Campeão de bilheteria, Palmeiras esgota ingressos pela web

622_5e25b087-6bf6-357d-b7ba-a2d8100298b7

O surgimento do Allianz Parque e a eficiência na comercialização de ingressos pela internet, atrelado ao cada vez mais vantajoso programa de sócio-torcedor, tem feito com que o Palmeiras praticamente deixe de abrir bilheteria em dias de jogos. Isso gera economia, segurança e um combate cada vez mais forte ao cambismo.

Para a partida deste domingo, contra o Atlético-MG, todos os cerca de 36 mil ingressos colocados à disposição da torcida do Palmeiras se esgotaram pelo site da FutebolCard, responsável tanto pela gestão das catracas quanto pelo programa Avanti.

No ano, é a primeira vez que isso acontece. As outras duas vezes em que 100% dos bilhetes foram vendidos online aconteceram contra o Atlético-PR, pelo Campeonato Brasileiro de 2015, e na final da Copa do Brasil, diante do Santos.

Vale lembrar que ainda existe uma parcela de ingressos disponíveis, mas que é voltada para torcida visitante, proprietários de cadeiras cativas, proprietários de camarotes, patrocinadores e parceiros do clube.

Desde o ano passado, Robson de Oliveira, sócio-diretor da FutebolCard, bate na tecla que em um curto espaço de tempo as bilheterias deixarão de existir.

“Não tenho dúvida que o futuro será todo online, e o fim das bilheterias acontecerá de forma gradativa. Hoje, todas as arenas brasileiras estão se modernizando, e os torcedores estão cada vez mais acompanhando essa nova filosofia de consumo”, explica Robson.

Os números comprovam essa teoria: atualmente, quase 80% dos ingressos são vendidos pela internet -o número é 30% superior ao de 2014, e também ao de 2015, quando era de 70%.

Neste ano, a média de venda de ingressos nas bilheterias no Allianz Parque é de apenas 14%. Contra o Corinthians, no Campeonato Brasileiro deste ano, disputado em 12 de junho, apenas 2% da carga total foi vendida fisicamente. Contra o Santos, no empate em 1×1 da última semana, 5%.

Veja o Top 10 de jogos com a maior quantidade de venda de ingressos pela internet:

36.000 (carga destinada à torcida do Palmeiras) – Palmeiras x Atlético-MG (Brasileiro 2016)
34.000 (carga destinada à torcida do Palmeiras) – Palmeiras 1 x 0 Santos (Copa do Brasil 2015/Final)
34.000 (carga destinada à torcida do Palmeiras) – Palmeiras 0 x 1 Atlético-PR (Brasileiro 2015)
33.076 – Palmeiras 1 x 0 Corinthians (Brasileiro 2016)
30.899 – Palmeiras 1 x 0 Santos (Brasileiro 2015)
30.707 – Palmeiras 0 x 1 Goiás (Brasileiro 2015)
30.421 – Palmeiras 2 x 1 Fluminense (Copa do Brasil 2015)
30.414 – Palmeiras 1 x 2 Nacional-URU (Libertadores 2016)
30.183 – Palmeiras 3 x 0 Avaí (Brasileiro 2015)
29.593 – Palmeiras 4 x 2 Flamengo (Brasileiro 2015)

(Com informações da ESPN)

No Sevilla, Ganso aceita função mais recuada

622_49addf1a-9757-3b98-8f18-c6a45764144d

Nesta quinta-feira, Paulo Henrique Ganso se tornou oficialmente jogador do Sevilla. O ex-jogador do São Paulo passou por exames médicos e assinou por cinco temporadas com o atual campeão da Liga Europa. Logo depois, ele participou de uma rápida entrevista coletiva, que durou sete minutos, para se apresentar aos jornalistas.

“Não precisa de muita apresentação, pois é muito conhecido no futebol após se destacar no Brasil”, afirmou o presidente do Sevilla, José Castro Carmona. “Acredito que vou me adaptar o melhor possível para poder fazer sempre o melhor. No Brasil o futebol é menos intenso do que na Europa, mas espero me adaptar rapidamente, farei o melhor para isso”, disse o meia.

“Sou um jogador com muita vontade e com muita vontade para jogar sempre bem e com muita atitude. Meus novos companheiros são grandes jogadores com ótimas qualidade, e nos adaptaremos muito bem entre todos para fazer um Sevilla melhor”. Ganso revela que já conversou com o técnico Jorge Sampaoli. “Me adaptarei às necessidades de Sampaoli, ele tem seus critérios, posso jogar mais recuado também. Ele decidirá”.

“Neymar me falou muito bem da Liga espanhola, e Luis Fabiano me fala muito bem do Sevilla”, afirmou o jogador sobre os ex-companheiros de Santos e São Paulo, respectivamente. (Da ESPN) 

Ex-atacante do Papão é destaque do embalado CRB

unnamed

Vice-líder da Série B e embalado com quatro vitórias consecutivas, o CRB volta a campo neste sábado, às 16h, fora de casa contra o Paysandu. O adversário paraense é um velho conhecido do atacante Welinton Junior, um dos destaques na bela campanha do time alagoano na segundona.

Na temporada passada, Welinton Junior foi emprestado para disputar a Série B pelo Paysandu e teve um bom desempenho na equipe alviceleste. No total, ele participou de 18 partidas e marcou quatro gols. Tendo amigos até hoje no clube do Pará, Welinton Junior admite que tem carinho pelo próximo rival. “Tenho um respeito muito grande pelo Paysandu. Fiquei bastante identificado com o clube e com a torcida. Foi uma passagem positiva. Porém, sou profissional e hoje defendo as cores do CRB e farei de tudo para buscar mais uma vitória”, declarou o atacante.

Com bom ambiente de trabalho e um elenco qualificado, o CRB vem surpreendendo a muitos nesta Série B. Welinton Junior explica o motivo do sucesso da equipe comandada por Mazola Junior. “Os nossos segredos são trabalho e humildade. Existe uma disputa acirrada pela titularidade, mas um atleta respeita o outro e faz com que o clima seja bom. Estamos colhendo os frutos disso vivendo um momento maravilhoso. Continuaremos nessa pegada para permanecer pontuando e assim atingiremos os objetivos do clube”, concluiu. (De AV Assessoria)

unnamed (2)

Impeachment de Dilma é golpe, determina Tribunal Internacional pela Democracia

16-07-19-TribunalDemocracia-Plateia

POR PATRÍCIA BENVENUTI, no Opera Mundi

O processo de impeachment contra Dilma Rousseff  “viola a Constituição brasileira, a Convenção Americana de Direitos Humanos e o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, constituindo um verdadeiro golpe de Estado”, segundo decisão proferida nesta quarta-feira (20/07) pelo Tribunal Internacional pela Democracia no Brasil, que reuniu juristas de vários países para julgar a legalidade das ações que levaram ao afastamento da presidente brasileira.

O evento, organizado pela Via Campesina Internacional, Frente Brasil Popular e Frente Brasil Juristas pela Democracia com apoio de diversas organizações sociais, ocorreu durante dois dias no Teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro.

Por unanimidade, o corpo de jurados – formado por juristas estrangeiros – considerou procedente o argumento da acusação de que não há base jurídica para sustentar o processo que conduziu ao afastamento temporário de Dilma.

Dentre as irregularidades apontadas pela acusação estão a ausência do princípio de crime de responsabilidade fiscal, que tem servido de base para o processo, e violação de cláusulas pétreas da Constituição, “consagradas em convenções e pactos internacionais”.

O processo de impeachment, segundo a sentença, “viola todos os princípios do processo democrático e da ordem constitucional brasileira”. Isso o caracteriza “como verdadeiro golpe ao Estado democrático de Direito” e, por isso, o processo “deve ser declarado nulo”.

Com presença de juristas estrangeiros e com a estrutura de um júri (composto por acusação, defesa e sentença), o tribunal teve como objetivo analisar o processo que levou ao afastamento de Dilma Rousseff, que vem sendo classificado como um golpe de Estado por diversos setores brasileiros e da comunidade internacional.

Participaram juristas como a advogada de direitos humanos Azadeh N. Shahshahani (Estados Unidos/Iraque), especialista na questão da migração de pessoas muçulmanas, e o bispo mexicano Raul Veras, candidato ao Prêmio Nobel da Paz por sua atuação a favor dos direitos humanos em seu país.

Em entrevista a Opera Mundi, a secretária de Comunicação da CUT-RJ (Central Única dos Trabalhadores) do Rio de Janeiro, Maria Eduarda Quiroga Pereira Fernandes, afirmou que a realização do tribunal permitiu às organizações sociais reunir mais elementos para fundamentar as acusações de que o processo contra Dilma é um golpe de Estado.

“A intenção foi ter mais um instrumento para qualificar o debate, de que não é um discurso de ódio da nossa parte, com frases prontas”, disse Fernandes. Nesse sentido, ela afirma que a presença dos juristas estrangeiros reforçou a argumentação de que o processo em curso no Brasil é um golpe.