Ganso provoca briga de cachorro grande

Por Paulo Vinícius Coelho

O grupo Sonda derrubou nesta segunda-feira a liminar com a qual o Santos impedia o fundo de investimento de fazer valer os 25% adquiridos do contrato de Paulo Henrique Ganso: “Fizemos isso, porque o Santos não é parceiro”, diz o executivo do grupo Sonda, Roberto Moreno. “Hoje, podemos conversar com qualquer clube do mundo para vender o jogador”, diz Moreno. A situação não é tão clara assim. O Santos questionou na Justiça os 25% comprados pelo Sonda na gestão Marcelo Teixeira, por julgar o negócio abusivo contra o clube. Na época, o fundo de investimento adquiriu 1/4 dos direitos de Ganso por R$ 178 mil. O Sonda tem o total de 45% dos direitos, porque comprou outros 20% diretamente da família de Paulo Henrique Ganso.
A queda da liminar permite ao Sonda fazer valer os 25% adquiridos do clube, mas como o Santos segue majoritário (tem 65% do contrato), uma negociação para o exterior depende da liberação da direção santista, não do fundo de investimento. Paulo Henrique Ganso é o ponto alto de uma guerra entre a direção do Santos e o fundo de investimento. Em outubro, o meia-armador recusou proposta de plano de carreira, proposta pela diretoria santista nos mesmos moldes da que havia sido assinada por Neymar. Na sequência, o Sonda se irritou com a compra de 5% dos direitos econômicos de Neymar pelo fundo de investimento Terceira Estrela, criado com dinheiro de 29 empresários que torcem pelo Santos, parte deles pertencente ao Conselho Deliberativo do Clube ou ligada à diretoria. O Sonda alega que a direção santista favorece seus aliados.
O assunto é complexo. Nos últimos cinco anos, o futebol brasileiro ganhou capacidade de investimento graças ao dinheiro injetado pelos fundos de investimento, como o Sonda, a Traffic e o MFD. Os fundos de investimentos podem fazer bem à economia dos clubes. Mas a relação com alguns desses fundos tem sido útil apenas a curto prazo. A médio e longo prazos, alguns deles têm se mostrado predadores. “Ou especuladores, como é o caso do Sonda”, diz o presidente do Santos, Luis Álvaro. “O Terceira Estrela é feito por santistas que estão pensando em ajudar o clube. É melhor isso ou trabalhar com quem não tem relação com o clube, como o Sonda, que pertence a um empresário que torce pelo Internacional”, pergunta Luis Álvaro.
A guerra promete outros capítulos. Neste momento, o Sonda está disposto a ouvir propostas de clubes do exterior e vender Paulo Henrique Ganso o mais rápido possível. Mas só terá aval para qualquer negócio se o Santos concordar. Vale lembrar que nos últimos anos, o Santos foi o único clube a segurar um dos jogadores mais badalados do mercado internacional, ao rejeitar proposta do Chelsea por Neymar, em agosto passado.

3 comentários em “Ganso provoca briga de cachorro grande

  1. Por mais que não queira, o sistema de hoje não livra o jogador da situação de escravo, apesar de alguns bem remunerados para tal.

    Curtir

  2. BERLI: Escravo é professor. Jogadorde futebol é celebridade. Se isso for escravidão, aqui está um que gostaria de ser um desses escravos. Professor apanha de aluno. Jogador dá em juiz. Queres mais?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s