e a provocação como formas de desestabilizar o favorito na disputa. Luís Fabiano, um dos mais experientes jogadores em campo, sucumbiu à tática malandra dos argentinos e foi expulso de campo logo no começo da partida.

Além de prejudicar seu time no jogo, Luís Fabiano ficou afastado da final em São Paulo. Ao mesmo tempo, consolidou de vez seu nome na galeria dos mais burros jogadores do nosso futebol.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quinta-feira, 06)

A sentença eterna

“Nestes momentos de pausa e reflexão é que me permito dizer que a vida é mais importante do que a arquitetura. Que, um dia, o mundo será mais justo e a vida a levará a uma etapa superior, não mais limitada aos governos e às classes dominantes, atendendo a todos, sem discriminação”.

De Oscar Niemeyer.

O inferno astral de Luís Fabiano

622_c3e6e310-4e5d-3784-b0b1-79339aa5684d

Luís Fabiano voltou a sucumbir ao gênio explosivo. Provocado pelos argentinos, partiu para a agressão e foi expulso aos 15 minutos do jogo contra o Tigre em La Bombonera e está fora da partida final da Copa Sul-Americana. Adorado pelos torcedores do São Paulo, é também fonte de grandes preocupações em momentos decisivos. Depois dessa nova atitude intempestiva, voltará a ser questionado pela longa folha de problemas ao clube do Morumbi. Depois de seis anos e 169 partidas pelo São Paulo, Luís Fabiano só tem a ostentar um título: o do torneio Rio-São Paulo de 2011. Em 2002, quando o São Paulo cumpria a melhor campanha do Campeonato Brasileiro, acabou atropelado pelo Santos e Fabuloso foi muito questionado pela torcida. Depois do que ocorreu em Buenos Aires, a imagem do veterano goleador volta a ser colocada em xeque.