Bate-papo no boteco virtual – Papão x Atlético-ES

destaque-696x392

Copa Verde 2018 – Final

Paissandu x Atlético-ES – estádio Jornalista Edgar Proença, 21h30

Na Rádio Clube, Guilherme Guerreiro e Cláudio Guimarães narram; Carlos Castilho comenta. Reportagens – Valdo Souza, Dinho Menezes, Francisco Urbano e Saulo Zaire. Banco de Informações: Adilson Brasil

Torcida alviceleste prepara carnaval nas arquibancadas

destaque-508427-lobob-696x364

Com todos os ingressos vendidos para a grande final da Copa Verde, a torcida Fiel bicolor prepara uma grande festa para o jogo desta quarta-feira. Através da Comissão de Festas do PSC, um grupo de torcedores e torcedoras se mobiliza há vários dias para preparar e distribuir as peças do mosaico alviceleste que irá se formar antes e durante a decisão da Copa Verde. Os torcedores foram orientados a chegar ao Mangueirão por volta de 20h, para receber as placas do mosaico e buscar posicionamento nas arquibancadas.

Direto do Twitter

“Muito legal a solidariedade das ‘pessoas de bem’ com o drama dos venezuelanos. As ‘pessoas de bem’ certamente também se preocupam com os sírios, a seca no Nordeste e a fome na África. Porque explorar drama humanitário com viés ideológico, vocês sabem, é coisa de canalhas.”

André Rizek, jornalista

Papão busca o inédito bicampeonato da Copa Verde

28233715268-a81854a993-o.jpg

A conquista do título da Copa Verde 2018 poderá dar ao Paissandu o inédito privilégio de ser o único clube a ganhar a competição por duas vezes – venceu em 2016, também sob o comando de Dado Cavalcanti. O jogo, marcado para 21h30 desta quarta-feira, coloca frente a frente um time que tem desempenho de 100% nos últimos sete jogos contra uma equipe de trajetória negativa nas últimas partidas pela Série D.

Dado Cavalcanti, como sempre, não divulgou a escalação do Papão. Faz questão de fazer mistério, embora o time titular deva ser o que vem sendo escalado na Série B: Renan Rocha; Diego Ivo, Edimar e Perema; Mateus Silva, Nando Carandina, Renato Augusto e Miller; Mike, Cassiano e Moisés.

Como o Papão tem a vantagem de poder até perder por 1 a 0 ou 2 a 1, o técnico poderá optar por um meio-campo mais qualificado na criação, abrindo possibilidade para a entrada de Pedro Carmona, que se recuperou de lesão.

Os seis que voltam – Diego Ivo, Perema, Carandina, Moisés, Mike e Cassiano – foram poupados contra o Juventude justamente para descansar à espera da final da CV, que paga prêmio de R$ 168 mil ao vencedor.

Uma das atrações do jogo é o centroavante Cassiano, principal figura do Papão na temporada, artilheiro do time com 16 gols – nove deles na CV.

“É decisão, é final, vale título, então nós não podemos nos empolgar com relação à quantidade de pessoas que estarão no Mangueirão nos incentivando. Os jogadores, em campo, precisam controlar o ritmo do jogo, precisam saber a hora de dosar, a hora de acelerar, mas acima de tudo manter muita concentração para não perder o feeling da partida”, disse Dado, mantendo sempre muita cautela.

Todos os 28.900 ingressos disponibilizados para venda foram esgotados. A carga máxima do estádio é de 35 mil pessoas. Além dos 28.900 comercializados, 2.100 entradas são de gratuidades e 4 mil entradas reservadas para o programa de sócio torcedor do clube.

Apesar da diferença técnica e da vantagem imposta no jogo de ida (2 a 0), os bicolores não têm um retrospecto bom nos jogos que realizaram no estádio Jornalista Edgar Proença desde o ano passado.

Lista de jogos no Mangueirão

  1. Remo 1 x 0 Paysandu – 08/04/2018 – Campeonato Paraense
  2. Paysandu 1 x 2 Remo – 01/04/2018 – Campeonato Paraense
  3. Remo 1 x 0 Paysandu – 11/03/2018 – Campeonato Paraense
  4. Paysandu 1 x 2 Remo – 25/01/2018 – Campeonato Paraense
  5. Paysandu 0 x 1 América-MG – 08/09/2017 – Série B
  6. Paysandu 0 x 0 Paraná – 19/08/2017 – Série B
  7. Paysandu 1 x 2 Ceará – 28/07/2017 – Série B
  8. Paysandu 1 x 0 Náutico – 18/07/2017 – Série B
  9. Paysandu 0 x 0 Juventude – 17/06/2017 – Série B
  10. Paysandu 0 x 1 Goiás – 09/06/2017 – Série B
  11. Paysandu 1 x 0 Internacional – 27/05/2017 – Série B

——————————————————————————————

ESCALAÇÕES

Paissandu – Renan Rocha; Edimar, Diego Ivo e Perema; Mateus Silva, Carandina, Renato Augusto e Miller; Moisés, Cassiano e Mike. Técnico: Dado Cavalcanti

Atlético-ES – Bambu; Paulinho, Rhayne, Kleber Viana e Marcos Felipe; Vitor, Araruama e Fabiano; Franklin, Uálisson Pikachu e Eraldo. Técnico: Zé Humberto

Arbitragem – Anderson Daronco (Fifa-RS). Auxiliares – Alessandro Álvaro Rocha de Matos (BA) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (SP).

Dia de reverenciar a Estrela maior

DYk-_Y5W0AAzRNn

“Tu em campo parecia tantos, e, no entanto, que encanto! Eras um só… Nilton Santos!”.

Armando Nogueira, botafoguense empedernido, produziu esta sentença definitiva sobre o maior lateral-esquerdo de todos os tempos, segundo a Fifa. Bicampeão mundial pela Seleção Brasileira e multi-campeão pelo Botafogo, Nilton não ganhou o título de Enciclopédia do Futebol por acaso.

Final-Campeonato-Carioca-1957-Botafogo-6-x-2-Fluminense

De estilo refinado e clássico, cruzamentos sob medida, passadas largas e dribles necessários, Nilton foi o mais moderno jogador de sua geração, admirado por todas as torcidas.

Ao longo de 721 jogos, honrou – como ninguém – o manto sagrado alvinegro, detendo a condição de jogador que mais vezes vestiu a camisa da Estrela Solitária em toda a história do clube.

qfl_fto_13171

Hoje é o Dia Mundial do Botafogo porque é também o dia do aniversário de sua estrela maior, que cedeu seu nome ao estádio alvinegro, no Rio de Janeiro.

É de Nilton uma das frases que melhor distingue e define o coração botafoguense: “Seja bem-vindo à minha casa, mas, se for para falar mal do Botafogo, nem entre”.

nilton-santos-garrincha-didi-zagallo-botafogo-1962-13072016_1t5zl1qmh9b9j1eivr1qlvgnxx

Ao longo de sua vitoriosa carreira, Nilton vestiu apenas duas camisas, a do Botafogo e a do Brasil.

Obrigado por tudo, eterno Nilton Santos!

A frase do dia

“O babaca do Moro está em NY num evento do tal LIDE do Dória, do PSDB. O que faz um juizeco de primeira instância num evento de lobistas nos EUA? É preciso ser muito idiota, MUITO IDIOTA, para achar que esse jacu terá alguma importância na história do Brasil.”

Flavio Gomes, jornalista