Golpe que atingiu o país não é invencível, diz rede ligada à Igreja Católica

14 de novembro de 2017 at 10:46 1 comentário

DOl4nCHWkAYfisd
Redes ligadas à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiram uma carta com uma mensagem otimista em relação ao golpe de Estado dado pelo grupo que levou Michel Temer ao poder e que culminou com uma série de mudanças em políticas públicas que retiraram direitos sociais.
De acordo com a mensagem das Comissões Justiça e Paz da CNBB e da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação da CRB, que formam a Rede Brasileira Justiça e Paz, “o quadro atual de grandes perdas e de ameaças a direitos não abala a nossa fé na democracia pois o golpe que atingiu o nosso país não é invencível. A força da militância dos movimentos populares, irá demonstrar, mais cedo do que se imagina, como em outros momentos da história, que as tiranias sempre sucumbem à irresistível vontade popular.”
A carta critica o fim da CLT, medida que acaba de entrar em vigor, uma “ousadia que nem o arbítrio de 1964 foi capaz de propor”, e que Temer só conseguiu tirar do papel comprando apoio político para se manter no poder, a despeito das denúncias da Lava Jato. “Essa lógica cruel, incapaz de sentir qualquer remorso com a dor de milhões, é constantemente tratada como responsabilidade fiscal”, diz a nota, que ainda leva as críticas ao Judiciário.
“Tal quadro desolador se completa com a hipertrofia do judiciário, nem sempre distante das paixões políticas presentes na sociedade. Aliás, muitos se perguntam se ele não estaria em algum grau partidarizado e comprometido com o modelo econômico neoliberal.”
O informe ainda aponta que a “esperança que anima a nossa militância tem mantido acesos movimentos, redes e mobilizações” e isso tem ajudado a criar “resistência” e fazer o governo recuar em algumas pautas, como ocorreu no caso da Renca, “da insidiosa portaria que legitimava o trabalho escravo, bem como da cada vez mais improvável Reforma da Previdência.”
Leia a manifestação completa abaixo.
Mensagem pública aprovada pelas Comissões Justiça e Paz da CNBB e a Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação da CRB, que formam a Rede Brasileira Justiça e Paz, reunidas em Brasília, de 10 a 12 de Novembro de 2017
Misericórdia e fidelidade se encontram, justiça e paz se abraçam (Salmo 85, 11) 
A realidade brasileira expõe uma nação à deriva, sem rumo, entregue à voracidade do mercado financeiro nacional e internacional. Há quem sustente que esta situação revela algo premeditado e
com objetivo claro: aprofundar o modelo de país voltado para fora como fonte de matérias primas oferecidas às metrópoles de plantão.
Tal anomalia tem uma funcionalidade, pois legitima a adoção de políticas que, num quadro de normalidade, jamais seriam aceitas. Ao explorar o vocábulo crise, implicitamente induz à admissão de que o Estado Democrático de Direito ainda subsiste e não estaríamos caindo em outra realidade, um novo formato de Estado, voltado à multiplicação de lucros e ampliação do controle penal dos “indesejáveis”, em negação de valores essenciais à própria humanidade.
É dentro desta perspectiva, que se explica a interminável necessidade de buscar a desconstrução dos instrumentos de governança e inclusão social, que desde 1930 deram sentido à nacionalidade brasileira, apesar dos inúmeros limites e percalços que não podem ser olvidados.
Há poucos meses foi decretado o fim da CLT, medida que acaba de entrar em vigor, ousadia que nem o arbítrio de 1964 foi capaz de propor. O atual Presidente da República comporta-se sem cerimônia e desprovido da “liturgia do cargo” para enterrar as denúncias que pesam contra ele e seus mais próximos auxiliares. Para tanto, faz uso indevido de nomeações, verbas e distribui privilégios que o mau manejo da máquina pública proporciona, em escandalosa cooptação de parlamentares e parte majoritária da mídia empresarial.
O discurso oficial apregoa que teríamos entrado num lento, porém virtuoso processo de retomada do emprego, da renda e da atividade econômica. Tal aceno, choca-se com a sensação real de instabilidade institucional, pobreza crescente e enorme desemprego. É preciso lembrar que as medidas de “contenção de despesas” destinadas à área social acoplam-se à permanente drenagem desses recursos desviados para o infindável pagamento de inaceitáveis juros da dívida pública. Essa lógica cruel, incapaz de sentir qualquer remorso com a dor de milhões, é constantemente tratada como responsabilidade fiscal, verdadeira adoração ao mercado e desprezo pelos pobres, mulheres, negros, jovens, desempregados e indígenas.
Tal quadro desolador se completa com a hipertrofia do judiciário, nem sempre distante das paixões políticas presentes na sociedade. Aliás, muitos se perguntam se ele não estaria em algum grau partidarizado e comprometido com o modelo econômico neoliberal que se quer impor ao Brasil. Afinal, atribui-se a um dos ministros do STF a inaceitável expressão “a Constituição não cabe no
orçamento”. 
No campo da sociedade civil está presente forte e difundida oposição à implementação desse modelo, entretanto sem a força necessária às mobilizações, em parte fragilizadas pelo risco do desemprego que coloca os movimentos dos trabalhadores na defensiva, em parte, pela ausência de uma proposta de luta clara, exequível e unificada.
A esperança que anima a nossa militância tem mantido acesos movimentos, redes e mobilizações. Por isso, nossa resistência tem sido capaz de impor o recuo do governo em questões como a da Renca, da insidiosa portaria que legitimava o trabalho escravo, bem como da cada vez mais improvável Reforma da Previdência.
Esse quadro atual de grandes perdas e de ameaças a direitos, não abala a nossa fé na democracia pois o golpe que atingiu o nosso país não é invencível. A força da militância dos movimentos populares, irá demonstrar, mais cedo do que se imagina, como em outros momentos da história, que as tiranias sempre sucumbem à irresistível vontade popular. (Com informações do Jornal GGN) 

Entry filed under: Uncategorized.

Cabrini é atração no Publicom Belém Tribuna do torcedor

1 Comentário Add your own

  • 1. Anônimo  |  14 de novembro de 2017 às 12:01

    POR ISSO amo o Jesuíta Comuna da Santa Sé.
    Essa carta tem assinatura inquestionável do PAPA FRANCISCO.
    Com mãos firmes e gestos mais que solidários (socialistas?) ele segue abrindo a SMICAR ao povo, os amigos do nazareno. Afinal nenhum fariseu jamais passará pelo buraco de uma agulha, os camelos sim, estes irão para o céu.
    AVE, FRANCISCO!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,398,527 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.961 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

José FERNANDO PINA A… em Enfim, um craque esclarec…
blogdogersonnogueira em Papão se despede da torcida co…
Filipe Rocha em Capa do Bola – domingo,…
Jorge Paz Amorim em Capa do Bola – domingo,…
Mauricio Carneiro em Papão se despede da torcida co…

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

novembro 2017
S T Q Q S S D
« out    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

NO TWITTER

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: