A mãe de todas as batalhas

A narração mais emocionante (e involuntariamente hilária) de todos os tempos. São os segundos finais da contenda entre Peñarol e América de Cáli, na decisão da Libertadores de 1987, disputada em Santiago (Chile). 

O locutor colombiano simplesmente trava, se recusando a acreditar no que vê: o gol de Aguirre para o Peñarol no segundo final da prorrogação.

Tão eloquente quanto à reação colombiana é a locução uruguaia (de Javier Maximo Goni), que simplesmente chora ao cantar o gol do Peñarol – aquele que padeceu nas mãos do Paissandu nos idos de 60.

2 comentários em “A mãe de todas as batalhas

    1. Orlando,
      Sensacional e espontânea a reação dos dois narradores, sem os vícios de Galvão Bueno e afins. Comprovando que futebol é mesmo uma cachaça, principalmente para nós, latinos. Lembro que, em 2006, na Alemanha, a torcida local passava pelas ruas festejando as vitórias educamente, quase sem gritar. Quando foram derrotados pela Itália, tudo continuou na mesma. O sangue latino sempre fala mais alto.
      Abs.
      Gerson

Deixe uma resposta