A base, enfim, prestigiada

POR GERSON NOGUEIRA

Vídeo: Melhores momentos de Remo 1×0 Manaus-AM | Remo 100%

Foi preciso voltar ao Evandro Almeida um técnico com profunda afinidade com revelações da base para que a garotada remista tivesse tanta oportunidade de uma vez só no time titular, de forma planejada e responsável. Paulo Bonamigo escalou Hélio Borges como titular contra o Manaus-AM e, no segundo tempo, apostou em Warley para a lateral-direita e Wallace para o comando do ataque.

O resultado positivo avaliza as escolhas do treinador. Não que haja dúvida quanto à qualidade dos atletas formados nas divisões amadoras do Remo. Além do trio que entrou e ajudou o Remo a vencer o time amazonense, o elenco vem sendo abastecido por peças que se destacaram no sub-20.

Ronald teve fulgurante passagem pelo time antes da pandemia, ainda sob o comando de Mazola Junior. Estranhamente, depois de duas grandes atuações contra o Carajás e o PSC, ele parece ter saído dos planos do técnico. Tanto que só voltaria a ser escalado, meio na base do desespero, no confronto contra o Treze-PB, em Campina Grande, pela Série C.

Na iminência de perder a partida, correndo risco de demissão, Mazola botou Ronald e Hélio de uma só tacada, a 15 minutos do fim. O jovem ala esquerdo acabou sofrendo contusão grave, após ser atingido por um zagueiro paraibano. Ficará fora de combate até novembro.

A diferença é que Bonamigo lançou mão do talento dos jovens da casa por confiança, não por falta de opções. Hélio entrou no lugar de Gustavo Ermel, que vinha como titular. Wallace substituiu o principal jogador do time, Eduardo Ramos, que mostrava sinais de cansaço.

Parece pouco, mas é a primeira vez que um técnico rompe o limite das promessas protocolares da chegada ao clube e põe em prática as observações dos treinos. Para o jogo de sábado, contra o PSC, é provável que o ataque tenha dois jogadores que estão no clube desde a infância, casos de Wallace e Hélio.

Caso ainda estivesse à disposição do grupo profissional, o meia David Lima seria certamente melhor aproveitado por Bonamigo. Ignorado por Márcio Fernandes, Eudes Pedro e Rafael Jaques, acabou cedido para um clube interiorano que vai disputar a Segundinha. O meia Rafael, outra joia da base, pede passagem há muito tempo. Tiago, também meio-campista, é outro em condições de ser aproveitado. 

No elenco, Bonamigo já conta com Warley, Hélio, Wallace, Ronald, Lailson, Pingo e Kevem, repatriado após breve passagem pelo futebol português. São atletas forjados dentro do Baenão, identificados com o clube, com o perfil que o treinador aprecia. Fica evidente que, após muito tempo, a prata da casa terá as chances tanto cobradas. Bom para os jovens boleiros, melhor para o Remo.

Instagram: Leão lidera engajamento entre clubes de 3ª divisão

Um site espanhol divulgou ontem que o Remo alcançou, em agosto, o primeiro lugar entre todos os clubes de terceira divisão no mundo em engajamento de torcida no Instagram. Os dados foram publicados em forma de ranking pelo “Deportes y Finanzas”, que é dirigido por economistas.

O Remo possui 233 mil seguidores no Instagram, contra 278 mil do Santa Cruz-PE e 284 mil do Paysandu, segundo e terceiro colocados, respectivamente, mas tem o dobro de engajamento dos rivais na rede. O Leão teve 1,320 milhão de engajamento contra 573 mil do Santa e 565 mil do Papão.  

Na visão de analistas, o engajamento nas redes sociais adquire importância cada vez maior na área esportiva, principalmente quando se tornam fontes de patrocínio e renda. Marcas importantes do mundo do futebol competem por acessos, visualizações e likes por conhecer a força que isso representa.

Os clubes nortistas, em geral, não dão a devida importância a esse tipo de mercado, em flagrante expansão e capaz de mobilizar milhões de pessoas. Talvez o sucesso do Remo, com a surpreendente marca estabelecida em agosto, entenda que pode lucrar em cima da paixão e do interesse dos torcedores pelo clube.

Um reserva de luxo começa a abrir espaço no Papão

O zagueiro Wesley Matos, que foi contratado por ter o perfil de xerife e pela capacidade de marcar muitos gols, é um dos principais anotadores do Papão na temporada. Costuma marcar em jogos importantes, principalmente pelo bom posicionamento na área adversária em jogadas de bola parada.

Contra o Botafogo-PB, sábado passado, salvou o PSC de uma derrota quase certa. Subiu mais que todos os zagueiros e meteu a cabeça na bola para empatar um jogo complicado pela expulsão de Micael minutos antes. Aliás, Wesley entrou justamente para recompor a defesa após a exclusão do colega.

De boa impulsão, é um atleta que frequentemente aparece na área, reforçando o poderio ofensivo do time. Marca também em jogadas pelo chão, como no gol contra o Paragominas na segunda partida da semifinal do Parazão.

Provável titular no clássico de sábado, Wesley começa a ser sugerido para virar atacante, tamanha a facilidade para colocar a bola nas redes. Por ora, segue na zaga, cada vez mais perto da titularidade.

Um tribunal a serviço do retrocesso e da censura

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva, de trajetória muito questionada ao longo dos anos, resolveu ontem extemporaneamente reabrir a polêmcia gerada pelo “Fora Bolsonaro” proferido pela jogadora de vôlei Carol Solberg. Como as normas desportivas e olímpicas não permitem qualquer tipo de punição para manifestações políticas fora de jogo, o STJD resolveu se manifestar, aparentemente apenas para se mostrar submisso e solidário aos homens no poder.

Estranho é que, durante a campanha eleitoral em 2018, atletas das mais diversas modalidades se manifestaram aberta e até ruidosamente em favor do candidato que depois se elegeria presidente. Em nenhum momento, o STJD tirou de seus cuidados para advertir alguém, como faz agora com a indômita Carol. Tempos sombrios. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta terça-feira, 29)

Leão muda e volta a vencer

Wallace, revelado pela base do clube, marcou seu primeiro gol como profissional

POR GERSON NOGUEIRA

A atitude destemida e agressiva no ataque foi o diferencial do Remo no jogo de ontem. Só no 1º tempo foram quatro grandes chances na área do Manaus, atestando o posicionamento ofensivo do time de Paulo Bonamigo. No segundo tempo, mais três situações claras de gol, além do cabeceio indefensável de Wallace, que garantiu a dramática vitória, aos 35 minutos. Com o resultado, o Leão quebrou a série de cinco jogos sem vitória na Série C e voltou ao G4 passando a ocupar a terceira posição.

Como era esperado, o Remo ainda mostrou dificuldade para acelerar a transição e explorar o jogo ofensivo. Afinal de contas, durante toda a Série C, o sistema tático consistia de priorizar a defesa.

Com boa presença dos laterais Marlon e do estreante Ricardo Luz, e com Carlos Alberto organizando as ações, o Remo fez seu primeiro ataque mais forte, aos 11 minutos. Eduardo Ramos recebeu de Marlon, limpou a jogada e bateu no travessão. Aos 20’, ER passou a bola a Hélio, que chutou mal.

O camisa 10 ainda recebeu passe preciso de Ricardo Luz na área, mas o tiro saiu torto. Aos 28’, Tcharlles caiu pela esquerda, protegeu a bola e bateu no canto direito, mas Jonathan conseguiu fazer grande defesa.

O domínio era amplo, principalmente pelo volume técnico no meio, mas faltava contundência e constância nas tentativas de ataque. Os repetidos cruzamentos na área facilitavam o trabalho da zaga. No finalzinho, a bola bateu no braço de Jansen. Penal que o árbitro não deu.  

Paulo Bonamigo começou acertando em cheio na escalação, distribuindo o time de maneira mais natural, com dois volantes, dois meias e dois atacantes, com ER posicionado como um atacante em tempo quase integral.

Com Gustavo Ermel no lugar de Hélio, o Remo iniciou a 2ª fase ganhando chance de ouro logo aos 3 minutos. Um cruzamento de Tcharlles passou à frente do goleiro e sobrou para ER, que chutou, mas a bola desviou em Ermel e foi aliviada em cima da linha pela zaga.

Um bom avanço de Marlon aos 6’ quase resultou em gol, depois que o zagueiro Luís Fernando cortou errado e a bola pegou efeito contrário, quase entrando no gol do Manaus. Uma rara estocada dos visitantes foi com Janeudo, que acertou disparo venenoso, tirando tinta da trave de Vinícius.

Curiosamente, quando o Manaus era mais insistente ofensivamente, o Remo executou a jogada que decidiu a parada. Wallace, que substituiu a Eduardo Ramos, apareceu entre os zagueiros para cabecear no canto direito do gol de Jonathan, aos 35’. Quase marcou o segundo, aos 47’.

O jogo seguiu tenso, pela correria imposta pelo Manaus. Acontece que, aos 38’, Luizinho deu uma joelhada em Lucas e foi expulso.  

Ao contrário do Remo de Mazola, o time de Botafogo não desistiu de atacar quando já era pressionado nos minutos finais. Carlos Alberto foi o melhor do jogo, acompanhado por Marlon, ER, Warley (improvisado na direita) e Wallace. Já Tcharlles, Hélio e Ermel (que o substituiu) foram os menos produtivos, errando passes e decidindo mal.

Papão arranca bom empate em João Pessoa

A atuação no primeiro tempo deu a entender que o PSC repetiria o êxito da rodada passada, diante do Ferroviário. Mais desenvolto e organizado, o time controlava as ações e conseguia chegar com perigo. No segundo tempo, sofreu o gol do Botafogo quando atacava mais. A desvantagem fez ruir a segurança e balançou a equipe por alguns minutos.

O empate, em cabeçada de Wesley Matos, nascido do esforço para evitar uma derrota injusta, teve sabor de vitória, pois o Papão já tinha um homem a menos – Micael foi expulso aos 35 minutos.

As primeiras ações foram favoráveis ao Botafogo, mas o PSC foi se firmando e passou a atacar com frequência, falhando apenas no último arremate. Uilliam e Vinícius Leite desperdiçaram boas tentativas. Elielton quase marcou de cabeça e, no rebote, cometeu falta sobre o goleiro Samuel.

No início da segunda etapa, o PSC se mostrou mais presente no ataque. Logo aos 3 minutos, Vinícius Leite cruzou na área e a bola passou à frente de Uilliam e Elielton, que não conseguiram fazer o desvio para o gol.

Aos 20’, veio o castigo. Christiano cobrou escanteio e o centroavante Lohan subiu mais que os zagueiros, testando para o fundo do gol. A fim de dar mais consistência ao setor de ataque, Matheus Costa trocou Elielton por Luiz Felipe. Acontece que, aos 35’, Micael cometeu falta violenta e levou o segundo amarelo, deixando o PSC com 10 jogadores.

Apesar da desvantagem no placar, o time seguiu acreditando. O empate veio aos 41’, de maneira heroica: após escanteio, Wesley Matos desviou para o gol, lembrando o lance de Lohan pelo Botafogo.

Em termos de classificação, o resultado foi bem interessante. Apesar de ter saído do G4, com a vitória do Remo, o PSC tem 11 pontos e se mantém bem posicionado. E se mantém motivado, após duas vitórias e um empate, para o clássico contra o Remo no próximo sábado, 3.  

Nunca foi sobre saúde. A prioridade é levar vantagem

Em meio à ameaça de adiamento do jogo Palmeiras x Flamengo, uma decisão do juiz trabalhista Filipe Olmo, que acatou ação do Sindicato dos Atletas do Rio, proibiu o Flamengo de treinar, viajar e jogar nos próximos 15 dias. A liminar seria derrubada minutos antes do jogo, não sem antes criar um clima de bagunça que só prejudica o negócio futebol no país.  

O empate provou que não havia motivo para o Flamengo brigar tanto para não jogar. É justamente o clube que mais se rebelou contra prazos e protocolos, a ponto de ter forçado a antecipação do retorno do Carioca e labutar nos bastidores para apressar o início do Brasileiro, além de se juntar a Jair Bolsonaro na cruzada pela presença de torcida nos estádios.

De repente, num rasgo de incoerência, passou a pleitear o direito de não ir a campo alegando desfalques no elenco (18 contaminados). Um sindicato presidido por funcionário do Flamengo entrou na Justiça e conseguiu a liminar para adiar o jogo, contra a vontade da CBF e dos demais clubes, que defendem o protocolo aprovado por todos,

Como Rodolfo Landim não pensa em outra coisa a não ser impor sua vontade, o limite mínimo de 13 jogadores foi ignorado pelo Flamengo, atropelando o acordo firmado e abrindo rusga séria com os outros 19 clubes da Série A. Em nenhum momento, o clube explicou porque sempre agiu no sentido de descumprir as normas, incluindo viagens com avião cheio de dirigentes para os jogos pela Libertadores no exterior.

Ex-Botafogo, Luís Henrique cita semelhança com Ronaldo: ‘Falam da arrancada’

O Olympique de Marselha divulgou neste domingo a primeira entrevista de Luís Henrique, reforço contratado junto ao Botafogo. O atacante de 18 anos compartilhou suas primeiras impressões, citou suas características, inspirações e semelhança com Ronaldo Fenômeno.

Luís Henrique assistiu da arquibancada ao 1 a 1 entre Olympique e Metz no sábado, pelo Campeonato Francês. Seu time arrancou o empate nos acréscimos.

“A impressão que fica é que a cidade é muito bonita e as pessoas muito educadas. A primeira impressão que ficou foi boa. Estou muito ansioso para estrear pelo time e ajudar da melhor maneira possível”, disse o atacante.

Em conversa com o site Fogaonet.com, ele disse que se inspira em Ronaldo, Robinho e Ronaldinho Gaúcho. Sobre características de jogo, acha que tem semelhanças com Ronaldo pelas arrancadas.