Pendurando os suspensórios

A TV norte-americana viveu uma noite histórica nesta quinta-feira. O apresentador Larry King despediu-se do ar, na CNN, depois de 25 anos ininterruptos no ar. Aos 77 anos, King já não conseguia ostentar os mesmos números de audiência do auge. Caiu para a terceira posição e vinha despencando cada vez mais. Para piorar, vinha cometendo gafes seguidas no ar (mais ou menos como Jô Soares cansa de fazer por aqui). No programa final, foi homenageado com as participações gravadas do ex-presidente Bill Clinton e do atual, Barack Obama. Para o seu lugar, a CNN já tem engatilhada a estreia de Piers Morgan, que também fará um programa de entrevistas.

23 comentários em “Pendurando os suspensórios

  1. O velho Larry com a sua proverbial irreverencia fez muita celebridade tremer aos olhos dos “gringos” crédulos. Convenhamos, 77 anos de idade, 25 de TV e ainda ser o 3° em audiencia, Larry King merece ser canonizado como milagreiro midiatico.

  2. FALTOU O COLUNISTA INFORMAR QUE QUE ELE VAI CONTINUAR A SERVIÇO DA C N N em ocasiões especiais e a frase emblemática reveladora é quando ele diz…”Não é um adeus ,é um até logo”

    1. Não faltou informar, não, camarada paraguaio. Fiz questão de centrar a nota no fim do programa regular dele. Em TV, é importante observar que existem programas sazonais com apresentadores convidados – e é o que, eventualmente, ele passará a fazer. Mas, oficialmente, ele deixou o tradicional programa de entrevistas.

  3. Caro G. N não sou paraguio.Sou brasileiro naturalizado há mais de duas décadas.Embora tenha nascido na Argentina.Creio que vc possa manter o respeito pela minha pessoa não só pelo grande jornalista que é ,mas também por ser sabedor ,melhor do ninguém de que eu tenho o direito de discordar de vc em outros segmentos ,embora tenhamos uma coisa bastante em comum ;o gosot pela música refinada , e por vivermos num estado democrático de direito,certo?

  4. Penso que há no Brasil uma galera que poderia tomar a decisão do Larry King como modelo e pendurar o microfone. Uns já desgastados pela longevidade e outros tantos pela mesmice, que leva ao envelhicemento precoce e agasta a assistência.
    Certamente, o telespectador agradeceria.

  5. As novelas da PLIM=PLIM cabem nesse barco?Seria tão bom programas educativos em vez da Angélica diariamente fazendo lavagem cerebral no povo que se senta diante da tv à tarde ,perguntas e perguntas sobre novelas …NADA DISSO É RELEVANTE para o povo ,mas “coitado” de mim se falar mal da Globo e das novelas…

  6. O argentino Alonso tá sempre certo,essas bostas de programas só serven mesmo pra enganar o povão.Sou povão no sentido da simplicidade ,mais não sou teleguiado nem trouxa.

  7. É como eu disse, o cara sempre tem razão e o Obama com certeza diria “esse cara é mais cara que aquele sapo barbudo ilusionista”. Te contar. Prá lá de cabra bom. Rsrsrsrs

  8. Também penso assim Carlo Berli só porqueo cara é Argentino vamo detornar o cara se ele faz as criticas certas.Eu prestei atencão que ele o Alonso sempre como diz voce manda um tango bem dançado como a postagem em que ele fala que vivemos numa democrasia e tds devem ter direito a opinar e criticar.

  9. Se mudar de canal não resolve, tenha sempre ao seu alcance um livro desde que não seja pio que a tv, o rádio e jornal. Acho que críticos de outros generos são melhor entendidos. No caso especifico do jornalismo esportivo a dificuldade está em convencer um público exigente e entendido.

  10. O grande problema caro Tavernard é que tanto na Argentina como no BRASIL E EM OUTRAS PLAGAS A JUVENTUDE NÃO GOSTA DE LER.FUI LECIONAR FÍSICA , SUBSTITUINDO UM AMIGO POR UM MÊS QUE HAVIA SE ACIDENTADO E O CURSO DE ENGENHARIA ESTAVA NO FINAL DO SEMESTRE PORTANTO UMA SITUAÇÃO IMPERIOSA E ELE ME PEDIU ESSE FAVOR COM A ANUENCIA DA DIREÇÃO DA FACULDADE CLARO E ME SURPRENDI COM A FALTA DE INTERESSE DOS ALUNOS EM LER.CONVERSEI COM OS PROFESSORES DE CIENCIAS HUMANAS E ELES ME DISSERAM QUE ATUALMENTE É ASSIM MESMO ,NINGUÉM QUER LER.Assim se o sujeito não ler não terá senso critico e tampouco embasamento para discernir entre as opini~eos prováveis a que se aproxima do obejto real ,seja no campo esportivo ,da ciencia ou na sociedade.Certo?

  11. Alonso, seu país de nascimento cultivava a leitura como poucos .Em determinada epoca a cidade de B. Aires tinha quase o mesmo numero de livrarias que o Brasil. Hoje esse panorama já não é o mesmo. O seu novo país ainda não atingiu o nível necessário de leitura e por isso é quase inculto. Há quem publicamente diz não gostar ler (livros evidentemente).

  12. SIM CARO TAVERNARD E ISSO MUITO ME ENTRISTECE,IMAGINE QUE QUANDO TENHO UMA FOLGA E AGORA COM O IPAD TENHO TROCENTOS LIVROS NO BOLSO LITERALMENTE E ACESSO FÁCIL E RÁPIDO À INTERNET E FICO HORAS LENDO, SAIBA QUE AS PESSOAS ME PERGUNTAM O QUE E PORQUE EU LEIO TANTO…COMO COSTUMO DIZER QUANDO DISCORDO DE ALGO .TRISTE…

  13. É isso mesmo Alonso, aceito a afirmação que o “prazer da leitura é pessoal e não social’ . Aliás isso ocorre n’outros prazeres. Há os que desgustam um bom vinho. Outros sabem sorver um bom wiski e há os que buscam nos rotulos dessas bebidas apenas afirmação social. E há também os que acham vulgar o prazer da caipirinha. É ou não é cultural.

Deixe uma resposta