Tucanos, ‘mercado’ e mídia pedem ‘sangue já’ a Temer

POR FERNANDO BRITO, no Tijolaço

fimdasbondades

Está acabando o tempo do “Michel está no céu”.

Rolando Lero já irritou a turma da grana.

Depois do chiado da guarda avançada de seus colunistas, agora a pressão é direta.

Voto de confiança no governo pode não resistir por muito tempo, adverte O Globo, já adiantando que o prêmio cobiçado é o arrocho na Previdência que, além da punição brutal aos 80% dos trabalhadores que têm menos de 50 anos, vai se abater pesadamente sobre os dois terços dos aposentados que recebem salário-mínimo:

Já existe consenso de que a vinculação do piso previdenciário ao reajuste do salário mínimo (que permite ganho real) terá de ser revista, diante do impacto nas contas da Previdência. Só falta definir se será junto com a reforma, dada a polêmica em torno da questão, ou em uma proposta à parte.

O Estadão dá manchete para os bufos tucanos, revelando que o queixoso discurso do senador José Aníbal (SP) contra as “bondades temeristas” foi combinado com Aécio Neves, que encomendou os termos usados pelo paulista.

E a Folha anuncia que o PSDB diz que não apoiará pauta ‘eleitoreira’ de Temer , considerando-se os “pais do golpista”:

(…)senadores do PSDB chegaram a dizer que o partido “deu a Presidência a Temer”, e agora ele precisa “dar um governo ao Brasil”. Se não for assim, diz um integrante da cúpula do partido, o PSDB estará “fora”.

Em cinco dias, vejam o estrago que o “sincericídio” do estreante presidente da Câmara, Rodrigo Maia, dando forma expressa aos desejos “quase íntimos” de Temer.

O terreno está aberto para o “baixo clero” da Câmara – com todos os remanescentes do “cunhismo” dentro dele – cobrar caríssimo pelo apoio às “medidas sangrentas” do Governo.

Primeira luta-livre: Galvão x Glória Maria

350227f4-e283-456d-9cc8-87c2f33ddfe9

O “cala a boca, Galvão !”, voltou gloriosamente.

Porque o Galvão e a Glória Maria travaram um vale-tudo: para ver quem falava mais e quem aparecia mais!

Os dois juntos têm um Ego maior do que o do Padim Pade Cerra.

O Galvão conseguiu “abafar” o Maracanã que cantava o “Moro num Pais Tropical”, depois que o Jorge Benjor acabou de deslumbrar o mundo…

O Galvão não podia deixar que o Jorge o ofuscasse.

Momento sublime, segundo o Mauricio Stycer no UOL, foi quando entrava a delegação dos refugiados e o Galvão anunciou: vem aí o Japão.

Não, corrigiu a Glória: são os asiáticos!

O Galvão e a Glória Maria, juntos, não dão um Álvaro José de férias…