Classificação em jogo

POR GERSON NOGUEIRA

Imagem

O PSC é um dos piores mandantes do grupo A da Série C, com três empates e duas derrotas, ganhando sete pontos de 21 disputados. O aproveitamento do time na competição é de 50%, mas na Curuzu o rendimento cai para 33%. É uma produção muito baixa para quem ambiciona a classificação.

No primeiro turno da fase classificatória, o PSC não conseguiu vencer dentro de seus domínios, o que explica em parte a situação pouco confortável ao longo da disputa. Com 21 pontos, ocupa a quarta posição. Se está a um ponto do líder Tombense (22), não consegue livrar distância de Ferroviário (20) e Volta Redonda (19).

Contra o Santa Cruz, hoje, o time terá que obrigatoriamente contrariar seu desempenho como anfitrião. Um empate seria trágico para as pretensões bicolores. Restam poucas rodadas e, para classificar, é necessário atingir um mínimo de 30 pontos. Significa que o Papão precisa vencer três dos quatro jogos que irá realizar.

Nesse sentido, o confronto com o lanterna Santa Cruz adquire contornos de decisão. Nem tanto pelo visitante, que só iniciou recuperação nas últimas rodadas. O principal responsável pela dramaticidade é o próprio PSC, que não soube fazer o dever de casa e agora sofre as consequências.

Depois do mau resultado frente ao Floresta, na 14ª rodada, o técnico Roberto Fonseca identificou o principal problema do time: a falta de organização, que leva à balbúrdia tática. Segundo ele, é fundamental que o PSC se imponha e tome as rédeas do jogo desde o início.

Imagem

Frequentemente, o time começa fazendo pressão, cruzando muitas bolas na área e falhando nas finalizações – quando finaliza. Contra o Floresta não deu um chute a gol durante todo o primeiro tempo. Os visitantes se fecham e esperam o momento certo de dar o bote. Aconteceu desse jeito em quatro oportunidades e em duas delas o PSC não foi capaz de reverter.

Sem Perema na zaga, Fonseca deve escalar Vítor Sallinas e no meio Jhonatan segue como volante avançado, visto que Ratinho está fora. A boa notícia é a volta de Diego Matos à lateral esquerda. O ataque, que funciona timidamente em casa, repetirá o trio Marlon, Grampola e Rildo.

Imagina-se que Fonseca pode utilizar Marlon mais recuado para ajudar na articulação, deixando Rildo aberto na esquerda e Grampola centralizado. A saída óbvia seria lançar Danrlei, que é rápido e bom no jogo aéreo.

Ocorre que Danrlei parece não estar nos planos de Fonseca, talvez por ser um jogador regional sem o currículo de Grampola, Tiago Santos e Rildo. Nas rodadas recentes, o atacante baionense nem foi relacionado para o banco de suplentes. Espera-se que hoje seja lembrado. (Fotos: John Wesley/Ascom PSC)

Seleção sobra na classificação, mas não encanta

A invencibilidade da Seleção Brasileira nas Eliminatórias Sul-Americanas é um feito a ser comemorado. Não há dúvida que o Brasil é absoluto no continente e já tem o caminho pavimentado para participar da Copa do Mundo do Catar ano que vem. O problema é que a maneira de jogar não encanta ninguém, muito pelo contrário.

É aí que reside o busílis da questão. Tite não consegue mudar o ritmo da prosa. Contra o Chile ele não tinha jogadores que atuam no futebol inglês. Ainda assim, o rendimento do escrete foi pífio no primeiro tempo, melhorou pouca coisa na etapa final e a vitória veio num lance fortuito.

Não se contesta o resultado, mas a performance. Para um time que sobra na competição continental, a Seleção segue devendo uma atuação de alto nível. Precisa desenvolver um jogo mais sedutor, com exploração da habilidade dos jogadores. Falta drible, ginga e malemolência ao escrete.

A escalação de Vinícius Jr. não se mostrou acertada e Tite parece não acompanhar jogos do Real Madrid. Vinícius insiste, corre, busca a finta, mas é cada vez mais dispersivo e finaliza muito mal. Suas jogadas não têm consequência. Em bom futebolês, é um peladeiro contumaz.

Contra a Argentina, há a chance de uma forra da derrota na final da Copa América, mas o time vai sofrer até no setor onde é mais sólido: a zaga não terá a segurança e os arranques de Marquinhos, nosso melhor defensor. Do meio para frente, tudo depende sempre de Neymar, que parece surpreendentemente roliço e mal condicionado. A conferir.

Bola na Torre

O programa começa às 22h, na RBATV, com apresentação de Guilherme Guerreiro e participações de Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião. Em pauta, os jogos dos clubes paraenses no Campeonato Brasileiro. A edição é de Lourdes Cézar.

Dúvidas e empecilhos para a volta das torcidas

A CBF marcou para quarta-feira, 8, reunião extraordinária para decidir sobre a volta de público aos estádios. Os setoristas da entidade cravam que a decisão de liberar os portões já está tomada, dependendo apenas do aval dos clubes, quase todos favoráveis à iniciativa.

Apesar disso, a ideia ainda vai enfrentar alguns obstáculos. Não cabe à CBF impor aos municípios a liberação de público. A palavra final é dos prefeitos e a maioria não parece disposta a arriscar em meio a uma pandemia que está longe de ser controlada.

Após mais de 580 mil mortes causadas pela covid-19 e o risco representado pelas novas cepas, os comitês sanitários municipais tendem a ser cada vez mais rigorosos. Belém definiu em 20% a capacidade de público, com protocolo restritivo e exigência de comprovação das duas doses da vacina.

Não é uma posição isolada. Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Salvador sinalizam na mesma direção.

Sem que isso seja respeitado, não haverá torcida nos estádios.

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 05)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s