Atenção aos próprios defeitos

87b6e79a-8c60-3f14-a8c0-bb5b764c8a23

Por Mauro Cezar Pereira

Favorito! Sim, o Brasil já pode ser definido dessa maneira faltando menos de um ano para a Copa do Mundo. Mesmo que Dunga e seus Blue Caps não queiram, a imprensa mundial, os treinadores das demais equipes, não vai faltar quem aponte o time brasileiro como maior candidato em 2010.

Tal rótulo, justo, ao mesmo tempo traz perigos. O primeiro deles, chama a atenção de tudo e de todos. Claro que a maioria dos torcedores e jornalistas vai dar destaque aos aspectos positivos do time montado por Dunga, que vai virando técnico, o que deve ser admitido, inclusive por seus criticos mais ferrenhos, como este blogueiro.

O treinador inventado pela CBF (se eu utilizava tal frase quando as coisas andavam mal, a mesma deve ser utilizada agora, claro) acerta ao não abrir mão de seus sistema defensivo feroz. Usa bem o contra-golpe e as bolas paradas, que são treinadas, sim, mas nada exaustivo, como dizem alguns coleguinhas…

Defeitos do time? O pobre repertório, bola parada, contra-ataque… que mais? Improviso, talento individual, o de sempre. E quando uma boa equipe cruzar o caminho dos brasileiros e souber como obstruir tais pontos? Algo que os franceses fizeram na final da Copa de 1998 e no confronto de 2006.

Faltam cerca de nove meses para o Mundial, tempo suficiente para que o trabalho seja desenvolvido nesta rota, aprimorado. Pois obviamente os rivais do futuro estão, neste momento, e estarão nos que virão, pensando no antídoto capaz de neutralizar os golpes mortais do time brasileiro.

3 comentários em “Atenção aos próprios defeitos

  1. O Brasil é o favorito ante aos demais jogos de seleções que a gente vê na Tv. A bola entra no gol deles e não entra no nosso.
    O melhor esquema, a mais bem treinada defesa, o mais mortífero ataque e o mais genial meio campo estão aqui. è so acreditar, deixar “o homem trabalhar” que vai dar certo.

    1. Harold,
      Acho que o Mauro Cezar reconheceu, sim, os méritos do Dunga. Só não foi cabotino de fingir que não tem divergências em relação ao estilo dele. Penso exatamente assim.

Deixe uma resposta