O passado é uma parada…

Imagem da fachada da tradicional fábrica Palmeira na primeira metade do século XX no centro do Comércio. A Palmeira foi uma referência na produção de biscoitos, pães, chocolates e outras guloseimas. Sofreu um incêndio na segunda década do século XX, mas foi reativada logo depois. No começo dos anos 70, a fábrica encerrou suas atividades. Em 5 de novembro de 1976, segundo o jornal A Província do Pará, o prédio de 15.000 m² começou a ser demolido. Após anos de abandono, o ex-prefeito de Belém Edmílson Rodrigues desapropriou o local e construiu o que seria um grande estacionamento, mas acabou se tornando um espaço abandonado, ocupado por traficantes e mendigos. Apelidado jocosamente de “Buraco da Palmeira”, foi transformado em camelódromo pelo prefeito Duciomar Costa.

Tribuna do torcedor

Por Elias Vieira (vieira-elias2010@bol.com.br)

Já dizia o saudoso Edyr Proença opinião não se discute. Vou manifestar minha opinião com relação aos jogos do meu Clube do Remo.Estive 4a.feira no Mangueirão, cheguei bem cedo me aloquei nas cadeiras pelo lado do Benguí e veja que moro na Av.Júlio Cesar onde tem um escudo do REMO nas vidraças de minha casa. Bom, as dificuldades para se chegar ao mangueirão são enornes contando-me as pessoas que lá chegavam. Para vencer o trânsito da Almirante Barroso, da Augusto Montenegro e mesmo para chegar na Júlio Cesar até à Av.Independência se perde muito tempo e muitos desistem de ir ao estádio preferindo assistir os jogos de fora e até o jogo local que infelizmente passa na televião. Sou a favor que o Remo leve seus jogos para o Baenão cobrando um valor mais elevado R$ 20,00 ou até R$ 25 ou 30 e cadeira R$ 60,00 ele o Remo ganhará muito mais do que os jogos no Mangueirão. As despesas no Mangeirão levam mais da metade da renda. Um público de 17.000 pes soas no mangueirão dará menos renda que um público de 12.000 pesas no Baenão e veja no Baenão não precisa de carrro particular para se deslacar  para lá, o transporte coletivo (ônibus) é o transporte ideal para a massa azulina que tradicionalmente gosta de dos jogos em sua CASA.Meu caro conterrâneo já que minha infância foi em Baião, ficando entre Mangabeira e Mocajuba, depois Belém para estudar casar e morar em definitivo, Conservo minhas origens, vou  sempre às minhas terras natal e quaando não passo metade da semana em Mosqueiro onde faço minhas pescaria de espinhel de vara e tudo mais que me lembra mei começo. Um abraço, Elias Vieira.

Remo escalado para o jogo em Cuiabá

Provável time do Remo para o compromisso deste domingo diante do Mixto, em Cuiabá: Gustavo; Diego Barros, Rafael Andrade e Igor João; Dida, André, Jhonnatan, Reis e Andrezinho; Fábio Oliveira e Ratinho. O volante Alceu (foto), recém-contratado, foi incluído na delegação e pode ser improvisado na zaga, em caso de necessidade. (Foto: MÁRIO QUADROS/Bola)