Dirigentes do Vasco agredidos no Canindé

Depois de ver a Portuguesa perder para o Vasco por 3 a 1 de virada pela Série B do Campeonato Brasileiro, parte da torcida rubro-verde perdeu a compostura no Canindé neste sábado. Minutos depois do apito final, jogadores e dirigentes do clube carioca foram agredidos no acesso aos vestiários do visitante.

Os alvos das investidas foram o diretor executivo Rodrigo Caetano, o supervisor de futebol Daniel Freitas e o atacante Robinho, que é reserva e sequer entrou em campo durante o confronto. O presidente cruzmaltino, Roberto Dinamite, que atuou pela Portuguesa quando jogador, conseguiu escapar.

Não foi a primeira vez que torcedores da Portuguesa tentaram criar confusão na saída do vestiário do time visitante, localizado próximo ao estacionamento de uma das saídas do Canindé e de fácil acesso. Na derrota por 3 a 2 para o São Paulo, no Brasileirão de 2008, uma pessoa terminou ferida após tentativa de agressão a dirigentes tricolores.

Em 1995, durante o jogo entre Portuguesa x Remo, vários radialistas e jornalistas paraenses foram ameaçados por chefes de torcidas organizadas da Lusa. Só com a interferência da polícia o grupo conseguiu sair do Canindé. Guilherme Guerreiro, Ronaldo Porto, Edson Matoso, Nonato Santos e eu passamos maus pedaços na cabine reservada à imprensa visitante. E um dos mais valentes no confronto foi justamente Nonato, o da “palavra forte”, que pegou uma cadeira e ameaçou partir para a briga. Como dizia meu velho pai-avô Juca, com doido é preciso ser doido e meio.

9 comentários em “Dirigentes do Vasco agredidos no Canindé

    1. Em S. Paulo, o pessoal diz que é realmente um sentimento de revolta entre os torcedores, visto que a Lusa quase sempre é vítima de assaltos da arbitragem.

  1. ohh Gerson San dessa historia eu conhec, a Lusa do souza tambem ja foi ,varias vezes!.

    No jogo de hoje nao havia motivo para tal comportamento, alias que em situacao alguma e’ permitido ao adepto essa furia toda.

    1. Você tem razão. Não é admissível que as torcidas ainda reajam dessa forma, ainda mais agredindo visitantes.

  2. ha ha ha ha o da ”palavra forte” é louco mesmo, ha ha ha ha …..essa foi boa Gerson..por falar nele onde anda ?

    1. Edmundo,
      O homem continua na ativa, com a competência e contundência habituais. Nessa tarde, lá no Canindé (cuja cabine fica a cerca de 30 metros do solo), Nonato foi valente realmente. Encarou os torcedores, que xingavam a gente de “paraíba” em diante. Pegou uma cadeira e perguntou quem ia encarar. Achei que os caras iam nos massacrar nesse momento, mas o gesto meio doido dispersou os caras. E o pior é que o árbitro, o Bianca, estava “operando” o Remo. Anulou um gol legítimo do Agnaldo, intimidou jogadores, fez o diabo. Na Lusa, jogava Denner e Maurício, herói botafoguense de 1989.

  3. Não adiantou nada. O Leão se classificou pela surra dada nos padeiros de 5×2 semana antes. Aquele time do Remo era do cacete e foi vice-campeão do Torneio Internacional de Toulon. Saudades.

Deixe uma resposta para blogdogersonnogueira Cancelar resposta