Há uma picaretagem linguística no futebol – em alta!

Por Lenio Streck, no jornal O Sul

Em várias colunas aqui em O SUL e em outros textos alertei para a Novilingua que se forjou em diversas áreas. Começar virou “estartar”. Incremetar é “dar um up”. Bom, Orwell já denunciou isso em seu 1984, em que o regime trocou as palavras para dizer as mesmas coisas, como “Ministério da Guerra” virou “Ministério do Amor”. Todo os dias se vê essa novilíngua.

Agora o grande Rui Castro, em artigo na Folha de São Paulo, mostra como isso chegou ao futebol. Narradores, comentaristas, treinadores agora falam o “novilinguês”.

Assim: jogador ou time, ninguém mais joga bem —“faz bom jogo”. Alguém que desarma um adversário e parte para o ataque é porque “teve uma leitura adequada” do lance. Times ofensivos agora são “propositivos”. Já os que se fecham e jogam no contra-ataque são “reativos”. E, outro dia, um comentarista disse na TV que tal sistema de jogo “demandava percepção cognitiva” —e ninguém na mesa riu.

Mais: Estamos diante de uma nova cepa (epa!) do pedantês arcaico, o titês, criado pelo treinador Tite, da seleção. Nele, os antigos e velozes pontinhas dribladores tornaram-se os “extremos desequilibrantes”. O vulgar “dar conta do recado” foi promovido a “performar”. E os estudiosos conseguiram traduzir um tijolo em que se lia “sinapse no último terço”, mas não sabem o que significa. Os infelizes comandados pelo citado Tite também não.

O futebol, na verdade, apenas reflete uma novilíngua geral no Brasil, em que palavras ainda perfeitamente válidas estão sendo canceladas e substituídas por outras aprendidas de ouvido na internet. A velha e confiável “eficiência”, por exemplo, deu lugar a “efetividade”. Ninguém mais é “forte” ou “resistente”, mas “resiliente”. O lindo e sensual “atraente” foi chutado do léxico pelo “atrativo”. E “audiência” deixou de ser aquilo que se media para saber quem estava na escuta, tragada pelo inglês “audience”, que significa “plateia, acrescenta o jornalista carioca.

E conclui Rui: quando se faz algo exato, delicado, no detalhe, diz-se que foi “cirúrgico” —como se uma cirurgia, qualquer uma, não fosse um banho de sangue. E nunca se usou tanto a palavra “empatia”. Logo hoje, em que ela está mais em falta do que nunca.

Nada tenho a acrescentar. Absolutamente genial. É o drible da vaca na língua.

Logo, drible da vaca será “o atleta induziu o adversário em erro, simulando a ultrapassem por um lado e a esfera de couro pelo outro”.

Cruzamento para a área será “levantamento estratégico, com pequena elevação, sobre a área próxima à goleira do adversário”.

Goleiro defendendo será “o protetor das três balizas, com esmero, evita a tentativa de introdução da bola. E fê-lo mediante impulsão em sentido horizontal na direção de seu lado esquerdo”.

O narrador passa a ser chamado de “ator encarregado de explicitar as particularidades do espetáculo ludopédico”.

Já o comentarista será chamado de “analista de conjuntura do game, especialista em prognoses decorrentes de sua capacidade de cognoscibilidade empíricista”.

Bah!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s