Em áudio, Bruno denuncia esvaziamento da Funai e acusa governo de “anti-indígena”

Indigenista assassinado na região do Vale do Javari no começo de junho, Bruno Pereira gravou um áudio em maio, no qual denunciava ‘apropriação’ da Funai (Fundação Nacional do Índio) pelo governo e perseguição contra ele. Restos mortais de Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips foram encontrados no Javari na semana passada. No áudio recebido pela CNN Brasil, o indigenista afirma que estava sendo perseguido pela Funai, a qual o servidor foi licenciado, e sendo julgado “quase como um chefe de milícia”. Segundo Pereira, ele estava sendo atormentado pelo órgão, desde o começo do governo de Jair Bolsonaro (PL).

O UOL entrou em contato com a Funai para comentar o áudio. O texto será atualizado em caso de manifestação. “Aí, você vê, né, como o presidente usa atividade essencial para o cara ir lá pintar os ‘korubos’, sabe? E aí, os servidores que me denunciaram para, né, para a corregedoria, para ‘Pad’, que eu estou respondendo, quase como um chefe de milícia, sabe?”, afirmou. Acrescentando: “Ninguém abre um ‘ai’. E ninguém, quando a gente foi acusado ali embaixo, disso e de assado, ninguém abre um ‘ai’, né?”.

O indigenista afastou-se da Funai e apontou, no áudio, que já sabia que o processo seria “uma luta ferrenha”. Pereira também acusou o responsável por um cargo de DAS (Direção e Assessoramento Superior), de tentar fingir “que esse governo não é anti-indígena”. “Quando pedi meu afastamento, sabia que ia ser dessa forma, sabe? Sabia que ia ser uma luta ferrenha e estava preparado para isso, tenho meus filhos pequenos para dar de comer também, tenho toda uma história, tenho minha imagem, eu tenho também minha reputação, que eu, pelo que já lutei, já vivi, mas eu não conseguiria ficar ali. caladinho”, disse.

“O fulaninho do DAS 1, para se garantir, fica fingindo que esse governo não é anti-indígena, mas nós que estamos aqui. Quem é tu cara pálida? Foi totalmente abduzido, tomada, se apropriaram da Funai, todos nós sabemos disso”, acusou o indigenista. Incentivando seus outros colegas a “não baixar a cabeça”, Bruno Pereira afirmou que o governo Bolsonaro e a diretoria da Funai sabiam “muito bem pelo que eu luto”.

“Mas isso aí só gera […] e mais luta, né? Não vamos baixar a cabeça, não. Força aí, não desanime. Estar perto de mim é criptonita, é tóxico para essa direção. Eu me sinto bem por isso. Triste pelo todo, né? Bem no sentido de que bom que eles sabem muito bem o terreno marcado pelo que eu luto, né? Eu sei de que lado e quais as lutas que eu estou combatendo, né? Onde a gente está ganhando e onde a gente está perdendo”, afirmou. Pereira e Phillips desapareceram no dia 05 de junho na região do Vale do Javari. Com as mortes confirmada pela Polícia Federal, as investigações continuam para descobrir se haviam mandantes no assassinato. (Com informações do UOL)

Deixe uma resposta