Capitão destaca humildade e mérito do time campeão

Ainda no gramado da Curuzu, na noite de quarta-feira (6), comemorando com os companheiros a conquista do Campeonato Estadual, o lateral-esquerdo Marlon, capitão azulino, destacou os méritos da trajetória vitoriosa do Remo.

“Foi merecimento. Trabalhamos caladinhos. Sabíamos que não tínhamos feito um bom começo de campeonato, mas continuamos trabalhando, acreditamos no trabalho do professor Bonamigo. Acho que o grupo estava fechado, isso é mais importante. Procuramos nos fechar dentro do futebol, pois sabíamos que não estávamos demonstrando um futebol muito bom”, disse Marlon.

No segundo confronto da decisão, o Remo atuou mal durante todo o primeiro tempo e perdeu a vantagem de 3 gols que havia obtido no jogo de ida. Na etapa final, a equipe se recuperou, equilibrou a partida e chegou ao gol “salvador”, através do lateral Leonan. “Fizemos um grande primeiro jogo. No segundo, não conseguimos jogar o primeiro tempo, mas no segundo voltamos com outra cara. Os atletas que entraram deram outra cara, procuraram dar o seu melhor. Graças a Deus, tivemos o gol do Leonan e saímos com o título. A humildade prevaleceu mais uma vez. Uma equipe mais humilde chegou e foi campeã”.

O próximo desafio do Remo vai ser contra o Vitória-BA, neste sábado, 9, na abertura do Campeonato Brasileiro da Série C.

CBF quer Guardiola para vaga de Tite e vai oferecer salários de R$ 61,4 milhões

Tite, que já anunciou que deixará a Seleção Brasileira após a disputa da Copa do Mundo do Qatar, poderá ter como substituto ninguém menos que Pep Guardiola. Segundo o jornal espanhol Marca, a CBF fará de tudo para conseguir Pep Guardiola. Para conseguir o “sim” do treinador do Manchester City, o Brasil vai oferecer 12 milhões líquidos por ano (R$ 61,4 milhões, na cotação de hoje). O valor é alto, mas ainda abaixo dos 20 milhões de euros (R$ 102,4 milhões) que ele recebe nos Citizens.

Ainda de acordo com o veículo, a entidade brasileira entendeu que o substituto ideal para a seleção seria um treinador estrangeiro e, dessa forma, o nome que logo foi levantado foi o de Guardiola. A CBF já deixou claras as suas intenções para Pere Guardiola, irmão e representante de Pep. Algumas conversas já aconteceram, mas ambas as partes ainda devem se reunir. A oferta é por quatro anos, até a Copa do Mundo de 2026.

Apesar de ter sido anunciada sua renovação em novembro de 2020, com Guardiola tendo contrato com Etihad até 2023, na CBF há grande confiança de que a operação pode ser concluída. A entidade foi procurada, mas não se manifestou até o momento. (Com informações de UOL, Lance! e Estadão)

Apagão na Curuzu e a pororoca de memes da final do Parazão

Assim que o Re-Pa decisivo do Parazão 2022 terminou, a cerimônia de premiação foi realizada no estádio da Curuzu. Já sem torcida nas arquibancadas, o evento começou e quase ao final a luz foi apagada, a mando da diretoria do Papão. O apagão veio quando a taça de campeão ia ser entregue ao capitão Marlon. A atitude antidesportiva, criticada nacionalmente, virou motivo para gozação nas redes sociais.

A mania de zoar com o adversário virou um esporte à parte no futebol e é particularmente forte entre as torcidas de PSC e Remo. Ao final de cada jogo, as redes sociais se transformam em verdadeiro ringue de memes e muito esculacho.

Um título sofrido e dramático

POR GERSON NOGUEIRA

A decisão esteve aberta na primeira metade do clássico. Para espanto geral, a vantagem de três gols imposta no primeiro jogo escorreu pelo ralo antes dos 40 minutos de bola rolando. Os azulinos afrouxaram a marcação, além de errar praticamente todos os passes. Nem parecia uma decisão de campeonato. Aplicado, o PSC construiu o placar que precisava ainda no 1º tempo. A sorte do Leão mudaria num raro ataque de qualidade: Leonan acertou um belo chute e garantiu o título.

Depois de um início desastroso dos azulinos, o PSC assumiu as rédeas da decisão. Com avanços de Marlon e Marcelo Toscano, participação ativa dos meias José Aldo e Ricardinho, o time atropelava e não dava um minuto de sossego para o Remo. Além da ocupação de espaços, os jogadores esbanjavam entrega e determinação.

Empurrado pela torcida que lotava a Curuzu, o time não sossegou enquanto não alcançou o objetivo de igualar a disputa. Na luta por um objetivo que parecia improvável de atingir, o Papão mostrou que havia superado as deficiências do primeiro clássico. Ao contrário do rival, que se perdia em passes errados e lançamentos sem direção.

Aos 10 minutos, a porteira se abriu. Igor Carvalho avançou pela direita e cruzou. A bola atravessou a área e chegou a Ricardinho, que encheu o pé para abrir o placar. O gol nascido tão cedo encheu de entusiasmo e esperança o time e a torcida.

Não demorou muito e a casa azulina caiu outra vez. Aos 22’, o lateral esquerdo Patrick Brey lançou bola na área, José Aldo se antecipou aos zagueiros e tocou no melhor estilo rabo-de-arraia para ampliar a contagem.

O Remo parecia paralisado, sem forças para esboçar a mínima reação. Brenner e Bruno Alves mal pegavam na bola. Ronald, marcado em cima e com rispidez, pouco produzia. Quando ainda tentava se organizar em campo, a marcação vacilou de novo e o PSC chegou aos 3 a 0.

Aos 37’, Marlon fez um disparo em direção à área e a bola bateu no travessão de Vinícius. Um minuto depois, já sem Ricardinho (que saiu lesionado), o Papão foi à frente e Marcelo Toscano dividiu bola com o lateral Ricardo Cruz junto à linha lateral esquerda. Em seguida, cruzou para José Aldo desviar no canto esquerdo.

Tudo igual na decisão. O placar de 3 a 0 levava a disputa para a cobrança de penalidades. O Remo estava grogue, contra as cordas, mas havia um segundo tempo a disputar. Indiferente a isso, a Fiel fazia a festa nas arquibancadas, em êxtase com a resposta que o time estava dando.

Depois do intervalo, Paulo Bonamigo trocou Ronald por Lailson e Pingo por Marciel. As mudanças foram positivas. O Remo, pela primeira vez, conseguiu se organizar para sair tocando a bola. Não encaixava ataques porque a marcação sobre Brenner e Bruno Alves era muito forte.

Mas, de tanto insistir pelo lado esquerdo, as portas se abriram para o ataque remista. Em tabela curta com Marco Antônio, o lateral Leonan avançou até a intermediária do PSC e disparou um chute forte, quase no ângulo, vencendo o goleiro Thiago Coelho, aos 15 minutos.

O golaço devolvia o Remo ao jogo e, ao mesmo tempo, permitia novamente respirar com a vantagem de 4 a 3 no placar agregado. Para melhorar ainda mais a situação, aos 24’, o zagueiro Marcão agrediu Marciel e foi corretamente expulso por Raphael Claus.

Depois disso, o jogo ficou à feição para os azulinos. Bonamigo botou Felipe Gedoz em campo para tentar controlar as ações, mas o PSC já estava afoito e sem a pegada do 1º tempo. O Remo se defendeu bem e garantiu a conquista do 47º título estadual. (Fotos: Samara Miranda/Ascom CR)

Apagão na Curuzu apequena o futebol paraense

A cena foi pavorosa, digna de torneios de várzea, indigna para a importância do evento de encerramento do Campeonato Paraense. No momento em que a taça seria entregue ao capitão azulino Marlon, as luzes do estádio da Curuzu foram apagadas. A cena revoltou jogadores e dirigentes do Remo, além de constranger as autoridades presentes.

Em meio à celebração pelo fim de um campeonato marcado por tantos problemas, eis que a atitude antidesportiva por parte da diretoria do PSC pôs a perder o merecido festejo por parte dos campeões estaduais.

Além do apagão, os jogadores e a comissão técnica do Papão não apareceram para receber suas medalhas pelo vice-campeonato, em nova demonstração de incivilidade e desrespeito com os adversários.

A presidente interina da FPF, Graciete Maués, deplorou a atitude do PSC. “Lamento profundamente que os refletores tenham sido apagados. O Campeonato poderia ter terminado de uma forma melhor. No futebol, só há um vencedor e um derrotado. E é preciso entender isso”, ensinou.

Os refletores permaneceram desligados durante toda a cerimônia de entrega da taça e os jogadores do Remo fizeram a festa utilizando as lanternas dos aparelhos celulares para driblar o apagão – de luzes e ideias.

Uma roda de conversa sobre o Botafogo

A Torcida Botafogo Belém promove hoje, às 18h, um bate-papo informal com o historiador e desportista Luís Felipe Carneiro sobre o processo de revitalização do complexo de General Severiano, no Rio de Janeiro, patrimônio histórico do Glorioso. Todos os alvinegros da cidade estão convidados a prestigiar o encontro, que vai ocorrer na sede da TBB, à rua Almirante Wandenkolk, nº 686, ao lado do Quem São Eles. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta quinta-feira, 07)