Síndrome de reizinho

3 de setembro de 2017 at 4:13 8 comentários

1504242082_211712_1504243910_noticia_normal

POR GERSON NOGUEIRA

O Brasil jogou contra o Equador na quinta-feira e a torcida foi reapresentada ao Neymar fominha, preocupado com a própria imagem e obcecado pela ideia de ser protagonista a qualquer preço. Lembrou até o atacante imberbe dos tempos de Santos, cujos pecadilhos e birras eram perfeitamente perdoáveis. O problema é que o garoto virou homem e o aspirante a craque é hoje um dos melhores do planeta, e precisa agir como tal. Mais que isso: é o principal astro da Seleção Brasileira, mas não pode achar que é o dono da companhia.

Diante dos equatorianos, Neymar voltou a exibir a face firuleira e egoísta. Foi o mesmo jogador que enfrentou problemas na chegada ao Barcelona devido ao estilo individualista e pouco afeito ao trabalho de equipe. Sob a batuta de Luís Henrique, foi burilado e atingiu seu melhor nível como futebolista, chegando em certos momentos – como no ano passado – a quase igualar Messi em termos de importância para o time.

Nada disso foi possível ver na partida do Beira-Rio. Neymar apanhava a bola e partia logo para dribles impossíveis sobre três, às vezes quatro, marcadores. Tentou isso várias vezes. Ao perceber que não levaria vantagem sobre os marcadores, perdeu a compostura. Apelou para simulações ridículas, irritando o árbitro e os equatorianos.

Durante todo o primeiro tempo só conseguiu encaixar uma boa jogada. Foi o passe certeiro para Willian bater da entrada da área, com grande perigo. Ficou nisso. Insistia nas jogadinhas pelo meio ou pela esquerda, sempre buscando concretizar “a” arrancada. Parecia disputar um jogo particular, no qual o mais importante não era marcar gol, mas driblar o máximo de equatorianos até deixá-los caídos e humilhados no gramado.

Bem postados e violentos, os defensores não permitiram que ele tivesse êxito, o que redobrou a irritação de Neymar. Logo no começo do segundo tempo, deu um carrinho bobo junto à linha lateral por pura raivinha. Tomou o cartão amarelo. Por reclamações e teatro de quinta categoria, podia perfeitamente ter sido expulso.

Só foi melhorar depois da entrada de Phillipe Coutinho, quando resolveu se espertar e interagir com os demais atacantes e meias. Viu Paulinho abrir o placar e, em seguida, Coutinho liquidar a fatura após inspirada assistência de Gabriel Jesus. A perspectiva de se ver superado pelos dois garotos parece ter mexido com os brios do craque do PSG, que por alguns minutos voltou a ser solidário nas jogadas e quase deixou sua marca, disparando forte à esquerda do gol.

Ficou no ar a sensação de que Tite terá pela frente um espinhoso período de dedicação a Neymar. A conversa precisa começar mais ou menos na seguinte linha: craque de verdade joga futebol e não perde tempo com provocações bobas. Um sujeito que almeja ser o melhor entre os melhores não pode ficar choramingando a cada choque com um equatoriano ou reclamando de tostões. Acima de tudo, tem que se dedicar a jogar bola.

Tite pode até apelar para uma comparação prática: mostrar a Neymar que a melhor referência é seu ex-companheiro de Barça Lionel Messi, de fleuma notável ao ser caçado em campo. Ninguém jamais viu La Pulga se lamuriar das bordoadas que recebe. Na verdade, como acontecia com El Pibe Maradona, as pancadas parecem surtir efeito contrário: atiçam o gênio, que se torna ainda mais destemido e letal.

Na flor dos 25 anos, Neymar precisa domar seus anseios. A saída do Barcelona parece provocar nele a necessidade de provar alguma coisa. Bobagem. Segue como o grande astro do Brasil e o importante agora é mostrar que continua focado na meta de ser melhor do mundo, o que obrigatoriamente inclui conquistar uma Copa do Mundo – coisa que nem Messi, nem Cristiano conseguiram até hoje. E a Rússia é logo ali.

————————————————————————————–

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro apresenta a atração a partir das 21h, na RBATV. Participação de Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião.

————————————————————————————-

Muralha e os limites do humor no esporte

A confusão envolvendo o goleiro Muralha, do Flamengo, e o jornal Extra recoloca na ordem do dia a discussão sobre os limites do humor no jornalismo esportivo atual. A título de “editorial”, o jornal desceu o malho no goleiro, citando-o como frangueiro e informando que passa a grafar o nome oficial do arqueiro, evitando o apelido por considerá-lo inadequado.

A piada foi boa – para os que não são Muralha. Zoado intensamente nas redes sociais depois da capa do Extra, o goleiro não achou graça da brincadeira. Sentiu-se humilhado e “tratado como bandido”.

Exageros à parte, o Extra talvez tenha pecado por usar o termo editorial como cabeçalho das ironias dirigidas ao goleiro. Piadas até mais infames do que essa são corriqueiras nas páginas do Diário Olé, de Buenos Aires. Mas, no Brasil politicamente correto (para certas coisas apenas), o escracho gera atritos e é visto como prática pouco edificante.

O curioso é que parte da torcida rubro-negra saiu em defesa de Muralha, normalmente enxovalhado impiedosamente nas redes sociais a cada nova barbeiragem debaixo das traves. Coisas da vida.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 03)

Entry filed under: Uncategorized.

Rock na madrugada – Jeff Beck, A Day In The Life Enquanto isso…

8 Comentários Add your own

  • 1. Dorivaldo Albuquerque  |  3 de setembro de 2017 às 10:16

    Neymar precisa ouvir o xote do Gonzagão sobre o cara que vai pra cidade grande,faz fama, fortuna e volta pra fazer bonito lá no interior de onde saiu.

    Curtir

  • 2. Carlos Saraiva  |  3 de setembro de 2017 às 10:49

    Em relação ao Muralha, creio que houve uma falta de respeito do Extra para com o jogador, quando se lida com emoções tem que a ver um cuidado pois um louco que não tenha o dicernimento apropriado para o caso, vai acabar partindo pra violência contra o jogador.
    Isto me lembrou quando O Bola colocou na manchete comentando sobre o Leandro Cearense(atacante nutela) e Edgar(atacante de raíz), vcs em instante nenhum pensaram nas consequencias que isto poderia levar. Achei um desrespeito para com o Leandro Cearense, e ainda exaltar um cachaçeiro e irresponsavel que todos sabem como é o Edgar. Desde ai, o Cearese que já não era essas coisas todas, não assimilou direio aquilo e ficou pior.

    Curtir

  • 3. Antonio Oliveira  |  3 de setembro de 2017 às 10:57

    Um treino de luxo para o Neymar. Ele precisa ensaiar as jogadas individuais e exercitar a irreverência de modo que quando for valendo ele possa fazer aquilo que nenhum outro consegue.

    De fato, alguns apelidos de exaltação, quando são ou se tornam incompatíveis, viram piada mesmo. Muralha é um deles.

    Curtir

  • 4. blogdogersonnogueira  |  3 de setembro de 2017 às 11:30

    Direito totalmente legítimo de esperneio, Saraiva. A capa (e matéria) do Bola não foi ofensiva, nem depreciativa, retratando os perfis dos jogadores naquele momento. Foi humor puro, brincando com gírias do momento, sem fazer juízo de valor sobre atributos morais de cada um. Por esse critério, sou inteiramente a favor do Extra nessa história com o Muralha, ressalvando o uso como “editorial”.

    Curtir

  • 5. Marcos Paulo  |  3 de setembro de 2017 às 12:12

    Mestre Nogueira, o resultado do Brasil na copa vai depender da cabecinha do Neymar. Renê Simões já disse: olha o monstro!!!

    Curtir

  • 6. 09751  |  3 de setembro de 2017 às 12:20

    Não diria síndrome de reizinho… Diria síndrome de CR7. Sobre o Extra, o jornal está certo. Não tinha outro apelido? Muro, mureta, mas muralha? Lembro de alguns anos atrás quando o Bola teve estampado em sua capa o mascote do PSC sentado em um vaso sanitário. Choveram críticas por aqui sobre a capa. Essa é a chamada liberdade de expressão. Agrada alguns e desagrada outros.

    Curtir

  • 7. Jorge Paz Amorim  |  3 de setembro de 2017 às 14:06

    É isso, amigo Gerson. Neymar precisa continuar conectado ao futebol coletivo, para o bem da seleção e para a própria carreira, sabendo que ele passa e a seleção fica.
    Quanto ao Muralha, perfeita sua observação: um editorial é exagero sensacionalista, todavia, quem sugere imponência no nome não pode ser sinônimo de vulnerabilidade na prática, daí a propaganda enganosa estar na raiz do mal entendido.
    Pra finalizar, lembro que a foto do Cearense ilustrou trocentas matérias a respeito do Papão, no próprio Bola, por isso não deve ser crível que uma única referência depreciativa tenha influenciado negativamente em um desempenho que nunca esteve, aliás, à altura da bonomia midiática. Além disso eles têm, Edgar e Cearense, algo em comum: não são nem raiz e nem nutela. São, sim admiradores contumazes do composto malte, lúpulo, cevada, muita fermentação, além de, no caso da Ambev, bastante milho transgênico.

    Curtir

  • 8. Carlos Saraiva  |  3 de setembro de 2017 às 15:10

    kkkkk…… boa Jorge Paz, nisso eu concordo com vc os dois não podem ver uma garafa estupidamente gelada.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,322,677 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.822 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

setembro 2017
S T Q Q S S D
« ago    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: