Seleção começa a tomar forma

Por Gerson Nogueira

O primeiro amistoso, contra uma Dinamarca sem entusiasmo, valeu mais pelo placar e a boa movimentação. O de ontem, contra um time americano doido para sair do terceiro mundo da bola, foi mais convincente. Duvidava que Mano Menezes ainda conseguisse dar um formato tático interessante e competitivo à Seleção. Esse time, apesar de peças descartáveis como Sandro (um volante comum), promete. É verdade que com Neymar no ataque tudo fica mais facilitado. As jogadas fluem e aparece aquele improviso que tanta falta fez ao Brasil nos últimos tempos.

Oscar, o organizador que andamos procurando há anos, voltou a jogar muito. Fiquei com a impressão de que Paulo Henrique Ganso vai ter que correr atrás de uma vaga no time. O garoto do Inter joga sério, muito sério, mas esbanja categoria. Tomou conta da camisa 10. Marcelo, o lateral que o Real Madri aplaude e que o Brasil esnobava, apareceu muito bem. Leandro Damião voltou a jogar mal e Alexandre Pato segue acima da média na arte de perder gols. Chega a ser irritante a facilidade com que ele desperdiça bolas fáceis.

Hulk manteve o nível de esforço e a disposição que se espera de um operário da bola. No gol, Rafael esteve firme, embora o titular indiscutível seja Jefferson. Não foi uma exibição de gala, mas gostei da Seleção e começo a acreditar em medalha olímpica.

15 comentários em “Seleção começa a tomar forma

  1. Acho que pra Londres a coisa tá se ajeitando. Já pra Copa, ainda tem muito tempo e as seleções favoritas normalmente tomam forma definitiva meio em cima da hora, às vezes com gratas revelações forçadas por cortes de última hora ou mesmo pelo surgimento natural de novas boas opções. Mano merece crédito. Gosto de seu jeito tranquilo, nada da ignorância de um Felipão ou Muricy, e também sem a arrogância disfarçada de Tite. No gol, vamos nos contentando com coisas tipo Félix, Leão ou Valdir Peres.

  2. Fiquei impressionado com o futebol do desse guri Oscar. O ganso que se cuide, se tiver naqueles dias de preguiça, esse moleque toma a bola dele tranquilo.

  3. Pelo menos já deu pra perceber que a velharada que era convocada não é o caminho.

    Esse time, mesmo jovem, tem demonstrado que pode ser o caminho a ser trilhado, acho cedo para dizer que esta é a seleção da Copa, mas mostrou ser o caminho mais auspicioso a investir.

    1. O simples esquecimento da panelinha antiga – Júlio César, Lúcio, Juan, Maicon etc. – já abre esperanças de uma completa renovação na Seleção.

  4. Só uma coisa, amigo Gerson: esqueceste de mencionar o excelente Thiago Silva, zagueirão de raça… No mais, é esperar para ver se o Mano vai seguir por esse caminho, que me pareceu muito bom. Os EUA fizeram o que tinha de ser feito: valorizar a vitória dos canarinhos. Abração

    1. De fato, meu caro Gonda, o Thiago Silva vem confirmando a condição de principal beque da Seleção, titular absoluto para 2014.

  5. A saída do Rciardão contribuiu para o Mano vestir a camisa de treinador, por ora. Tem feito boas convocações. O teste de fogo será Argentina. Cada vez que vejo o Oscar jogando, mais puto eu fico com essa diretopria do São Paulo. Cairia como uma luva nessa nova formação do tricolor com Lucas, Jádson e Casemiro. O Luis Fabiano agradeceria e muito. Já começou a temporada “caça ao Ganso” do Galvão. Seus elogios, hiperbólicos ontem, ao Oscar não foram gratuitos. Me lembra muito a campanha anti-Giovani. Tenho uma opinião sobre o Ganso que talvez esteja na contra-mão de muitos aqui e de 90% da população paraense. Não é craque. Por outro lado, tem vaga nessa seleção. Acho que dificilmente disputará a copa (o que pode ser uma grande punição dada pelo Dunga quando não o convocou em 2010 em plena forma), mas não precisa da boca maldita do Galvão. O Casagrande e o Júniuor que não são bobos, pescaram na hora e prontamente repudiaram de forma inteligente a sórdida campanha de Galvão no nascedouro, conclamando espaço para os dois na seleção. O Galvão não muda.

    1. Bem observado, amigo Cássio. Galvão Bueno, o mesmo que ajudou Zagallo a detonar Geovani em 1998, mostrou-se particularmente interessado ontem em limar PH Ganso do escrete ao perceber que o moleque Oscar tem futuro.

  6. Apesar da evidente melhora, não me empolga a Seleção do Mano. Amistosos são amistosos, jogos valendo 3 pontos são jogos valendo 3 pontos. Mas como a seleção ia muito mal até em jogos “quebra-canelas”, houve sim uma certa melhora, mas nada de excepcional, haja vista que a safra é uma das piores dos últimos 30 anos.
    Cássio, também começo a acreditar que Ganso não é tudo isso que se acha dele. O problema é que a carência de talentos é tão grande que nos desacostumamos a ver passes de efeito, lançamentos de 30, 40, 50 metros (coisas que o Ganso faz e faz bem). Quantos tão ou mais reluzente que o meia paraense, em outras épocas, não figuraram na canarinho devido a altíssima concorrência?
    O Galvão, de fato, adora queimar jogador. Roque Júnior, Raí e o próprio Giovanni que o digam.

  7. O Oscar está aproveitando a oportunidade e muito bem, atuando com desenvoltura de forma natural a camisa não pesou coisa que acontece com muitos, o problema do Ganso é que ultimamente está visitando muito o departamento médico e isto não é bom para ele.

  8. Penso que para a seleção, ainda falta maita coisa, para conseguir encher o povo brasileiro de otimismo. Mais o jogador do Internacional OSCAR, pode se considerar o novo dono da camisa 10, que foi do nosso conterrâneo GANSO.
    O moleque joga demais, ele da aula de aplicação tática dentro de campo, coisa que muitos camisas 10 que já vestiram a camisa amarelinha nunca fizeram, que criar as jogadas para os atacantes, participar ativamente do jogo, ter visão de jogo aliada a extrema habilidade com a bola nós pés, além de um grande poder de marcação.

    Para mim, e o cara! E ele mais 10 na onzena canarinho…Te cuida Ganso!

  9. Também acho que o Galvão vem pegando pesado com o Ganso, mais vale lembrar também que o Ganso, não e essa coca toda! Ele e um excelente jogador, tem grande visão de jogo, mais volta e meia gosta de se esconder do jogo, na seleção brasileira por exemplo – jamais conseguiu fazer o que faz com a camisa do Santos. Então não vejo outra saída para o mesmo, se não voltar dessa cirurgia com todas as forças e com todas as criticas e desconfianças e calar o Brasil inteiro, mostrando que tem vez sim na seleção, caso contrário, não será nem lembrado como o “possível” sucessor do Geovanni.

    No caso da renovação da seleção brasileira, e notório como o ano de 2012 pode ser dado, como o ano do rejuvenescimento do futebol brasileiro, mais de um modo geral.
    Mais o grande problema e que ainda existem alguns dirigentes, que ainda teimam e viver do passado, sempre em busca de jogadores rodados, com experiência, mais se esquecem que quanto mais experientes, mais malandros os mesmos podem ser, além de serem jogadores mais velhos, ao ponto de serem considerados veteranos.

    – Em clubes de futebol, vemos esse tipo de coiso frequentemente todos os anos, neste anos de 2012, que o Paysandu e Remo ousaram, quebraram alguns paradigmas e investiram e incentivaram os jogadores oriundos de suas bases, o saldo e positivo se você comparar com os anos anteriores, quando aqui chegavam carretas cheias de jogadores ruins, velhos, enganadores. Hoje, o negócio parece ter mudado um pouco, nas novas contratações que estão sendo feitas pelo Paysandu, o primeiro critério parece ser o fator IDADE, pois a média de idade no Paysandu ao que parece e de 27 ou 28 anos. Apesar do clube ainda contar com alguns jogadores veteranos, com mais de 30 anos.
    No meu entendimento a saída e essa, é investir em jogadores da base, ou então contratar jogadores jovens que tenham vontade de vencer na vida, na carreira, e não apenas que venham para cumprir horário, e fazer o feijão com arroz, tem de dar sangue, suor e lagrimas.

Deixe uma resposta para Cássio de Andrade Cancelar resposta