A atualidade terrível da série que Haddad disse retratar as “bozoaflições contemporâneas”

Por Nathalí Macedo

handmaids-tale1

Este artigo está sendo republicado após a declaração de Fernando Haddad no Twitter: “Depois de Black Mirror, The Handmaid’s Tale é das distopias que mais dialoga com as bozoaflições contemporâneas. Vale a pena”.

Imagine uma série carregada até os dentes de ideologia feminista sem nenhum determinismo e nenhuma demagogia, em pleno Século XXI, quando todos – ou quase todos – são deterministas e/ou demagogos.

Inimaginável? Pois existe.

“The Handmaid’s Tale” está ambientada em um universo distópico que, curiosamente, mas não por acaso, está muito próximo do nosso próprio universo.

w3yn9m9s-1490826576-tale-1170x480

June, a protagonista, é uma mulher independente, casada e mãe de uma filha. Ela vive normalmente no mundo ideal da igualdade de gênero – esse mesmo que nós, enganadas, acreditamos vivenciar -, até que, após um surto de infertilidade, instaura-se uma ditadura patriarcal no mundo e ela perde sua família, seu emprego, sua independência, sua vida e sua indentidade: em vez de June, passa a chamar-se Offred, que quer dizer “Serva de Fred”, o homem que, a partir de então, passa a ser o seu dono.

Sim, isso causa náuseas.

O universo da série é construído a partir de castas: as “Aias” são as mulheres férteis (June é uma Aia), – aquelas que já tinham seus filhos antes da instauração da ditadura (os filhos lhes são arrancados à força), – responsáveis por engravidarem de seus “donos” e salvarem a humanidade da extinção – nós, sempre, mães do universo! -, as “Marthas”, que, não podendo mais reproduzirem, cuidam dos serviços domésticos, as “esposas”, aquelas cheias de privilégios sociais que se empenham em auxiliarem seus maridos no ofício de oprimirem as mulheres menos privilegiadas e não se dão conta de que, a despeito dos privilégios, também são oprimidas, e, finalmente, mas não menos importante, as “Tias”, mulheres responsáveis a ensinarem – às vezes na base da doutrinação, às vezes do castigo físico – às Aias que perpetuar a humanidade é o seu dever e que elas devem se sacrificar porque Deus quis assim.

Se você é uma mulher e essa divisão de castas não tem nenhuma semelhança simbólica com a realidade, desculpe, mas você tem problemas cognitivos.

“Vocês devem se sacrificar porque Deus quis assim” é, alias, o que diz a bancada evangélica brasileira do Século XXI, embora eu não queira acreditar que o universo horrendo de The Handmaid’s Tale esteja tão perto de mim.

Acontece que, queiramos ou não, há varias tias e várias esposas e, principalmente, vários potenciais donos à espera de servas, com a bênção de Deus.

O sacrifício que “Deus” – o patriarcado, lamentavelmente, É Deus –  consiste em submeter-se a um ritual de fertilização – estupro, o nome – em que a esposa segura nas mãos da Aia, que é penetrada pelo seu dono. Para a procriação. Porque deus quis assim. Inclusive, o estuprador ora antes e depois do ato. Fofo.

A série foge do clichê mulheres-rainha-homens-nadinha. Esposas oprimem aias. Tias oprimem aias. Aias oprimem umas às outras. Aias se apaixonam por seus algozes. O mundo, sabem os roteiristas, não é linear.

Pode ser vista no canal da Paramount (além do torrent piratão).

Mas por que, afinal, uma série tão adstringente tem sido aplaudida por nove entre dez feministas e pessoas interessadas nas questões de gênero?

Porque sua adstringência é um mal necessário. Suas personagens femininas são bem construídas, seus conflitos são bem colocados e questões importantes – maternidade, abuso, sororidade – são postas com cuidado, poesia, honestidade e uma dose de sadismo (inclusive, há gatilhos gravíssimos para mulheres que já sofreram abuso sexual. Para estas, não recomendo).

A série vale a pena pelos simbolismos sutis, por explorar a estreita relação entre religião, maternidade e opressão de gênero e, se nada disso for suficiente, vale só pela beleza – cada cena é um quadro perfeito.

Um comentário em “A atualidade terrível da série que Haddad disse retratar as “bozoaflições contemporâneas”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s