Leão à caça de atacantes

O Remo, que já está quase garantido na Copa do Brasil 2010 (depende que o S. Paulo fique entre os quatro primeiros do Brasileiro), busca fechar nas próximas semanas a contratação de dois atacantes de área. Max Jari, Marciano, Juliano César, Simião e Bruno Rangel, nessa ordem, são os mais cotados.

22 comentários em “Leão à caça de atacantes

  1. Esses sempre torcendo pelos outros por futuras oportunidades, secando ou não. Vida de vagante que não foge a rotina.

  2. Gerson, penso que o Remo deve fazer esse trabalho, mas paralelamente, já deveria ter seu Técnico contratado, para iniciar os Trabalhos em Novembro. A Torcida do Remo tá esperando muito para tirar esse Sinomar de lá. O Remo, que tinha muito tempo, já começa a ficar sem tempo. Anotem.

    1. Concordo com você. Acho que o clube já começa a entrar naquela chamada faixa de aperreio, pois algumas providências já deveriam estar pelo menos agendadas para 2010.

  3. Esse pessoal não aprende mesmo, os nomes indicados para atacante no CR (só craques???), são os que se deram bem contra o PSC, também com aquela zaga, até o Ageu e o Edil ainda se davam bem.

  4. Portanto, galera azulina, vamos aumentar a torcida tricolor nesse país. Outra opção também seria o Corinthians ficar entre os quatro e o São Paulo na rameira, mas aí, também já é demais…

  5. Acho também que o Remo deveria aproveitar os meses de setembro e outubro para promover um torneio com os oito clubes classificados para a primeira fase do parazão (a série b) e mais a Tuna e fazer um torneio de apresentação dos clubes. no baenão aos sábados ou domingo de manhã (paga não concorrer com os jogos da tv).
    Seria uma forma de levantar uma grana.

  6. O Jones Tavares já começou a “secar” o próprio time dele. Disse que, se os jogadores do Rio Branco não conseguiram levar o time para a segunda divisão, nunca conseguirão levar o Remo para a quarta.

  7. Aí eu discordo do Jones, Marlene ( apesar de ter o pensamento de que ele, Tonhão, … deveriam assumir essa diretoria de futebol, como tão dizendo, só que o mais rápido possível, pois com o Tonhão e o Jones, técnico local não tem vez, aí é que eu fico despreocupado), se for assim, ele vai dizer que Mael, Zeziel, Dadá, Maico Gaucho e outros, não prestam. Penso que o mesmo falou sem pensar.

  8. acompanho a trajetoria do remo em varios campeonatos nacional, e ví que o remo só presta quando tem treinador de fóra,exemplo do atacante leonidas,que jogou também na tuna, já quase acabado para ofutebol,foi redescoberto pelo paulo amaral,e ainda fez muito sucesso no remo. acho que vale a pena fazer um esforço e a torcida colabora e contrata um bom treinador.

  9. concordo plenamente com idéia do sr.DORIVAL ALBUQUERQUE, pois o Remo ganharia mais dinheiro, com um custo e risco menor.

  10. Cláudio, é que o Jones Tavares faz parte da crônica corneteira. Esse comentário dele é a prova. Os jogadores ainda nem aceitaram jogar no Remo e ele já está dizendo que não vai dar certo. Penso que vc tem razão. Ele deveria ficar trabalhando lá baenão.

  11. Por falar em bons tempos do Remo, muito boa a homenagem da Globo domingo ao Júlio Cezar, no intervalo. Ponteiro clássico com um futebol moderno na transição à extinção do 4-3-3 que aboliu os pontas nos anos 80. Da escola de Joãozinho (Cruzeiro), Zé Sérgio (São Paulo) e Zezé (Fluminense), Júlio entortava perna-de-pau e cruzava à meia altura, porrada seca. Encostou o dedo a bola entra. Um dos últimos jogos que assisti do Júlio Cezar pelo Mengão, o gol de empate com o Fluminense, teve esse script clássico do nosso “Uri Gueller”. A ressalva quanto a homenagem é não ter citado a passagem desse cracaço pelo Leão, clube com o qual ainda nutre uma relação de amor e paixão, como explicitado na emocionada atuação do “Uri Gueller” em recente partida comemorativa no Baenão. O futebol paraense, em especial o Remo, aprendeu muito com Júlio Cezar. Fantástico!

    1. Vi a ESTRÉIA do “URI GUELLER” pelo REMO num jogo contra o CRUZEIRO.

      Sinto-me PRIVILEGIADO, pois acho muito difícil alguém jogar um FUTEBOL tão IRREVERENTE.

      Que SHOW de BOLA !

      REMO (4) x (0) CRUZEIRO (13.11.1977 BAENÃO).

      GOLS: BIRA (3) e MARECO.

      Direto do TÚNEL do TEMPO. …rsrsrs…

      1. Marco,
        Estava lá também. Foi uma belíssima atuação do Remo, que tinha um baita time. Júlio César Uri Gheller foi um dos mais hábeis dribladores que vi jogar e tinha aquela capacidade do drible largo, estendendo a bola e apostando na velocidade. E nesse dia havia do outro lado simplesmente aquele que, a meu ver, rivalizando diretamente com o velho Edu (Santos), foi o maior driblador do nosso futebol depois de Garrincha: Joãozinho, do Cruzeiro, pai daquele outro Joãozinho, que defendeu o Paissandu recentemente. Logo se vê, pelas duas figuras citadas, que o jogo foi de fato um desfile de gente talentosa.

  12. Cassio, semanas atrás eu assisti no “Sport TV” um programa inteiro dedicado a jogadores que se criaram numa favela de alvenaria chamada “Cruzada São Sebastião” lá no RJ. De lá sairam Júlio César, Adílio, Rui Rei, Ernani, Antunes e Paulinho Pereira. Foi muito legal rever lances do Uri Geller. Tenho um amigo aqui no trabalho, conhecido como “Fifa”. Ele jogou como ponta no antigo Liberato de Castro, e certa vez teve que recuar para marcar o Júlio César… Huahuahua!.. A gente se diverte ouvindo o relato deste dia fatídico. O jogo foi 10 x 0.

  13. Zé Marco e Ley, caso se confirme, duas grandes aquisições para o Leão 2010. Agora falta um técnico, esse dos 9×0 é muito fraco; as entrevistas após as peladas pelo interior são sempre as mesmas, para ele o time sempre esta caminhando bem. Gerson, você saberia me informar o paradeiro do João Francisco, que foi técnico do Remo em 1993 e o conduziu a 8ª colocação da Série A deste ano?

  14. É, Claúdio, quando o Paysandu empatou com o Icasa na Curuzu, o sr. Jones Tavares tentava desfarçar o entusiasmo mas não conseguia. Ele também ficou cornetando para colocar o Gaúcho pra fora. Depois ficou dizendo que não mencionaria mais o nome do ex-técnico. O Gaúcho deveria nem estar dormindo por causa disso.

  15. É Marlene, é aí que vejo esse pessoal da Imprensa se queimar com o Torcedor, pois, ir contra o Gaucho é ir contra o Torcedor. Aliás o Torcedor provou mais uma vez que estava certo e, a Imprensa, Errada.

  16. Legal Sérgio. Esse jogo que você se refere do Liberato de Castro acho que foi no campenoato paraense de 1979 (ou de 1978, não lembro). Junto com o Liberato havia também um tal de ARA (Atlético Rodoviário de Ananindeua) que também era outro saco de pancada, tanto do Remo como do PSC. Bons tempos, aqueles. ABS.

Deixe uma resposta para Marlene da Silva Cancelar resposta