Entre a cruz e a espada

POR GERSON NOGUEIRA

Felipe Conceição

Dizer que o Remo encontrou um modelo apropriado de atuar, condizente com as características de seus jogadores, revela-se hoje uma temeridade. Tudo aquilo que se projetava a partir das vitórias sobre Brusque, Ponte Preta e Cruzeiro entrou em nível de desconfiança com os maus resultados no giro sulista (Londrina e Avaí), impressão atenuada pelo cansaço da equipe com a maratona de cinco jogos em 13 dias.

Aí veio uma breve recuperação contra o CSA, mas na sexta-feira contra o Operário-PR o time se superou em instabilidade e desorganização. Comportou-se como bando e errando passes com frequência assustadora. De longe, a pior atuação sob o comando de Felipe Conceição, fato reconhecido pelo próprio logo após a derrota.

Não foi uma derrota qualquer. O desempenho foi pavoroso, com falhas primárias de posicionamento, como no lance que levou ao gol de Tomaz. Não houve sequer a tradicional aplicação, combustível que muitas vezes ajuda a ofuscar atuações ruins e dias infelizes.

Sem vibração e intensidade, o Remo afundou logo depois que ficou com um jogador a mais – Rafael Chorão foi expulso aos 4 minutos, por entrada violenta em Pingo. O que parecia abrir um clarão de possibilidades mostrou-se um paiol de desacertos. O time passou a jogar para trás e para os lados, raramente indo ao ataque. O primeiro chute, de Gedoz, só ocorreu aos 27 minutos.

Estranhamente, o Operário muitas vezes parecia ter um homem a mais. Bem formatado pelo ex-bicolor Mateus Costa, o time paranaense teve vários desfalques, comprometendo principalmente os setores de meio e ataque. Diante de um Remo bagunçado, essas baixas nem fizeram falta.

A improdutividade do primeiro tempo deu lugar a uma afobação desnecessária na etapa final. Felipe trocou Pingo e Tiago Ennes por Marcos Jr. e Wellington. Pareceu, num primeiro momento, que o Remo finalmente iria encontrar o caminho, mas Paulo Sérgio meteu uma bola na trave de Vinícius. Depois que Rafinha substituiu a Gedoz, surgiu a melhor jogada: o meia acertou um tiro forte na trave esquerda do goleiro Simão.

O Operário passou a equilibrar as ações, arriscando saídas ao ataque que exploravam a insegurança gritante do meio-campo do Remo. Com Lucas Siqueira posicionado como atacante, o time perdeu um combatente qualificado à frente da zaga. Artur errava quase todas as tentativas e Marcos Jr. não se decidia entre marcar e armar.

De repente, Tomaz avançou sozinho, fez uma ginga e mandou para as redes de Vinícius, observado por quatro defensores remistas. Fácil, fácil. O gol atestou que o Remo não soube jogar com a vantagem numérica e não se preparou adequadamente para encarar um adversário tão tinhoso.

A vitória com tintas heroicas do Operário é a constatação de que as escolhas de Felipe para substituir o trio Uchoa-Flores-Andrade foram tremendamente infelizes, afetando inclusive o desempenho de Lucas Tocantins, isolado e sem jogadas que explorassem sua velocidade.

Depois da casa arrombada, o vexame foi avaliado corretamente pelo treinador, mas o argumento de que foi melhor acontecer agora não conforta a massa torcedora. Todas as dúvidas quanto à confiabilidade da equipe voltam à tona com toda força. Não há saída: Felipe e seus jogadores terão que dar uma resposta. E o Goiás é o próximo desafio.

Bola na Torre

O programa vai ao ar às 22h15 deste domingo, na RBATV, com apresentação de Giuseppe Tommaso e participações de Valmir Rodrigues e deste escriba de Baião. Em destaque, a participação dos clubes paraenses nas Séries B, C e D. A edição é de Lourdes Cézar.

Papão vai em busca da liderança da chave

Roberto Fonseca estreou bem. Fez o PSC vencer a primeira em casa, resistindo bem à situação desfavorável de perder um jogador logo no começo da partida. As escolhas do técnico se mostraram adequadas, embora com um ou outro deslize – como a escalação de Robinho.

Hoje, em João Pessoa, a missão tem envergadura diferente. O Botafogo é um dos concorrentes diretos à classificação, tem a mesma pontuação (16) e está uma posição à frente. No turno, o alvinegro paraibano arrancou uma vitória categórica na Curuzu.

Mais do que nunca, o PSC tem que reaver esses três pontos, fazendo valer o excelente retrospecto fora de casa. Foram três vitórias e dois empates, garantindo o bom posicionamento na classificação, apesar do mau rendimento técnico na maioria dos jogos.

Fonseca tem nas mãos a chance de aliar resultados satisfatórios com atuações convincentes. A torcida voltou a acreditar no time, mas, de maneira geral, o PSC está abaixo do que poderia alcançar numa chave repleta de times de nível inferior ao bicampeão paraense.

Com várias opções para o ataque – Tiago Santos, Rafael Grampola, Rildo, Marlon, Bruno Paulo –, Fonseca pode fazer variações interessantes em relação ao jogo contra o Tombense. No meio, Paulo Roberto parece cada vez mais consolidado como titular. Uma boa novidade num setor conhecido pelas oscilações.

Gratidão eterna

No Dia dos Pais, a coluna é dedicada a meu amado pai José, firme como rocha em seus 91 anos de vida; e a meu pai-avô Juca, que já não está entre nós. 

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 08)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s