Contra o desejado

Por Janio de Freitas

Os juros em alturas imorais eram acusados de impedir a retomada efetiva do crescimento e a capacidade da indústria de competir com a produção estrangeira. Os juros foram baixados. E as correntes que os culpavam entregaram-se a intensas e extensas críticas à sua redução. A energia cara era há muito acusada de obstruir o crescimento econômico e a capacidade de competição da indústria brasileira. Foi reduzida em 32%, um terço, para a produção industrial. E as correntes que a culpavam se entregam a criticá-la e desacreditá-la.

Esse jogo de incoerências proporciona noções importantes para os cidadãos, mas de percepção dificultada pela próprio jogo.

Está evidente na contradição das atitudes o quanto há de política no que é servido ao público a respeito de assuntos econômicos. Na maioria dos assuntos dessa área, o direcionamento é predominantemente determinado por política, e não pela objetividade econômica.

É assim por parte dos dois lados. Mas não de maneira equitativa. Os economistas mais identificados com o capital privado do que abertos a problemas sociais, ou a projeções do interesse nacional, fazem a ampla maioria dos ouvidos e seguidos pelos meios de comunicação.

É esse o desdobramento natural da identificação ideológica e política e das conveniências mútuas, entre empresas capitalistas e “técnicos” do capitalismo. Mas não necessariamente, como supõem certas interpretações ditas de esquerda, um desdobramento forçado aos jornalistas. Também entre os comentaristas e editores há, é provável que em maioria, identificação com os economistas do capital. E, em certos casos, com o capital mesmo. O que vai implicar tratamento político –de apoio ou de oposição– a decisões econômicas e respectivos autores.

Foi a essas críticas políticas que, a meu ver, Dilma Rousseff respondeu junto com a comunicação do corte maior no preço da energia. Nada a ver com o lançamento de campanha reeleitoral que lhe foi atribuído pelo presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra, logo seguido pelos porta-vozes, assumidos ou não, do PSDB e dos remanescentes do neoliberalismo.

Do alto de sua aprovação pessoal e da aprovação ao seu governo, o que de menos Dilma Rousseff precisa é precipitar a disputa eleitoral. Essa necessidade não é dela, é dos oposicionistas –como se viu, há pouco, Fernando Henrique propondo o início imediato de um périplo eleitoreiro de Aécio Neves pelo país afora.

Dilma Rousseff fez a promoção de seu governo como Fernando Henrique fazia do seu, e todos os presidentes fizeram e fazem. A afirmação de que falou como candidata leva a uma pergunta: se não a favor do seu governo e da novidade que lança, nem há algo grave, como é que um/uma presidente deve falar?

A redução do preço da energia e a queda dos juros agravam o aturdimento da oposição representada pelo PSDB. Se nela não brota nem uma ideiazinha nova, para contrapor à queda de juros, desoneração da folha de pagamento, redução do IPI, ampliação do crédito para casa própria, só lhe resta dizer que isso não passa de um amontoado de medidas de um governo sem rumo. Mas não ver nesse amontoado, ainda que para criticar, uma coerência e um sentido de política a um só tempo industrial e social, aí já é problema para quem organiza o Enem.

Cabra bom…

3 comentários em “Contra o desejado

  1. A Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel) passa a ser denominada Autarquia de Mobilidade Urbana de Belém (Amub) conforme determina a lei 8.951, de 30 de agosto de 2012, A mudança será apenas na nomenclatura pois o órgão já atua como autarquia desde 2002, quando deixou de ser empresa pública.
    A mudança da condição de ‘companhia’ para ‘autarquia’ permitiu uma maior autonomia financeira e de gestão, o que conferiu maior adequação ao serviço prestado pelo órgão que passou a ter competência para elaborar o Plano Municipal de Mobilidade Urbana, integrado ao Plano Diretor Municipal,o que era incompatível com a antiga natureza de companhia.
    O decreto deixa claro que nenhuma decisão até então tomada com o nome CTBel deixa de vigorar até que a transição para a nova nomenclatura seja concluída. A identidade visual de agentes e viaturas de trânsito também terá mudanças, bem como os documentos oficiais e canais de comunicação do órgão, de forma que a população aos poucos se acostume ao novo nome.
    Fonte: Ascom Amub

    Agora vai…rsrrs

  2. 1. Não temos oposição!!!
    2. Ctbel para Amub, espero que a mudança não se restrinja só ao nome, queremos ações positivas urgente.

  3. Também não vejo nada de mais no fato da Dilma ter vindo dar uma notícia boa vestindo a cor do partido pelo qual se elegeu e de ter reclamado da oposição que torce contra.

    Agora, a pergunta é: por que ela não aproveitou o ensejo e não levou ao conhecimento da nação o aumento da gasolina? Será que é porque notícia ruim ela deixa pro Mantega? Ou será porque inflação não combina com vermelho?

    Daqui pra frente se nas redes sociais começarem a chamá-la “DILMA, ELAS POR ELAS”, não será sem razão.

    Enfim, aumento de combustíveis também é CONTRA O DESEJADO.

    Vamos ver o que o Jânio vai falar a respeito.

Deixe uma resposta