A vitória sem glória

Por Gerson Nogueira

Foi, seguramente, uma das vitórias mais tristes da história do Mangueirão. Ao derrotar o Mixto por 2 a 1, ontem, o Remo foi eliminado da Série D, caindo fora prematuramente da competição nacional e reabrindo mais um período de incertezas em sua história.

O jogo começou da melhor maneira possível para o Remo, com um gol logo aos 2 minutos. A torcida, que compareceu em peso ao Mangueirão, deve ter pensado que veria uma apoteose. Aos poucos, porém, foi descobrindo que a parada seria duríssima.

Apesar da vantagem no placar, o Remo se mantinha atrás, tocando bolas improdutivamente. Apático e dispersivo, como se estivesse deixando o tempo passar. Na verdade, desperdiçava a chance de sufocar o adversário. O Mixto, que ficou assustado com o gol, teve condições de se recompor e até pressionar nos minutos finais do primeiro tempo.

Com exceção do lance do gol, o Remo só chegou com perigo em duas ocasiões. Num chute forte de Ratinho, da entrada da área, e em jogada entre Tiago Cametá e Fábio Oliveira, que o atacante arrematou errado. O Mixto ameaçava em cobrança de faltas, que Ávalos e Dida cometiam sempre que precisavam desarmar um adversário.

Na verdade, foram 45 minutos desperdiçados por um time que precisava descontar uma diferença de dois gols. Afunilando o jogo pelo meio, o Remo não conseguia furar o bloqueio defensivo do Mixto e se conformava em tocar bolas, sem aprofundar os ataques.

Depois do intervalo, Marcelo Veiga manteve a mesma formação, apesar das pálidas atuações de Laionel, Dida e Ávalos. O tempo ia passando, o torcedor se desesperando e o técnico nada de mexer no time. Uma ou outra jogada de Tiago Cametá e Cassiano levavam perigo, mas o Mixto se retrancava e segurava o placar que lhe era interessante.

Até que Fábio Oliveira saiu da área e cruzou da linha de fundo para o cabeceio de Ratinho. A zaga do Mixto ficou olhando o lance, mostrando a fragilidade que o Remo não soube explorar. Com 2 a 0 no placar, a um passo da classificação, o entusiasmo voltou às arquibancadas. O problema é que, logo em seguida, o time perderia duas peças importantes. O próprio Ratinho, substituído por Reis, e André, lesionado, que cedeu lugar a Jhonnatan. As mudanças forçadas, como se veria logo a seguir, seriam determinantes para o resultado final.

Sem André na cobertura, a zaga passou a jogar praticamente de frente para os atacantes do Mixto. No primeiro contra-ataque mais forte, aos 35 minutos, Ávalos se apavorou e cabeceou para trás, permitindo que Nonato fosse à linha de fundo e cruzasse para a entrada de Igor, que fuzilou para as redes. O gol calou a torcida e desnorteou por completo o time remista.

Reis, que normalmente parte para lances individuais, parecia travado. Pegava na bola e tocava para os lados. Não arriscou uma arrancada em direção ao gol, justamente o que mais o Remo precisava naquele momento. Sem Ratinho, o meio-de-campo passou a depender do inoperante Laionel, que errava quase todos os passes.

O sufoco final, com cruzamentos para a área, resultou absolutamente inócuo. Com o nervosismo dos atacantes, a bola rebatia na zaga ou ia para fora. Não havia mais tempo e o Remo, devido à própria incompetência, dava adeus à Série D.

————————————————————–

O festival de arremesso de objetos continua no Mangueirão. Já havia ocorrido no jogo de sábado, entre Paissandu x Guarani de Sobral. Prosseguiu ontem, em maior escala, após a partida entre Remo e Mixto. Revoltada, pequena parte da torcida atirou garrafas, radinhos e tênis para dentro do campo, tentando acertar os jogadores visitantes.

Depois, voltou sua ira para os próprios atletas azulinos, que precisaram sair protegidos pelos escudos do Batalhão de Choque. Cena constrangedora e selvagem, que fechou, da pior maneira possível, uma tarde que tinha tudo para ser de festa e alegria.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 10)

27 comentários em “A vitória sem glória

  1. Mediocridade do Remo chega às raias do absurdo: o time é tão fraco que consegue perder para times PIORES DO QUE ELE! Foi assim em toda a primeira fase, enfrentando equipes que não merecem nem ser chamadas amadoras – eram times de pelada mesmo (e ainda teve o desplante de sofrer duas goleadas).

    Contra o Mixto, novamente se repetiu o show de horrores. Conseguiu ser eliminado por um adversário claramente mais fraco, limitadíssimo, um amontoado, capitaneado por um centroavante que deve estar uns vinte quilos acima do peso – e numa decisão em duas partidas.

    Nesse nível de ruindade que inauguramos, onde um time superior não consegue se impor a outros, visivelmente inferiores, cruzamos um limite perigoso, de onde parece não haver mais volta.

  2. Como eu já havia afirmado, só um milagre poderia nos levar a série C. Laionel e Ávalos são exemplos de como o Clube do Remo estava na mão de um técnico que não conhecia seu elenco. O time sempre foi reflexo de uma diretoria que contratou cerca de 60 jogadores na campanha. O lado bom, se vir, será a realização de eleições diretas e incentivo a novos sócios. Pouco provável diante da prepotencia e inércia das múmias que fazem o Fenomeno Azul sofrer por tanto tempo.

  3. concordo com o luiz silva em parte, mas discordo com o “ser superior”, pois nós sabemos, o que faz os times superiores hoje em dia é a torcida, nem camisa mais eles respeitam , enquanto tivermos jogadores importados que são piores que os que jogam peladas de veteranos aqui, nossos times sempre vão ser inferiores…é hora de acordarmos pra realidade e deixar de acreditar em jogadores de time de botão e treinadores que não treinam nada.

  4. Temos que cair na real e valorizar a prata de casa dando condições a treinadores locais que tem potencial. Os importados vivem do comercio de negociações com atletas sem vez no mercado competitivo e acabam conveniaos com treinadores sem expressão que são por demais valorizados por nossos dirigentes que nada entendem do ofício. Ontem ficou mais uma vez provado que tem que haver mudanças e no mais o futebol paraense está nivelado com os que tem competido, muitos é que não querem aceitar essa realidade.

  5. Aqui pra nós so o fato de o remo esta disputando a serie d com uma vaga comprada ja estava de bom tamanho agora é pensar nos amistosos do interior e liberar esses jogadores para disputar a seletiva por clubes como izabelense, ananideua,pinheirense e etc…

  6. Sinceramente, não existe exemplo de gestão do futebol na Série D, todos os times são semi-amadores e com uma folha salarial incrivelmente mais baixa do que a do Remo. Aqui, no caso, não se aplica os moldes de gestão mais avançadas no futebol, o problema mesmo é o básico: dirigentes que não entendem de futebol. Se a grana existe, se a torcida existe, então o problema é quem contrata e o que contrata. Eu sei que nunca em uma história vitoriosa você pode me ter 4 técnicos e 60 jogadores em uma temporada curta. É duro de tão óbvio, só não fazer besteira que isso já poderia se resolver de forma mais simples. O caminho para 2013 passa exatamente por manter uma base no time, desde que não seja somente de garotos da base, que são muito novos pra carregar um time com a situação do Remo nas costas, os garotos precisam de tranquilidade e paciência para crescer dentro do futebol. A gente já vê o Paragominas e o Santa Cruz montando elenco para 2013 e daqui a alguns dias vamos ver uma desmontagem de elenco do Remo para só pensar em contratação lá pra janeiro. É triste meus amigos, porque não estamos aqui falando de geniosas estratégias de administração, é tão somente o básico. E esse básico que tem faltado aos dirigentes dos dois maiores do futebol local, sem isso não tem como sair dessa lama em que os times se encontram. É preciso agir com cautela, mas com firmeza para se criar um conjunto e parar de apagar incêndios. O Marcelo Veiga errou ontem, mas se deve pensar em ao menos médio prazo. O que ele fez com o Bragantino pode sim ser referência pra nós, então que se mantenha a base e se pense no futuro com mais inteligência ou pelo menos com menos incompetência.

  7. Gerson,quando o remo queria contratar o Avalos para o parazão,o time que ele jogava ainda queria uma compensação finançeira…imaginem,seria comprar um verdadeiro gato por lebre.

  8. Enquanto tiver por aqui,jogadores velhos,fora de forma,que já passaram por aqui e retornam como salvadores da pátria e grandes contrtações,fica dificill fazer um bom time,futebol hoje é vigor,é explosão,quantas vezes vimos ávalos penar na mão de jovens jogadores adversários?Até cuminar o desastre que foi ontem,o qual ele cabeceou a bola para traz e caiu no pé do nonato,o resto todos ja sabem.
    Times como vilhena,mixto e essas porcarias todas sem expressão nenhuma no futebol nacional,sempre irão bater de frente com nossos times e levar a melhor,por causa de suas juventude e não por que são bons…é triste,más é verdade…nosso futebol está falido.

  9. Na verdade o Reis nao estava travado ele estava tremendo, foi dizer que o Mixto iria tremer com a torcida pelo visto ele que tremeu, deve ter se borrado todinho na hora de sair de campo com a torcida que devia apoiar começou a jogar objetos em seus proprios jogadores, tem que jogar mais e falar menos Reis vc é novo ainda tem q aprender, deixa só seus reporter ai falar as babozeiras que ja sao muitas.

  10. Cadê nosso amigo Cláudio, com seus comentários habituais ? Será que ele ainda não apareceu porque está reunido com a diretoria do CR, para sua contratação como o novo técnico remista ? kkk Brincaderia, Cláudio ! rs Será que o M. Veiga vai ficar ? Será que vai aceitar reduzir salário e treinar o time com amistosos pelo interior ? Duvido !

  11. Um time com essa torcida não deveria ficar dependendo de sorte. Podem falar o que quizer, mas a diretoria já mostrou sua força de incompetencia incomparável no futebol. O Santa Cruz desceu, mas subiu pos a mediocridade não prevaleceu na mentalidade. Se montar um bom time, a torcida apoia. Diretas já.

  12. Ano que vem vai ser a mesma historia,montar um time regional com um treinador local,perder os primeiros jogos e trazer treinador de fora,contratando um monte de jogador de qualidade duvidosa,pedir apoio a torcida,jogadores fazendo pactos de vitoria e muito bla bla ba.Eu não tenho mais paciência para isso.

  13. O Clube do Remo chegou ao seu limite, como eu tanto falei aqui.
    O futebol quando é feito com planejamento, e respeitando as etapas desse processo, faz com que o futebol não seja a caixinha de surpresa que tanto falam as vezes.

    O Mixto e o Sampaio deveram alcançar o acesso porque mesmo de forma hulmide, devem ter feito isso.

    Aqui as mumias do futebol, acham que contratando um montes de jogadores e trocando de tecnico a qualquer tropeço o problema é resolvido, não há omissão, mas há despreparo nas atitudes.

    Querem voltar a ter divisão? Então comecem logo hoje trabalhar com esse objetivo.
    O Remo tem história , camisa e torcida, mas nada disso ganha jogo se não houver modernidade com responsabilidade nas suas ações.

  14. Os dirigentes tanto de Remo como paysandu tem que parar de baixar as calças pra esses tecnicos de fora.

    Eles indicam e os caras se matam pra trazer logo.

    Antes de contratar tem que fazer uma investigação completa sobre o atleta.
    Desde qual sua ligação com o treinador ou empresário do dito cujo, até suas últimas atuações.
    Inclusive saber se o sujeito tem muitos problemas com justiça do trabalho.
    Enfim uma analise completa e detalhada.

    Tem joagdor pelo Brasil afora que é um verdadeiro mercenário.
    Quando são contratados e firmam o contrato, começam a fazer corpo mole, trabalham pouco e depois são aquinhoádos com uma polpuda gartificação, são os marajás da bola.

    Esse Alex Willian do Paysandu concerteza não é mercenário, mas seu comportamento dentro e fora de campo se enquandram nessas condições que eu escreví acima.

    Ou como há tempos fala aqui no Blog o amigo Rosivan, será que alguêm de dentro dos clubes estão FAturando nessas farras de contratações inresponsáveis? EU NÃO DUVIDO!

  15. O futebol nortista,em especial,o Paraense está uma vergonha há tempos por todos os motivos e indagações deveras mencionados… O Papão que se cuide,pois se aproximou da zona de rebaixamento,o impopular Z-2,digamos assim… Que essa diretoria incompetente e capitaniada pelo Luiz Omar paguem urgentemente os jogadores ,para quem sabe ,fazer com que tenham mais disposição nos jogos futuros,porque o de Sábado,foi de dar calo nos olhos ,e MUITA RAIVA ! Te dizer !!!

  16. Sinceramente, Gerson e amigos, penso que o Remo precisa parar seu Futebol até o início de Novembro, antecipar as eleições e escolher um Presidente, que tenha um planejamento para o engrandecimento administrativo do Clube, para que o Futebol possa andar com suas próprias pernas, sem depender das rendas dos jogos. Acredito que não se deve votar em nenhum candidato, apoiado pelos “Cardeais”, para o bem do Remo.

    – Pelo que escutei agora, do Caxiado, o Cabeça irá sair ainda esse ano, para que o novo presidente possa assumir e montar o elenco e comissão técnica. Isso, é atitude de quem não quer atrapalhar o clube e de quem gosta do Remo. Parabéns ao Cabeça, que no último minuto de sua administração, fez uma coisa boa.
    – Aliás, é bom que se diga que nem a dupla de Cadeais Ronaldo Passarinho e Ubirajara Salgado fizeram isso, ou melhor, nenhum Cardeal fez isso. Só o Cabeça, vai fazer…

    Pelo menos uma boa notícia. Falta saber, quem serão os candidatos à Presidente do Remo..

  17. No Papão, tomara que o Ambire Gluck Paul ganhe a eleição para presidente. Acho que será outro nível, bem melhor que o de LOP e seus seguidores.

  18. Sair antes do tempo com o clima que está no clube é o melhor que faz. Em outra circunstância estaria pensando em reeleição.

    Segue o exemplo LOP.

  19. Prezado Gerson, muito triste aquela cena do oficial de justiça no mangueirão, como foi a entrada pela janela na série D pelo Remo, compraram a VAGA e agora além de ter que penarem com a encarnação que até anda meio sem graça, pois do lado do Papão, as coisas também não estão nada mais, vão contar como PEGA-TE lá de Cametá, que com certeza não faria esse papel ridículo, mas como a turma do leão não sabe se calar e perder, vão querer entrar no tapetão, dizendo que o MISTO tinha que ser com queijo prato e presunto de peru e não de mussarela com presunto de porco, é assim mesmo não chegam nem pra ser o pato do círio, au revoir !!! em 2013 tem mais, ei Cabeça fica lá e LOP rasga !!!

Deixe uma resposta para Rosivan Silva Cancelar resposta