Moro, ex-juiz de acusação, agora quer ser controlador da imprensa

Por Reinaldo Azedo, no Uol

O ministro Sergio Moro (foto), da Justiça, agora resolveu seguir os passos do presidente Jair Bolsonaro e atacar a imprensa dia sim, dia também. Não toda ela, claro! Só aquela que se encarrega de lembrar o que ele fez no verão passado — procedimento, diga-se, a que são submetidos todos os políticos. Sabem como é… Os candidatos a tiranos e tiranetes não gostam.

Já afirmei no programa “O É da Coisa”, na BandNews FM, o que vou escrever agora: Bolsonaro não tem legitimidade para atacar a imprensa porque, na democracia, ninguém tem. E que se note: “atacar” é diferente de criticar uma reportagem, apontar erros, evidenciar omissões. Isso é do jogo. O presidente alveja a própria atividade. Ele detesta o fato de que seus atos são submetidos ao escrutínio diário do jornalismo. Ou por outra: repudia a própria democracia.

Não tem legitimidade, reitero, para atacar, mas dá para entender por que o faz. A imprensa, de fato, sempre lhe dispensou um tratamento negativo. Não por prevenção, mas por senso de justiça. Ele passou 28 anos na Câmara a dizer as coisas mais detestáveis e absurdas. O simples registro de sua fala sempre correspondeu a uma abordagem depreciativa. Por responsabilidade exclusiva de quem emitia os juízos boçais.

De todo modo, a imprensa não participou da “invenção” de Bolsonaro. Mas participou, sim, da criação de um outro mito: Sergio Moro. Bolsonaro se fez sem a ajuda do jornalismo — ao menos a voluntária. Registro, pois, à margem que dar publicidade a suas estultices, ainda que de modo crítico, correspondia também a ampliar o seu público. Temos, no entanto, a obrigação de noticiar. Ponto.

Moro só colheu louros desde que foi deflagrada a Lava Jato, há mais de cinco anos. Seus atos ilegais e seus exotismos judiciais eram vistos como um modo célere e inteligente de combater a impunidade. De resto, cumpre lembrar a rotina de vazamentos criminosos que acompanhou a operação desde o início. E estavam criadas as condições para animar a mentalidade dos tolos com a ideia de um Super-Homem contra a corrupção.

Até hoje, há setores renitentes da imprensa que se negam a reconhecer a contumácia com que o doutor agrediu fundamentos da Constituição e do Código de Processo Penal, além de uma penca de outros títulos legais.

Portanto, seu ataque à imprensa, além de ilegítimo, como o do seu chefe, é também ingrato.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s