Sob o peso das desculpas

5 de outubro de 2017 at 0:15 4 comentários

DLNXPdCXUAAkqbW

POR GERSON NOGUEIRA

Em futebol, quando a situação fica ruim as desculpas começam a brotar de todos os lados. A torcida paraense já se viu obrigada a digerir explicações variadas para a má campanha de seus clubes. Houve técnico que alegou problemas relacionados com a trava das chuteiras. Outro reclamou do excesso de chuvas. Teve até quem, num rasgo de ousada criatividade, considerou que a paixão fervorosa do torcedor local pode atrapalhar a concentração da equipe.

Agora, a exemplo do ocorreu no ano passado, o torcedor do Papão descobre através de declarações do técnico e dos jogadores que a quantidade de deslocamentos pelo Brasil é um fator preponderante para o baixo rendimento do time na Série B.

O interessante é que as desculpas começam quando os bons resultados rareiam, principalmente na parte final da campanha, quando as demais desculpas já se esgotaram. Ao longo do campeonato é desfiado um rosário de argumentos para justificar tropeços, uma espécie de bíblia da potoca.

A mais comum das lorotas é a que supervaloriza todo e qualquer adversário, mesmo que seja o lanterna do campeonato. Foi o que se observou, há duas semanas, quando o Papão recebeu o ABC, último colocado, na Curuzu. A título de demonstrar “respeito ao adversário”, Marquinhos Santos e seus comandados desfiaram antes do confronto elogios sem fim ao mal-ajambrado time potiguar.

A estratégia, como se sabe, tem mão dupla: criar vacina natural para explicar um eventual tropeço e, ao mesmo tempo, valorizar ao máximo um triunfo, mesmo que obtido em circunstâncias pouco gloriosas.

Não se está aqui negando que certos resultados negativos comportam explicações aceitáveis. Perda (por expulsão ou acidente de trabalho) de atleta importante em momento crucial do jogo. Decisões equivocadas da arbitragem. Ou até falhas individuais graves.

O problema adquire contornos mais graves quando os jogos passam a merecer longas justificativas, sem a devida aceitação dos erros cometidos. Piora quando o tema envolve, como agora, a cansativa rotina de viagens. Entra-se aí no terreno das discussões inúteis sobre questões que não irão mudar – o mapa brasileiro não pode ser modificado e nem o sistema de disputa será refeito para atender clubes que se julgam prejudicados. Imagino que o Internacional e o Juventude devem ter mais ou menos as mesmas queixas. O Luverdense, clube mais penalizado com viagens longas, também.

Enfim, todos que participam da Série B têm a perfeita noção dos sacrifícios exigidos para encarar a maratona de jogos e outros perrengues decorrentes da competição. Quem estiver a fim de vida mansa pode optar por torneios de logística menos pesada.

A Série C, por exemplo, tem a sua fase principal (18 jogos) regionalizada, obrigando os clubes a deslocamentos curtos. Em último caso, há a Série D, com menos jogos e quase nenhum estresse com viagens. Como se vê, tudo é uma questão de preferência.

————————————————————————————-

Para manter vivo o pensamento do velho Nelson

“Sem alma, não se chupa nem um Chicabon; não se cobra nem arremesso lateral”.

Diante dos descalabros visíveis, no futebol e fora dele, nada como buscar socorro e inspiração no pensamento sempre arguto (e atual) de Nelson Rodrigues.

Alguns entenderão.

Vida que segue.

————————————————————————————-

Nau azulina à deriva e sujeita a tormentas oportunistas

O Remo virou uma caixa-preta em termos de gestão e contabilidade. Poucos arriscam dizer quanto o clube tem hoje em reservas, se é que ainda tem alguma coisa. Os métodos do atual presidente não facilitam o levantamento desses valores. O problema é que alguém, além do próprio mandachuva, precisa ter a noção real da situação financeira do clube. Isto seria uma das atribuições do Conselho Deliberativo, mas, nas instâncias leoninas, deliberar é sempre a última das possibilidades.

Em meio aos protestos e críticas contra Manoel Ribeiro floresce a desconfiança de que existam figuras interessadas exclusivamente no caos dentro do clube. Como estatutariamente o presidente só pode ser afastado pela Assembleia Geral diante de comprovadas ilicitudes, tornando pouco provável a destituição de MR, a gestão deve seguir enfraquecida e trôpega por mais um ano, sujeita a ventos oportunistas e pouco republicanos.

Grandes azulinos que não convivem mais com as decisões no clube alertam para o risco do aparecimento de aventureiros, sempre dispostos a dar pouco (em trabalho) em troca da grande visibilidade que o clube oferece. Alguns avançam além do costumeiro ‘voluntariado de ocasião’ e se prontificam até a emprestar valores, buscando sempre ressarcimento a juros nem sempre compatíveis com a inflação.

O Remo, definitivamente, não é para amadores.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 05)

Entry filed under: Uncategorized.

Rock na madrugada – Pearl Jam, Corduroy Fifa autoriza e séries B, C e D terão jogos no período da Copa 2018

4 Comentários Add your own

  • 1. Anônimo  |  5 de outubro de 2017 às 8:35

    Vale lembrar que as dificuldades que o Paysandu enfrenta para se deslocar aos domínios dos adversários mais distantes também são compartilhadas no sentido inverso, afinal para os outros times virem a Belém há o mesmo trabalho, especialmente para os clubes do interior. Não vejo ninguém do clube utilizando este handicap para aumentar a obrigação de vencer em casa, porém…

    Curtir

  • 2. Nelio( o Maior campeão nacional de Norte, Nordeste a Centro Oeste  |  5 de outubro de 2017 às 8:57

    Realmente são desculpas das mais esfarrapadas possíveis. Para quem igual eu conhece a história do Paysandu na ‘palma da mão ” afirmo que é desculpa esfarrapada desse treinador e atletas. O curioso é que eles ( treinador e vários atletas) fingem que não conhecem a história do Paysandu e por isso ficam falando essas mazelas. Senão fosse isso , deveriam saber que o plantel mais glorioso da história do Paysandu e do futebol do Norte no período de 2000 a 2003 por assim dizer, faturou 3 títulos estaduais , um titulo regional, 2 títulos nacionais , sendo um de elite que indicou vaga para Libertadores da América. e vários torneios caça niqueis locais ( Copa MTV, Copa Lucia Penedo, etc. vaga para Libertadores da América, venceu Boca Junior, foi ao Paraguai enfiar 6×2 no poderosos Cerro Porteno, enfim, ganhou tudo que disputou. Mas para isso teve de se deslocar milhões de quilômetros de Norte a Sul, Leste /Oeste Brasileiro, até assunção no Paraguai, Buenos Aires, Santiago do Chile e lima no Peru. Time mais glorioso da história nunca se ouviu treinador ou atletas reclamarem de longas viagens, cansaço de viagens, distância, clima, e olha que os caras chegaram a disputar Copa Norte, estadual e serie B tudo em 2001. Depois torneios locais , estadual , Copa Norte , serie A e Copa dos campeões tudo em 2002, Depois serie A , Libertadores e amistosos em 2003. Os verdadeiros atletas se saíram magníficos em tudo isso sem reclamarem de nada. Hoje esse treinador e essas pustemas que não ganharam nada, haja reclamar de cansaço , viagens, clima e até distância. Ouvir isto desses caras me da uma irritação avassaladora , principalmente porque lembro que já neste returno o time teve uma paralisação de 15 dias na serie B, e retornou com vários desfalques, atletas contundidos em treino, virose e levou surra dentro de casa. Além de perebas, esse treinador do Paysandu e alguns atletas não perdem a chance de ficarem calados.

    Curtir

  • 3. lopesjunior  |  5 de outubro de 2017 às 11:10

    A corrupção privada, que fez do Remo uma propriedade privada dos conselheiros, é a forma pela qual o atraso tem vez e espaço para prosperar. Corrupção não é apenas roubar, como também as mudanças no estatuto do Clube que concede privilégios a poucos. O Remo é uma pessoa jurídica sem fins lucrativos, como uma fundação, associação ou ONG. Não é justo, e nem certo, que seja apropriado da forma que vem sendo por estes senhores já a muito tempo. A torcida precisa entender o que ocorre nos arraiais azulinos.

    Curtir

  • 4. Jorge Paz Amorim  |  5 de outubro de 2017 às 11:41

    Bem, o Juventude foi vítima dessa logística e chegou a Caxias do Sul depois do Papão para o jogo de sexta-feira passada. Então, poupou os jogadores que o treinador julgou mais desgastados só os colocando na reta final da partida.
    É isso. Clubes formam planteis com mais de 30 jogadores exatamente por isso. Ora, se qualidade e quantidade não se completam isto já é problema do clube.
    Além disso, reclamar de cansaço no momento em que os jogos estão acontecendo em intervalos de uma semana, depois de uma paralisação da competição por mais de 15 dias, constitui-se desculpa esfarrapada, descabida e preocupante para quem, como eu, crê que o Papão garantirá sua permanência na Série B do ano que vem

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,429,584 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 13.036 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Nelio(maior campeão… em Bergson vai defender o Fu…
junior em Leão é tetracampeão de ba…
Miguel Silva em O adeus do artilheiro
Edson do Leão - meu… em Bergson vai defender o Fu…
Manoel em Democracia em xeque. O que…

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set   nov »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: