Conselheiros tentam impedir venda do Baenão

Em meio ao cipoal de informações e boatos em torno da venda do estádio Evandro Almeida, o Conselho Deliberativo do Remo reúne na próxima segunda-feira para discutir todos os problemas do clube e votar um possível embargo à transação entre o presidente Amaro Klautau e as empresas Agre/Leal Moreira. A Justiça do Trabalho estabeleceu o dia 21 de setembro como data-limite para efetivação do acordo entre AK e os compradores, mas já se especula que a homologação do negócio só deve ocorrer em outubro.

Com tantas especulações e nenhuma declaração por parte da presidência do Remo, dá-se como provável a escolha de uma área no bairro Anita Gerosa, em Marituba, às proximidades do lixão do Aurá, como local da futura Arena do Leão. A respeito do documento, as empresas teriam apresentado um memorial descritivo incompleto à Justiça do Trabalho. As especificações técnicas não constam do documento, pois não há um terreno definido para a obra. Em sentido contrário, conselheiros e grandes beneméritos se movimentam para sustar a transação da maneira como o presidente do clube tem encaminhado.

O grande benemérito Ronaldo Passarinho irá apresentar na reunião do Condel documentos que, em sua opinião, comprovam irregularidades no processo de venda. “Há muita coisa está errada e tenho como provar. Quero deixar bem claro que nós não somos contra a venda do Baenão, e sim da forma como as coisas estão sendo feitas. Acreditamos que por R$ 28 milhões (sem contar os R$ 1,2 milhões de patrocínios e mais R$ 4 milhões para a compra do terreno) esse será o ‘negócio do século’ da construtora”, disse, chamando atenção para o valor. 
         
Estudos desenvolvidos pelos conselheiros indicam que o estádio Evandro Almeida valeria R$ 54 milhões, conforme a cotação atual do mercado imobiliário em Belém. “Isso deverá ser seriamente discutido na reunião do Condel. A venda do estádio é uma alternativa para o Remo, mas o valor não é o correto. O valor proposto não daria para pagar as dívidas. Ainda existem R$ 5 milhões de dívidas cíveis. Vamos acabar perdendo a sede social”, completou Ronaldo Passarinho. Ele também não poupou críticas à participação do Remo na Série D, estranhando que o presidente Amaro Klautau esteja aparentemente satisfeito com a campanha do clube. “Nossa desclassificação foi vergonhosa. Tínhamos um plantel fraco, um técnico mentiroso e agora estamos sem série”, desabafou.

Ao mesmo tempo, conselheiros do clube ingressaram com pedido de tombamento do patrimônio imaterial do Evandro Almeida junto à Secretaria Municipal de Urbanismo, à Secretaria Estadual de Cultura e Patrimônio Histórico, a fim de impedir a venda do tradicional estádio de 75 anos de existência. (Com informações do Bola, Rádio Clube e Diário On-Line)

7 comentários em “Conselheiros tentam impedir venda do Baenão

  1. Bom, antes tarde do que nunca. Tomara que reunam mesmo e tomem alguma medida eficaz para desfazer este imbroglio (inclusive punitiva para os responsáveis), e não façam aquela encenação que fizeram na oportunidade passada. Só uma coisa: bom que se relembre para que ninguém esqueça, que o preço que, com razão, agora é reputado de muito baixo (28 milhões, mais 4 milhões pela compra do terreno para construir a arena, mais 1,2 milhões a título de patrocínio) é o mesmo que constou da proposta das empresas e que foi aprovada pelos Conselheiros e que resultou na autorização para que a presidência levasse adiante as negociações.

    Curtir

  2. O Andres Sanches acabou de falar que o CT do Corinthians vai custar em torno de 27 Milhões. Amaro Klautau deveria ser beatificado. Vai construir CT + Estádio por 32. É o milagre da multiplicação dos peixes.

    Curtir

  3. Nunca em Belém um assunto polarizou tanto a atenção, interesse e preocupação, com a venda do Baenão. A discussão não restringiu-se às hostes remistas. Incentivado, alcançou alguns torcedores rivais que participam da discussão como se o asunto fosse de interesse do seu clube. Outro dia um blogueiro foi categorico quando afirmou : o assunto já está fedendo. Está mesmo e a fedentina vai durar porque dá ibope . Deixei de discutir o assunto por faltar-me soluções a sugerir. Assim procedo evitando a impertinencia (prima-irmã da irreverencia).

    Curtir

  4. TAVERNARD: Quero discordar de você um pouco. Se não houvesse essa fedentina e se todos estivem calados, não haveria a pressão, pressão essa que vai fazer com os beneméritos se reunam, para discutir todas essas informações aqui colocadas inclusive as chacotas dos bicolores. O assunto para mim não fede, pelo contrário, esclarece. E quem diz fedorento, é por que não tem discernimento do que está por vir, depois da negociata. E digo a você, como jornalista que é, eu, um simples professor, porém preocupado com a nação azulina, coloquei mas mão de Ubirajara Salgado e do prof. Moreira, da Atar, um projeto de sócio torcedor, todavia, independente da direção, pois seriamos nós, torcedores, que teríamos o poder de decisão, de comum acordo, para que o Clube não sofresse esses absurdos. No meu projeto (que se encontra com o prof. Moreira) alcançariamos de 400 a 450 mil mensais, o que serviria para pagar a dívida e depois a reconstrução do Baenão, tranformando-o em Arena multiuso. Acontece que o projeto é transparente, e como no futebol tudo é obscuro, talvez por isso não houve o devido interesse.

    Curtir

  5. Vai me enterrar na areia?
    Não, não, é no lixão.

    Vai me enterrar na areia?
    Não, não, é no lixão.

    Tô ficando atoladinha,
    Tô ficando atoladinha,
    Tô ficando atoladinha,

    Quro ver todo Remourubu canta. vai, vai, vai…………….

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s