5 comentários em “Capa do DIÁRIO, edição de sexta-feira, 10

  1. Leio agora : ” manobra contábil na capitalização da Petrobras garantirá ao governo federal alcançar o superavit primário de 3,3% prometido para 2010. ” . Por sério o assunto deve ser discutido com seriedade. Sem sofismas e sem chacotas.

  2. A ciência contábil é motivo de chacota porque sendo uma ciência não é representada por cientistas porque os profissionais dela não são vistos e nem se fazem reconhecer assim. A chacota mais velha é a aquela do “quanto é dois mais dois” que após as respostas exatas chega o contador e diz “depende” que passou a ser interpretado como “depende do senhor, patrão”.Numeros relativos são a matéria prima da contabilidade e quando alguém escusa-se a reconhecer suas limitações quanto ao dominio da ciência em questão esvai-se sem perder a pose a transfere o seu desconhecimento sobre a ciência com termos como “manobra”, “macete”,”gambiarra” e outros menos sociáveis. Sobre a capitalização da Petrobras para investir 30 bilhões de recursos internos, representados pelos fundos de ação, como o fundo de garantia e outros existentes no país para que o governo (bota ai mais uns 50 anos de todos os governos que virão) possa, sem abrir mão do controle acionário, investir na exploração do pre sal para o futuro das próximas décadas vender o seu produto, hoje caucionado na capitalização a 8 dolares o preço maximo/ barril, alcance os projetados 10 dolares no mercado internacional
    Acho que o amigo foi oportuno em levantar essa questão.

  3. A própria expressão ” manobra contábil “, em si já suscita sifismas e/ou chacotas. O domínio teórico da contabilidade (como ciência) não deveria permitir “manobras”. Contudo, isso não é privilégio do setor público. Como sabemos, está profundamente entranhado na vida empresarial. O setor privado é o senhor e soberano nesse campo. Trata-se da grande dor de cabeça da SEC (a CVM americana). Nenhuma regulamentação sobre governança corporativa tem surtido efeito positivo, pelo menos para os acionistas minoritários.

Deixe uma resposta