A armadilha do Enem: entidades apontam risco de contaminação em meio ao avanço da covid

No cenário da grave pandemia de Covid-19 que acomete o mundo em nossos dias, a ciência, a medicina e a prudência recomendam o isolamento social como uma das medidas mais eficazes para impedir a propagação da doença e proteger a saúde das pessoas.

No Brasil, que já acumula mais de 206 mil mortes e onde há mais de 8,2 milhões de infectados pelo coronavírus – número que, neste início de ano, cresce com rapidez semelhante à do início da pandemia – a situação é particularmente grave, impondo cuidados que não podem ser minimizados.

Pois é nesse quadro de agravamento da crise sanitária que o Ministério da Educação e a Justiça Federal em São Paulo favorecem a aglomeração de pessoas, expondo-as ao contágio pelo coronavírus. A manutenção das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para os dias 17 e 24 de janeiro provocou indignação de entidades estudantis e científicas, secretários de educação e de saúde, além de instituições de defesa dos direitos dos cidadãos.

O Ministério da Educação recusa-se, olimpicamente – como é a marca do governo Bolsonaro,  que despreza o povo e não cuida de sua saúde e vida – ao diálogo com entidades estudantis, como a UNE, a UBES e a ANPG, e organizações que representam os cientistas, como a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que exigem o respeito às medidas de isolamento social e o adiamento da prova do Enem. As entidades representativas dos estudantes secundaristas, universitário e de pós-graduação divulgaram nota destacando que a consulta feita aos candidatos do Enem indicou o mês de maio para realização das provas. O objetivo é garantir a saúde de estudantes e funcionários encarregados pela aplicação da prova e também a necessária igualdade entre os mais de 5,78 milhões de estudantes que confirmaram a participação no exame.

Em documento dirigido ao Ministério da Educação, a SBPC, a UNE, a UBES, a ANPG e outras 45 entidades científicas e de estudantes, alertam para o grave perigo que a aglomeração, nas salas de exame representa para os envolvidos e chama a atenção para a situação da pandemia no Brasil de hoje, em que o contágio se acelera – e poderá ficar mais rápido devido à imprudência da realização do Enem na data marcada. E todos são unânimes em afirmar a responsabilidade do governo e do Ministério ante este quase provável agravamento.

Preocupação partilhada pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass ) e pela própria Defensoria Pública da União, que também defendem o adiamento da prova para época mais segura do ponto de vista da saúde pública. (Do Congresso em Foco)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s